Que bruxaria é essa?!
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Que bruxaria é essa?!
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Que bruxaria é essa?!
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Esses 5 cabos de alto-falante custam mais que o seu carro

Tapa Da Pantera
há 6 meses899 visualizações

Você, eu e um monte de pessoas “normais” que não pertencem à classe AAAAA não fazemos ideia, mas existe um mundo gigantesco de produtos feitos só para os Gates, Bransons e Zuckerbergs da vida. Gente que ganha bilhões e está sempre nas listas de pessoas mais ricas do mundo. Quer ver um exemplo bobo? Cabos de alto-falante? Você sabia que existe uma dúzia de fiozinhos assim que custam provavelmente mais do que o seu carro? Não? Então olha só.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

1. Cardas Clear Beyond

Esses 5 cabos de alto-falante custam mais que o seu carro

Comecemos por um “baratinho”. O Clear Beyond é construído com condutores Litz, que usam vários pequenos fios que são unidos para formar condutores mais largos. Em tese, simples. Eles custam a bagatela de US$ 13.490 o par. Em reais, isso dá mais ou menos R$ 42 mil. Ou seja, o preço de um Chevrolet Onix. É o que esse mundo dos ricos e famosos deve chamar de “cabo popular”.

2. Nordost ODIN 2 Supreme Reference

Esses 5 cabos de alto-falante custam mais que o seu carro

Um cabo com nome de divindade nórdica. Já sentiu o drama, né? Esse modelo é feito com um processo que envolve propileno etileno fluorado, o que faz com que os condutores usem o ar como dielétrico (isolador de eletricidade). O par desses bichinhos aqui com mais ou menos um metro de comprimento custa US$ 30 mil, o que dá uns R$ 95 mil. Com esse dinheiro, dá para viajar até Asgard, onde, segundo a mitologia, era onde morava Odin, o principal deus do clã mais importante entre os nórdicos. Ou então você pega esse dinheiro e contrata um dos atores de “Os Vingadores” para uma festinha particular.

3. AudioQuest Tree Series WEL Signature

Esses 5 cabos de alto-falante custam mais que o seu carro

Cada um desses cabos tem 16 componentes de prata armados em espiral. Eles usam uma sequência com de componentes com base de carbono com várias camadas que funciona como sistema de dissipação de ruído. Se você não entendeu o tecniquês, não se preocupe. Um par desses cabinhos custa US$ 76 mil dólares, o equivalente a mais ou menos R$ 240 mil reais. Sai mais barato comprar dois Honda Civic.

4. MIT ACC 268

Esses 5 cabos de alto-falante custam mais que o seu carro

Esse MIT não é aquela famosa faculdade de Massachusetts. Aqui, é Music Interface Technologies porque o fabricante não chama seus cabos simplesmente de cabos. Eles são “interfaces”. Nome chique pra valorizar o produto, mas o negócio é mesmo sofisticado. Os cabos, ou melhor, interfaces, vêm com uma caixa-console que permite ajustar a circulação do sinal enviado às caixas de som. Isso é para que o som fique melhor dependendo de como a sala está organizada, da temperatura e outros fatores. Isso tudo faz o preço chegar a US$ 80 mil - o equivalente a uns R$ 250 mil. Dá pra comprar um Jeep Grand Cherokee Limited, a edição completa. Ele aliás, já vem com nove alto-falantes.

5. Kimber Kable KS 6068

Esses 5 cabos de alto-falante custam mais que o seu carro

Ouvindo esse nome, é capaz de você pensar primeiro numa personagem de Full House, mas não se engane. A Kimber Kable só faz coisa de altíssimo nível. Deixando o tecniquês de lado, são cabos grossos e com especificações extremas. E um cabo com 10 metros de comprimento custa US$ 82 mil. Ou uns R$ 260 mil. Ou dois Ford Fusion completinhos. Aliás, você sabia que cada Fusion vem com 11 alto-falantes?

Museu na Suécia eterniza #epicfails. Lembre de 5 casos exibidos por lá

Tapa Da Pantera
há 6 meses650 visualizações

No dia 7 de junho, uma exibição em um museu na cidade de Helsinborg, na Suécia, será ÉPICA. Chamada de “Museum of Failure”, algo como “museu de falhas”, a mostra contará com 51 casos de #epicfails, que são aqueles fracassos retumbantes que a gente bem conhece.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

A exibição é cortesia de Samuel West, um colecionador que se rotula como um pesquisador de inovações. Ao longo do tempo, ele registrou invenções e tentativas que podiam dar certo, prometiam muito, mas não deram em nada. Quer ver alguns dos #epicfails que estarão por lá?

1. Coca-Cola BlaK

Museu na Suécia eterniza #epicfails. Lembre de 5 casos exibidos por lá

Uma Coca-Cola com sabor de café foi lançada em 2006, mas durou só até 2008. Os consumidores reclamaram do gosto forte demais de cafeína. A bebida foi lançada na França e, em seguida, nos EUA, no Canadá e no México. Nunca chegou ao Brasil.

2. Nokia N-Gage

Museu na Suécia eterniza #epicfails. Lembre de 5 casos exibidos por lá

A Nokia anunciou o N-Gage como solução definitiva para quem queria uma plataforma móvel de games e um telefone celular. Isso foi em 2003, bem antes de smartphones rodarem games. A ideia era ótima. O problema é que o gadget não fazia bem nenhum dos dois. Era um telefone complicado e nunca teve games de sucesso.

3. Lasanha Colgate

Museu na Suécia eterniza #epicfails. Lembre de 5 casos exibidos por lá

A Colgate - sim, a mesma marca que você conhece de pastas de dente - lançou uma linha de comidas congeladas na década de 1980. A ideia era jantar aquilo e, em seguida, escovar o dente com pasta Colgate. É sério. Precisamos explicar por que não deu certo?

4. Betamax

Museu na Suécia eterniza #epicfails. Lembre de 5 casos exibidos por lá

O formato criado pela Sony para videocassetes (os famosos VCRs) era superior em qualidade e velocidade, mas nunca conseguiu abocanhar uma fatia decente do mercado. O formato VHS, adotado por todas outras grandes empresas de eletrônicos da época, sempre dominou.

5. Apple Newton

Museu na Suécia eterniza #epicfails. Lembre de 5 casos exibidos por lá

Na década de 1990, a Apple tentou fazer o Newton vingar. Ele era um organizador pessoal, uma espécie de agenda digital, em que você podia escrever com uma canetinha especial. Dois problemas foram fatais: a interface para escrever era ruim; e o preço era absurdo - US$ 699. A Apple até conseguiu vender lotes do Newton para hospitais, mas nunca tirou o mercado do Palm Pilot. 

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
TapaDaPantera
Equipe Storia Brasil