Arcadia
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Arcadia
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Arcadia
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Por que você NÃO deve trocar seu Playstation 4 por um PS4 Pro

Tapa Da Pantera
há um ano50 visualizações

A Sony anunciou não faz muito tempo o lançamento do PS4 Pro, que é uma versão turbinada do Playstation 4, que todo mundo conhece bem. Mas será que um dono do PS4 deve vender seu console e comprar a versão nova? Parece que não. E a questão funciona mais ou menos assim.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
Por que você NÃO deve trocar seu Playstation 4 por um PS4 Pro

As vantagens do PS4 Pro

O console turbinado (o PS4 Pro é o aparelho da esquerda na foto acima) faz tudo um pouco melhor que o PS4. Mas só um pouco. Na maioria dos jogos, você não vai ver diferença. Em alguns (aqueles com cenários cheios de detalhes), no entanto, o processador mais poderoso do PS4 Pro vai fazer tudo rodar de forma mais suave. Além disso, o PS4 Pro vai rodar jogos e processar imagens em 4K. O “antigo” PS4 roda “apenas” imagens em Full HD.

Por que não comprar?

O grande atrativo é mesmo a resolução 4K, mas é preciso pensar no investimento. Se você já tiver um PS4, será que compensa pagar mais R$ 2 mil por um console, sabendo que você também vai ter que comprar uma TV nova para aproveitar? Não parece lá a mais sábia das decisões.

Por que comprar, então?

Só existem alguns cenários em que vale a pena - pelo preço de hoje - comprar um PS4 Pro: 1) Você não tem um PS4. Aí, sim. A diferença entre os consoles é de mais ou menos R$ 500. Por esse valor, você leva um console mais poderoso e atualizado; ou 2) Você já tem uma TV 4K e também tem R$ 2 mil de bobeira, pedindo pra sair da carteira. Se seu caso é esse, vai com tudo. Caso contrário, melhor resistir à tentação.

5 fails épicos na história dos videogames

Tapa Da Pantera
há um ano36 visualizações

Todo viciado em games que já passou dos 30 já teve uma boa meia dúzia de consoles em casa. Uns deles certamente foram melhores do que outros. Por sorte, os ruins mal chegaram no Brasil, onde a pirataria rola solta - e só se faz game pirata se o console vende bem. Mas a história está cheia de aparelhos que prometiam um bocado e floparam lindamente.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

1. Xbox 360 

5 fails épicos na história dos videogames

Justiça seja feita, o Xbox 360 passou longe de ser um fiasco de vendas. O problema é que os primeiros consoles colocados no mercado pela Microsoft sofriam de superaquecimento (quem compra um console pra jogar pouco, né?) que fazia o hardware travar. Nada funcionava. O gamer ligava o console e via três luzes vermelhas no painel. O crash ficou conhecido como 3RL (de three red lights, em inglês) ou Anel Vermelho da Morte. Eventualmente, a Microsoft corrigiu o problema, mas os primeiros compradores do Xbox 360 ficaram traumatizados com as três luzes vermelhas.

2. 3DO 

5 fails épicos na história dos videogames

O 3DO era potente, era multimídia e tinha tudo pra dar certo. Em tese, a 3DO licenciaria o hardware, e qualquer empresa poderia fabricar o console. A Panasonic comprou a ideia. A Goldstar, a Sanyo e a Samsung também, mas só o da Panasonic teve algum sucesso de vendas. O problema é que o bichinho era caro. Custava US$ 700 numa época que o Playstation chegava ao mercado por US$ 300. Não podia dar certo. O 3DO começou a ser fabricado em 1993 e foi encalhado em 1997. Os dois milhões de pessoas que compraram o console precisaram mudar para o Playstation ou seu maior concorrente na época, o Saturn da Sega.

3. Jaguar 

5 fails épicos na história dos videogames

Era pra ser o retorno triunfal da Atari, empresa que marcou a infância de muita gente que cresceu jogando clássicos como Galaga, River Raid, Arkanoid, Seaquest, Enduro e Decathlon, destruindo joysticks com os amigos em casa. Só que não passou de um fantástico fiasco. A Atari prometeu um processador de 64 bits e preço acessível, na casa dos US$ 200. Duas mentiras. O console chegou às lojas por US$ 250 e tinha, na verdade, dois processadores de 32 bits. Pra piorar, não tinha game bom pra ele no mercado. Restou à Atari pedir falência dois anos depois.

4. Dreamcast 

5 fails épicos na história dos videogames

A Sega reinou nos EUA com o Genesis (Mega Drive para os brasileiros), que vendia mais que o Super Nintendo. Mas aí veio a geração seguinte, e o Saturn levou uma surra do Playstation nas vendas. A resposta, em tese, seria o Dreamcast. Nunca foi. O Playstation 2 vendeu como água, e os Dreamcasts encalharam. Foi a última tentativa da Sega de competir no mercado de consoles. Sony e Microsoft dominam desde o início do século.

5. Virtual Boy 

5 fails épicos na história dos videogames

Embalada (e enganada!) pelo sucesso do Game Boy, a Nintendo decidiu apostar na realidade virtual e colocou no mercado o Virtual Boy. Isso foi em 1995, e o console esbarrou nas limitações tecnológicas da época. Os gráficos eram avermelhados e não eram em 3D de verdade, os gamers reclamavam de dores de cabeça e não dava para jogar com duas pessoas. Um ano depois do lançamento, a Nintendo desistiu de fabricar o negócio. 

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
TapaDaPantera
Equipe Storia Brasil