Na vitrola
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Na vitrola
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Na vitrola
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Veja esse cover super fiel de David Bowie que The Killers fizeram na BBC

Tapa Da Pantera
há um mês254 visualizações

A banda The Killers vive aquele momento pré-lançamento de álbum que exige todo tipo de trabalho de divulgação. Entrevistas, aparições em talk-shows e visitas a estúdios de TV e rádio. A última dessas ações foi no Live Lounge da BBC Radio 1 e que incluiu um lindo e fiel cover de “Fame”, de David Bowie.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
Veja esse cover super fiel de David Bowie que The Killers fizeram na BBC

A apresentação de um cover é uma tradição do Live Lounge. Quem vai lá sempre faz algo especial e exclusivo para o programa. Os Killers aproveitaram para mostrar sua versão do clássico de “Young Americans”. O álbum, lançado em 7 de março de 1975, tinha “Fame” como última faixa do lado dois. A canção foi escrita junto com Carlos Alomar e John Lennon. Veja abaixo como ficou a versão de Brandon Flowers e companhia.

Antes de “Fame”, os Killers abriram a apresentação com o single “The Man”, do álbum “Wonderful Wonderful”, que tem lançamento previsto para o dia 22 de setembro.

Por fim, depois de "Fame", um clássico da banda. O maior clássico dos Killers, na verdade. “Mr. Brightside”, que foi eleita pela revista Vice a “Stairway To Heaven” da geração dos millenials. E haveria alguma maneira melhor de fechar um pequeno set? Veja como foi: 

Taylor $wift está tentando registrar frases e faturar ainda mais com novo álbum

Tapa Da Pantera
há 2 meses1.8k visualizações

Aparentemente, Taylor Swift está querendo capitalizar de todos os jeitos po$$íveis em cima do lançamento de seu novo álbum, “Reputation”. Segundo o TMZ, a cantora agora vem tentando registrar comercialmente frases e nomes de músicas para usá-las em produtos que serão vendidos aos seus fãs.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
Taylor $wift está tentando registrar frases e faturar ainda mais com novo álbum

Entre as frases estariam o nome do single “Look What You Made Me Do” e o verso “The old Taylor can’t come to the phone right now”. Segundo os documentos do pedido de registro, a lista de produtos de Taylor para seus Swifties inclui desde palhetas de guitarra até camisetas, incluindo bolsas, notebooks e todo tipo de acessórios.

Na prática, o que isso significa? Que se o órgão responsável aprovar o pedido, ninguém vai poder usar as frases sem correr o risco de levar um processo e pagar uma indenização para Taylor. Algo que, sejamos sinceros, beira à insanidade, né?

Ou alguém realmente acha que uma cantora (ou quem quer que seja!) pode ser dona de uma frase tão comum quanto “look what you made me do” (“olha o que você me obrigou a fazer”)? Pelamordedeus! É como se o governo brasileiro desse a algum estrangeiro o controle sobre o uso da palavra “pagode”… Ops, isso já aconteceu.

Ainda sobre TS, vale lembrar que ela já vem sendo duramente criticada pela campanha “Taylor Swift Tix” e seus “fãs verificados”. A parceria com a Ticketmaster estimula os fãs a gastarem mais e mais dinheiro com o objetivo de avançar nas filas virtuais de compras de ingressos. Os Swifities podem garantir um lugar melhor vendo o vídeo de “Look What You Made Me Do” até cinco vezes por dia, postando sobre a cantora em contas de redes sociais e fazendo a pré-compra de “Reputation” pagando US$ 48,03 como garantia de que receberão o álbum no dia do lançamento (10 de novembro).

A campanha (veja aqui) jura que o objetivo é evitar a existências de bots, que são programas de computador que compram ingressos automaticamente e são usados por empresas que revendem esses bilhetes por preços abusivos. No entanto, a medida faz o fã deixar de pagar cambistas para gastar mais na loja oficial da cantora.

Rou Reynolds, líder da banda Enter Shikari, escreveu no Twitter que “a coisa mais revoltante é que essa exploração ultracapitalista de fãs está abaixo de qualquer camada de moralidade - impedindo bots e touts de ingressos. Bots/touts tosquiam fãs revendendo ingressos por um preço mais alto. Ela não está impedindo, está substituindo. Ele está tosquiando seus próprios fãs. Isso é lucrar acima de [pensar nas] pessoas; comércio acima de conexão; acumulação acima da arte.”

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
TapaDaPantera
Equipe Storia Brasil