Moda, comportamento e tendências
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Moda, comportamento e tendências
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Moda, comportamento e tendências
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Tendências de comportamento em 2017

Depois de um ano de crises políticas e econômicas no Brasil e no mundo, reviravoltas, atentados e até o Trump eleito, nos resta perguntar, o que vem em 2017? A tecnologia e a sustentabilidade são temas que vão reinar e vão de fato mudar nossa forma de consumir. Quer ver?

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

1 - Experiência virtual

Segundo a agência de tendências Trendwatching, em 2017, a realidade virtual, aumentando e mista estará cada vez mais presente na sua vida, isso muda tudo, sua forma de agir, pensar e consumir, inclusive. A mudança é central, antes tínhamos a abundância ou a escassez de bens materiais, agora temos experiências virtuais que nos levam a possibilidades infinitas.

Abba voltará aos palcos em uma tour virtual em 2018. Segundo a banda: Trata-se de uma experiência que utilizará os últimos recursos em tecnologia digital e de realidade virtual, e será voltada sobretudo à nova geração de admiradores da banda, que não puderam vê-la ao vivo na época", informou o grupo através de sua página no Facebook.”

Tendências de comportamento em 2017

2 - A tecnologia na moda

Além dos wearables (link post anterior) que já comentamos por aqui, as tecnologias vão mudar a forma de pensar, criar, fazer e vender moda. Novos tecidos, impressoras 3D, venda online, tudo isso ganha espaço em 2017.

Tendências de comportamento em 2017

                    Capa da revista Elle de novembro de 2016.

3 - Sustentabilidade

O crescimento do tema é indiscutível, o consumidor quer saber cada vez mais a origem do produto, se ele é reciclável, se ele contém produtos que agridem o meio ambiente e se ele é produzido com mão de obra escrava (como é o caso de produtos que vêm de países asiáticos). Para quem ainda tem dúvida a respeito, a Unilever viu as suas marcas sustentáveis crescerem 30% mais depressa do que as restantes. A conclusão consta no relatório referente aos últimos cinco anos do plano de sustentabilidade da empresa. O mesmo documento revela ainda que os consumidores recompensam as marcas que têm um impacto social positivo, para além da tradicional funcionalidade do produto e de um preço equilibrado.

Tendências de comportamento em 2017

Aliás, 54% dos consumidores diz preferir produtos sustentáveis, de acordo com um estudo realizado pela Unilever em cinco mercados, desafiando assim a tradicional percepção de que a sustentabilidade não vende. Fonte: executivedigest.com

4 - Big Data

Cada vez mais os dados de comportamento e consumo estão integrados, o que as marcas estão fazendo com isso? Aprendendo a antecipar as demandas, antecipar os desejos e criando canais de relacionamento personalizados. Entender esses dados e trabalhar com BI (business intelligence) não é mais uma tendência é uma necessidade para sobreviver em 2017.

Tendências de comportamento em 2017

O próximo ano vai ser desafiador para quem não entender que a tecnologia já mudou nossa sociedade, cultura e economia. 

Somos os responsáveis pela nossa sociedade individualista

Somos os responsáveis pela nossa sociedade individualista
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Eu preciso, eu mereço, eu quero: o indivíduo é soberano na sociedade contemporânea. A individualidade está intimamente ligada à liberdade, entre elas as liberdades de escolha, a busca pelo prazer, o culto ao corpo e a beleza, tudo isso inerente aos temas como o hedonismo e ao narcisismo.

Existem dois tipos de sociedade: holistas e individualistas. A diferença está na totalidade do corpo social, presente na sociedade holista e na valorização do indivíduo só na sociedade individualista. Nesse sentido o indivíduo é o controle e o foco do universo social. Isso aconteceu depois das transformações associadas à Modernidade. Nesse momento da história o indivíduo foi libertado das tradições e estruturas sociais. Fizeram parte desse cenário as mudanças sociais, políticas e econômicas resultantes da Reforma Protestante e do Renascimento.

A origem desse individualismo está associada ao momento cultural do renascimento italiano, momento em que as vontades de “poder, fama, prestígio e distinção” foram disseminadas. A cultura renascentista exercia pressão para que o ser-humano daquela época sentisse o desejo de impor sua própria singularidade, de criar seu próprio estilo. O individualismo é a marca principal da Modernidade e é o principal valor cultural da sociedade ocidental.

Somos os responsáveis pela nossa sociedade individualista

Este argumento demonstra que a ideia de indivíduo pode ser desnaturalizada, ou seja, a percepção de si como indivíduo não é inata, mas construída socialmente. Pode-se dizer até que é fundada na sociedade moderna. Nas sociedades individualistas, perpassa a noção de que a sociedade deve estar a serviço do indivíduo, sendo o contrário entendido como injustiça ou opressão. Se tomarmos a publicidade e a moda nas últimas décadas como exemplo, poderemos observar sempre o discurso que supervaloriza o indivíduo, que coloca ele sempre à frente e sempre no centro da sociedade. “Você merece”, “você pode”, “você é o melhor” é algo que a mídia, através da publicidade e propaganda, reforça no âmbito social.

A noção de individualismo nasce junto com a noção de liberdade, nesse momento diversos pensadores, como Rousseau, colocaram o individualismo em um patamar supremo. Para que fosse possível alcançar essa liberdade era preciso se desfazer das instituições sociais como a Igreja, por exemplo, pois elas impediam a realização desse indivíduo plenamente. Essa fase constitui a primeira fase do individualismo. A segunda revolução individualista iniciou-se a partir do século XIX, por influência do Romantismo, trazendo a ideia de que os homens, agora libertos dos laços tradicionais, poderiam ser distinguidos uns dos outros. Os indivíduos buscavam, então, ser valorizados na sua singularidade, queriam ser únicos e incomparáveis e, nesse mesmo momento, a moda surge como propulsora deste desejo.

O individualismo continua presente nas sociedades pós modernas. O indivíduo, em busca de sua liberdade, segue no centro cultural e social. Para Lipovetsky, o indivíduo vive de forma narcisa, não apenas no sentido apenas de culto ao corpo, à beleza padronizada, ao não envelhecimento, ao consumo, mas a um outro estilo de vida que ele denomina homo psychologicus: o indivíduo que se preocupa com seu bem-estar. E nesta busca pelo bem-estar, ele inclui tudo: yoga, acupuntura, medicinas alternativas (holísticas), oriundas da cultura oriental e trazidas para o ocidente. O narciso contemporâneo para o autor não tem uma motivação central. Sem nenhum tipo de motivação essencial, ele busca sobreviver à sua própria apatia (em grego: ausência de paixões), tentando realizar-se apenas no seu próprio poder de consumo e na estabilidade de sua saúde. Esse individualismo contemporâneo abre novos paradigmas sociais.

A moda nesse contexto pós-moderno está relacionada intimamente ao consumo, ao capitalismo. Segundo Svendsen, no princípio da era moderna, vivíamos numa “sociedade de produção” em que os cidadãos eram moldados sobretudo a serem produtores. Seu papel básico era produzir. Na sociedade pós-moderna, esse papel mudou e é como consumidores que seus membros são vistos.

Esse consumo liberta o indivíduo, a partir da moda ele é livre para construir sua identidade. Parece simples pensar assim, mas as questões que emergem acerca da individualidade, a partir da moda, são de ordem muito mais complexa. Não consumimos apenas para suprir necessidades já existentes: nós fazemos provavelmente para criar uma identidade. O consumo, segundo Bauman, também serve como uma forma de entretenimento, ele combate o tédio.

Somos os responsáveis pela nossa sociedade individualista

Sem dúvida, a moda - ou melhor ainda o sistema da moda - como conhecemos na atualidade tem o indivíduo como objeto central e o argumento da identidade como lógica de funcionamento. Surge aí um paradoxo: como sobreviver aos desafios da atualidade olhando para si e pensando de forma individualista, o coletivo a colaboração e a sociedade em rede são respostas a essa sociedade individualista. Quem sabe precisamos construir uma sociedade mais hedonista?

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
StreetStylePOA
Moda, comportamento, fotografia e comunicação.