TV

5 coisas que talvez você não saiba (ou tenha se esquecido) sobre Avenida Brasil

Autor

 Com tamanha exposição, é difícil haver assunto que não tenha sido tratado a respeito de "Avenida Brasil". Mas a lista abaixo tem como objetivo tentar reavivar a memória ou mesmo trazer alguma surpresa para os que viveram a febre em torno da vingança de Nina contra Carminha.

1. NINA FOI A PERSONAGEM MAIS 'CONGELADA' AO FINAL DOS CAPÍTULOS. JORGINHO TEVE MAIS CONGELAMENTOS DO QUE TUFÃO.

Veja, a seguir, por ordem decrescente, quem e quantas vezes cada um foi "congelado".

Nina – 73 congelamentos

5 coisas que talvez você não saiba (ou tenha se esquecido) sobre Avenida Brasil

(Montagem/ Reprodução/ Rede Globo)

Carminha – 47 congelamentos

5 coisas que talvez você não saiba (ou tenha se esquecido) sobre Avenida Brasil

(Montagem/ Reprodução/ Rede Globo)

Jorginho – 20 congelamentos

5 coisas que talvez você não saiba (ou tenha se esquecido) sobre Avenida Brasil

(Montagem/ Reprodução/ Rede Globo)

Tufão – 17 congelamentos

5 coisas que talvez você não saiba (ou tenha se esquecido) sobre Avenida Brasil

(Montagem/ Reprodução/ Rede Globo)

Max – 12 congelamentos

5 coisas que talvez você não saiba (ou tenha se esquecido) sobre Avenida Brasil

(Montagem/ Reprodução/ Rede Globo)

Nilo – 4 congelamentos

5 coisas que talvez você não saiba (ou tenha se esquecido) sobre Avenida Brasil

(Montagem/ Reprodução/ Rede Globo)

Monalisa – 3 congelamentos

5 coisas que talvez você não saiba (ou tenha se esquecido) sobre Avenida Brasil

(Montagem/ Reprodução/ Rede Globo)

Santiago – 3 congelamentos

5 coisas que talvez você não saiba (ou tenha se esquecido) sobre Avenida Brasil

(Montagem/ Reprodução/ Rede Globo)

Mãe Lucinda – 2 congelamentos

5 coisas que talvez você não saiba (ou tenha se esquecido) sobre Avenida Brasil

(Montagem/ Reprodução/ Rede Globo)

Rita, Tomás, Zezé, Janaína, Muricy, Leleco, Debora, Ivana e Escudo do Divino – 1 congelamento cada

5 coisas que talvez você não saiba (ou tenha se esquecido) sobre Avenida Brasil

E pra matar a saudade, veja todos os congelamentos reunidos no vídeo abaixo:

4E28D014-C74B-4C11-9761-177E0F54CAA4
4E28D014-C74B-4C11-9761-177E0F54CAA4
100%
7B587242-9C0F-4807-98F1-1C0F280C4C49
0:00 / 0:00

2. GLOBO PENSOU INICIALMENTE EM ALESSANDRA NEGRINI PARA FAZER O PAPEL DE CARMINHA. ADRIANA ESTEVES TINHA SIDO CONVIDADA PARA OUTRO PAPEL. (Se alguém souber qual foi, pode escrever nos comentários, porque não achei até hoje essa informação!).

5 coisas que talvez você não saiba (ou tenha se esquecido) sobre Avenida Brasil

(Montagem/ Divulgação/ Rede Globo)

“Ela entrou para fazer o teste e, em cinco minutos, todo mundo sabia que a personagem era da Adriana. Menos ela. Foi a única que duvidou”, disse a diretora Amora Mautner.

3. O AUTOR JOÃO EMANUEL CARNEIRO E SEUS COLABORADORES TIVERAM DE ESCREVER MAIS DE 6.500 CENAS PARA COMPLETAR A NOVELA

5 coisas que talvez você não saiba (ou tenha se esquecido) sobre Avenida Brasil

(Divulgação/ Rede Globo)

Ao todo, "Avenida Brasil" teve 6.600 cenas, 164 horas e 179 capítulos ao longo de sete meses. João Emanuel Carneiro contou com ajuda de cinco colaboradores, Marcia Prates, Alessandro Marson, Antonio Prata, Luciana Pessanha e Thereza Falcão. Prata é colunista do jornal Folha de S.Paulo.

5 coisas que talvez você não saiba (ou tenha se esquecido) sobre Avenida Brasil

(Reprodução/ Rede Globo)

4. ATORES PASSARAM POR TREINAMENTO ANTES DE COMEÇAR A NOVELA. DOIS DELES JÁ TINHAM TENTANDO O FUTEBOL PROFISSIONAL ANTES.

Marcos Caruso, descendente de italianos e morador de Higienópolis, passou alguns finais de semana no subúrbio carioca para pegar a ginga e .fez laboratório de sinuca. Foi de seus finais de semana no subúrbio, que ele tirou a risada e as roupas: na maioria de suas cenas, usa camiseta regata, bermudas e um par de óculos escuros preso à cabeça. 

Debora Falabella foi fazer curso de scooter e de culinária, para pode ser mover pela cozinha e mexer em panelas com um pouco de veracidade. Falando em culinária, os pratos preparados pela personagem Nina eram feitos por um chef de verdade. Possivelmente, nunca um elenco passou tanto tempo comendo –e bem– nos estúdios do Projac.

Murilo Benício e Cauã Reymond foram treinados por jogadores de futebol profissional para que entrassem em campo com um pouco de veracidade. O ex-jogador artilheiro do Campeonto Brasileiro pelo Flamengo (1978) Claudio Adão revelou que Murilo Benício tem mais intimidade com a bola do Cauã.

Heloisa Périssé, para viver a cabeleireira (Monalisa) apaixonada por Tufão que fica rica ao criar um creme para alisamento, teve de ter aulas de como se portar em um salão. Sua amiga inseparável na trama, Olenka [Fabíula Nascimento], já teve mais facilidade. Ela e sua mãe já tinham sido donas de um salão de beleza.

Os atores que interpretaram Iran e Leandro, Bruno Gissoni e Thiago Martins, respectivamente, já foram jogadores profissionais de futebol na vida real, antes de abraçar a carreira artística.

5.  AO LONGO DA TRAMA, TUFÃO APARECEU LENDO 10 LIVROS.

Além de "fazer Justiça", nas palavras de Nina, ou "vingar-se", aos olhos do público, a personagem vivida por Debora Falabella também teve a missão civilizatória à la My Fair Lady às avessas de introduzir o bronco Tufão à literatura.

Ao longo da trama, Tufão foi flagrado lendo dez livros. A brincadeira era que muitos deles faziam referência à própria trama.

5 coisas que talvez você não saiba (ou tenha se esquecido) sobre Avenida Brasil

(Reprodução / Rede Globo)

O IDIOTA – Fiódor Dostoiévski

Dostoiévski constrói um dos personagens mais impressionantes de toda a literatura mundial - o humanista e epilético príncipe Míchkin, mescla de Cristo e Dom Quixote, cuja compaixão sem limites vai se chocar com o desregramento mundano de Rogójin e a beleza enlouquecedora de Nastácia Filíppovna. Entre os três se agita uma galeria de personagens de extrema complexidade, impulsionados pelos sentimentos mais contraditórios - do amor desinteressado à canalhice despudorada -, conferindo a cada cena uma intensidade alucinante que nunca se dissipa nem perde o foco. 

A METAMORFOSE – Franz Kafka

"Certa manhã, ao acordar após sonhos agitados, Gregor Samsa viu-se na sua cama, metamorfoseado num monstruoso insecto." É assim que começa "A Metamorfose", uma das mais emblemáticas obras de Franz Kafka. Nesta narrativa, o autor recorre à terrível metamorfose física e ao desespero da personagem para abordar os temas transversais a toda a sua obra: o comportamento humano, a impotência perante o absurdo e a frustração provocada por uma sociedade opressora e burocrática.

MADAME BOVARY – Gustave Flaubert

O enredo gira em torno de Emma Bovary, casada com o médico Charles. Emma vive imersa na leitura de romances românticos e, por viver um casamento enfadonho, procura no adultério a libertação de seus problemas. A trama possui um desfecho trágico, e da criação de Flaubert partem grandes linhas de força do romance moderno e sua repercussão no contexto literário francês e mundial é intensa e permanente.

A INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS - Sigmund Freud

"A interpretação de sonhos", segundo Freud, desvela, sobretudo, os conteúdos mentais reprimidos ou excluídos da consciência pelas atividades de defesa do ego e justifica inquestionavelmente sua posição dentro da psicanálise, já que a parte do id cujo acesso à consciência foi impedido é exatamente a que se encontra envolvida na origem das neuroses. O interesse de Freud pelos sonhos teve origem no fato de constituírem eles processos normais, com os quais todos estão familiarizados, mas que exemplificam processos atuantes na formação dos sintomas neuróticos.

O ALIENISTA – Machado de Assis

Médico, Simão Bacamarte passa a se interessar pela psiquiatria, iniciando um estudo sobre a loucura em Itaguaí, onde funda a Casa Verde - um típico hospício oitocentista -, arregimentando cobaias humanas para seus experimentos. O que se segue é uma história surpreendente e atual em seu debate sobre desvios e normalidade, loucura e razão.

Ensaio sobre a loucura e a lucidez, sátira política e comédia de costumes, esta edição de Machado de Assis conta com uma esclarecedora nota introdutória do crítico britânico John Gledson, um dos grandes intérpretes do autor brasileiro.

MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS – Machado de Assis

"Memórias Póstumas de Brás Cubas" é, como o título diz, uma biografia escrita por um personagem já morto. Entre suas recordações, está seu romance com Virgília, que deveria ter sido sua mulher, mas que prefere casar com outro homem e, mais tarde, acaba se tornando amante de Brás Cubas. Para manter o romance em segredo, o protagonista do livro suborna uma mulher para que ela finja morar em uma casa que serve apenas de cenário para os encontros amorosos entre Cubas e Virgília. Mais ou menos como fazem Carminha e Max, que têm um cafofo usado para que possam trair Tufão e Ivana sem levantar suspeitas.

DOM CASMURRO – Machado de Assis

Poucos romances examinam com tanta sutileza as artimanhas do ciúme como "Dom Casmurro". Publicado em 1899, o livro permanece ainda hoje como um dos mais fascinantes estudos da traição. Aliás, como o leitor mais atento perceberá, são supostamente duas: a de Capitu, exposta pelo marido Bentinho, e a própria narrativa sobre como Bentinho modifica os fatos para corroborar suas suspeitas matrimoniais. Tudo isso é narrado com graça e inteligência num romance que jamais parece esgotar suas possibilidades de leitura. 

DOM QUIXOTE DE LA MANCHA – Miguel de Cervantes

Um dos escritores de maior repercussão na literatura universal, Miguel de Cervantes criou com "Dom Quixote" (1605) uma das obras-primas da literatura de todos os tempos: com ela nasceu o romance moderno e seu herói tornou-se o arquétipo do idealista a qualquer preço.

O PRIMO BASÍLIO - Eça de Queirós

Durante uma viagem prolongada de seu marido, Luísa se deixa seduzir por Basílio, um primo seu que voltava a Portugal depois de uma temporada no Brasil. Imprudentes e indiscretos, os amantes acabem flagrados por Juliana, a empregada da casa, que passa a chantagear a patroa. Com o anúncio da iminente volta do marido, está armado o cenário para um caso exemplar de decadência do estilo de vida pequeno-burguês, com seus preconceitos e moralismos, seus tipos parasitários, suas relações amesquinhadas e seu frágil equilíbrio.

O BANQUETE - PLATÃO

O Banquete é uma narrativa feita por Apolodoro acerca do banquete que Agatão ofereceu a alguns amigos, entre eles, Sócrates, Aristófanes, Alcibíades etc. Ao explanar para o leitor o diálogo, o narrador possibilita uma reflexão sobre Eros (Amor), expondo experiências e cogitações fundamentalmente humanas. O Banquete é uma obra contagiante e espirituosa.

Veja também

Lá se foram 5 anos. Quem mais está com saudades de Avenida Brasil?

5 momentos de Avenida Brasil que bombaram na internet

5 frases inesquecíveis de Carminha

Os 5 melhores atores de Avenida Brasil, além da deusa, né?