Curadoria de Internet da Giovana
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Curadoria de Internet da Giovana
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Curadoria de Internet da Giovana
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

O Starbucks criou uma bebida de unicórnio e as pessoas surtaram

Giovana Penatti
há 6 meses82 visualizações

Na última semana, o Starbucks gringo postou a foto abaixo no Instagram:

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

E a legenda é: Tão majestoso quanto magenta...#FrappuccinodeUnicórnio. Muda de cor, muda de sabor, potencialmente muda sua vida. 

Basicamente, é o Starbucks entrando na onda das coisas de unicórnio e fazendo uma bebida de cores fofas inspiradas nesses seres mágicos. E, sendo o mestre do marketing que é, ainda tem um agravante: o frappuccino mágico está disponível por tempo limitado em lojas dos EUA, Canadá e México.

Obviamente, as pessoas ficaram desesperadas pelo tal frappuccino de unicórnio, a ponto de fazer filas enormes, esgotar o estoque em diversas lojas e acabar com a paciência dos baristas.

E, claro, a internet documenta tudo.

Tem barista fazendo linha de produção para dar conta dos pedidos...

...barista com a mão manchada e grudenta de pozinho de unicórnio...

O Starbucks criou uma bebida de unicórnio e as pessoas surtaram

...barista fazendo placa avisando que não tem mais ingradientes de unicórnio nesta unidade do Starbucks (tem MUITA placa, inclusive)...

O Starbucks criou uma bebida de unicórnio e as pessoas surtaram

...gente fazendo esquema de revenda de frappuccino de unicórnio...

O Starbucks criou uma bebida de unicórnio e as pessoas surtaram

...até cabelo inspirado no tal frappuccino (que, aliás, é mais bonito que o frappuccino)...

O Starbucks criou uma bebida de unicórnio e as pessoas surtaram

...e, claro, muitas fotos de uma bebida coloridíssima nas redes sociais.

O tal frappuccino é realmente o maior sucesso, mas não é por isso que os baristas estão surtando de felicidade por causa dele. Um deles fez, ainda no início da semana, um vídeo pedindo para as pessoas pararem de pedir o tal frappuccino (o vídeo foi deletado do perfil do cara, mas vocês conhecem a internet). E, de quebra, ele do que a bebida é feita. Spoiler: não tem café!

Se você estiver nos EUA, Canadá ou México hoje (é o último dia!) e resolver dar uma chance para o tal frappuccino de unicórnio, conta pra gente o que você achou. Esse menininho, por exemplo, não curtiu:

Frappuccino de unicórnio, please come to Brazil?

O peixe invisível e outros produtos bizarros de Harold Von Braunhut

Giovana Penatti
há 7 meses1.7k visualizações
O peixe invisível e outros produtos bizarros de Harold Von Braunhut
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Quais são as chances de você gastar seu dinheiro para comprar um peixe invisível, com 100% de garantia de que você nunca conseguirá vê-lo?

Espero que a resposta tenha sido zero chances. Mas acredite: um cara já tentou vender isso. E, segundo ele mesmo, foi um sucesso de vendas, com estoques esgotados.

O cara não era um comediante: Harold von Braunhut é conhecido como um inventor e empreendedor americano, mas talvez chamá-lo de gênio do marketing seja mais próximo da realidade. Ou loroteiro.

Em meados dos anos 60, nos EUA, Braunhut começou sua fortuna ao anunciar criações em revistinhas naquelas seções de cupons, nas quais você preenchia seu endereço e enviava com uma quantia de dinheiro para receber o produto. Enter elas, estavam o peixe invisível - o kit vinha com um aquário, comida para peixes e um manual - e os óculos de visão de raio-x - que teoricamente permitiriam ver através das roupas das mulheres, como era mostrado na ilustração.

As ilustrações dos anúncios, aliás, eram uma parte importantíssima do negócio. Afinal, era preciso dar um jeito de mostrar como os produtos funcionavam - ou deveriam funcionar; os óculos de raio-x, pro exemplo, eram um tipo de ilusão de ótica. Além disso, os produtos eram todos vendidos para crianças; uma ilustração bem feita era garantia da venda.

O peixe invisível e outros produtos bizarros de Harold Von Braunhut

O maior exemplo disso e também maior sucesso de Braunhut foram os Sea Monkeys. No desenho, eram "macaquinhos aquáticos" coloridos que formavam famílias, tocavam instrumentos, surfavam. Na propaganda, eram "vida instantânea", que surgia diante de seus olhos na hora em que você virasse o sachê na água. Na prática, era um pouco diferente disso.

Óbvio, os Sea Monkeys não eram desenhos animados, nem humanoides. Na verdade, eram um tipo de camarão bem pequeno, que costuma ser criado como comida de peixe. A mágica dos Sea Monkeys vem de como eles nascem: nos ovos, podem ficar em estado de "suspensão" por muito tempo, sobrevivendo até em climas áridos, e só passam a se desenvolver quando são hidratados.

É aí que entra a magia, ou melhor, o marketing/propaganda enganosa de Braunhut. O kit dos Sea Monkeys ia com dois sachês: um purificador de água, que era colocado na água com 24 horas de antecedência, e um que vinha com a tal vida instantânea. Ao colocar o segundo sachê, voilà: aparecem os animaizinhos.

A grande sacada é que os dois sachês continham, na verdade, coisas diferentes: o primeiro vinha com os ovos dos camarõezinhos - ou seja, eles passavam 24 horas sendo hidratados para chocarem; o segundo vinha com outras substâncias, entre elas um corante azul, que fazia com que os camarõezinhos ficassem visíveis, dando a impressão de ter vida instantaneamente.

Com os Sea Monkeys, Braunhut conseguiu uma fortuna na casa das dezenas de milhões de dólares. Um senhor tão simpático e endinheirado, que gosta tanto de crianças e de criar brinquedos para eles, só pode ser alguém que usaria esse dinheiro para o bem, não?

O peixe invisível e outros produtos bizarros de Harold Von Braunhut

Plot twist: na mesma época, um anúncio de uma arma branca de defesa pessoal foi encontrado em uma revista. O endereço era o mesmo dos macaquinhos aquáticos de Braunhurt. Pesado, mas piora: a revista era uma publicação anti-semita.

Isso mesmo: Braunhut financiava grupos anti-semitas e de supremacia branca. Inclusive, era amigo do líder de um dos grupos e frequentava as reuniões. E the plot thickens: Braunhut era judeu.

Esse inventor/loroteiro/marketeiro/nazista morreu em 2003, aos 77 anos, e suas criações são muito populares até hoje nos EUA, com os Sea Monkeys fazendo parte da cultura pop (talvez você já tenha visto as criaturinhas em um episódio de South Park). Se quiser conhecer um pouco mais da história de Braunhut, dê uma olhada no vídeo abaixo (em inglês):

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
TheRealGiovana
caçadora de histórias