Arcadia
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Arcadia
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Arcadia
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Conheça o game brasileiro que incentiva vacinação

Tapa Da Pantera
há 7 meses1.5k visualizações

Video game não é só tiro, porrada e bomba. Dependendo de quem usa e de quem divulga, consoles, tablets e smartphones podem ser ótimas plataformas para games educarem seus usuários. E é exatamente isso que faz Detona Vírus, game produzido no Brasil que tem como objetivo incentivar a campanha de vacinação contra meningite C e HPV.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
Conheça o game brasileiro que incentiva vacinação

A história do game, que está disponível para Android e iOS, é fofinha. Você controla um menino ou uma menina em tamanho microscópico dentro de um sistema imunológico. A missão é acabar com o vírus Harry Papilos V.

Detona Vírus tem 15 fases, três chefões, e à medida em que você vai avançando, vai ganhando dicas do Dr. Vacin. Segundo a descrição do game na App Store, “em cada passo, você vai entender como é importante a vacinação contra o HPV e a Meningite C, e como a gente tem que dar importância à batalha no jogo como ela tem na vida real.”

Conheça o game brasileiro que incentiva vacinação

Importante: a vacina contra Meningite C está disponível de forma gratuita para meninos e meninas de 12 a 13 anos, enquanto a vacina contra HPV, para meninos de 12 a 13 e para meninas de 9 a 14 anos, em postos de vacinação do Sistema Único de Saúde (SUS) em todo o país. E não esqueça de tomar a segunda dose da vacina seis meses após a primeira.

Kona, o game de detetive que mistura Fargo e Twin Peaks

Tapa Da Pantera
há 7 meses828 visualizações

Há quem diga que é um “simulador de Canadá”, mas tem também quem vê o game Kona como uma mistura de Twin Peaks com Fargo que resulta num jogo de investigação no inverno franco-canadense com tudo que há de perigoso nesse cenário - inclusive animais. O resultado, de qualquer modo, é um game diferente, atraente e que deixa gosto de quero mais.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

A história se passa do Canadá dos anos 1970, quando você, o detetive particular Carl Faubert, chega a uma cidade no norte de Quebec (onde só se fala francês) a chamado de um cliente. É aí que você descobre que algo sinistro aconteceu.

Quando dizem que Kona é um “simulador de Canadá”, é porque o gamer fica com uma sensação de isolamento durante boa parte do tempo. As conversas com outros personagens não são frequentes, e a voz do próprio Carl, que às vezes narra seus pensamentos, é uma das poucas que se ouve.

Kona, o game de detetive que mistura Fargo e Twin Peaks

Kona não é um game sofisticado. Os gráficos não são espetaculares. O som não tem nada de especial. É a história, junto com o clima do jogo, que ganha o gamer. Os obstáculos são a natureza canadense. Não tente passar muito tempo naquele frio congelante (sim, você pode morrer - de verdade - de frio) nem se aventurar tanto por regiões desabitadas. 

Kona, o game de detetive que mistura Fargo e Twin Peaks

O único probleminha é que Kona não vai longe o bastante. Os mistérios não são tão difíceis assim de decifrar, e seu trabalho de detetive não é tão exigente assim. O bom é que, segundo os desenvolvedores, Kona é apenas a primeira parte de uma história com quatro partes. Sim, o game tem um fim digno e bem resolvido, mas você vai ficar com gosto de “quero mais”. Resta torcer para que os outros três episódios façam jus à expectativa. 

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
TapaDaPantera
Equipe Storia Brasil