MÚSICA

7 motivos que provam que "Transpiração" ainda é o maior disco do Charlie Brown

Autor
7 motivos que provam que "Transpiração" ainda é o maior disco do Charlie Brown

(Reprodução)

2017 marca os 20 anos do lançamento de Transpiração Contínua Prolongada, primeiro disco da banda Charlie Brown Jr, uma das mais cultuadas do rock nacional até hoje. A banda foi muito prolífica até o fim, mas não é exagero dizer que o melhor álbum dos santistas é o primeiro. O DNA daquela que viria a ser uma das maiores bandas brasileiras de todos os tempos estava todo ali e temos sete motivos para provar:

1 - Chorão no auge

Transpiração Contínua Prolongada foi acima de tudo o disco que apresentou Chorão para o Brasil, uma das figuras mais carismáticas, polêmicas e criativas do rock nacional. O vocalista do Charlie Brown Jr foi muito inquieto até o fim da vida, mas 1997 foi o ano em que ele colocou o seu nome na história da música brasileira, com muito beatbox, "yeaaah" e "skate na veia dos irmão", e sendo muito verdadeiro.

2 - Hits do começo ao fim

As 16 faixas de Transpiração Contínua Prolongada só não são todas hits porque há algumas "vinhetas" no meio. Mas "O Coro Vai Comê", "Sheik", "Proibida Pra Mim", "Gimme o Anel", "Quinta-Feira" só comprovam que o Charlie Brown Jr não estava pra brincadeira. Transpiração Contínua Prolongada é um álbum sem "filler", aquelas músicas que a banda só coloca no disco para encher linguiça, mas uma pérola que deve ser lembrada sempre como um clássico do rock brasileiro.

3 - Grandes frases

O talento de Chorão como um grande frasista já estava nítido em Transpiração Contínua Prolongada. "Parecia inofensiva mas te dominou", "Se não eu quem vai fazer você feliz?", "Meu, tu não sabe o que que aconteceu!" entraram na boca da galera em 1997 e não saíram mais.

4 - Santos

A banda sempre fez questão de exaltar a sua cidade de origem, Santos, não só nas entrevistas, mas até mesmo nas músicas. "Tudo Que Ela Gosta de Escutar", por exemplo, conta com o clássico verso "Eu só tenho uma magrela e um apê no BNH", referindo-se ao conjunto habitacional que fica no bairro da Aparecida, em Santos, e também chamando a bicicleta de uma maneira bem santista, "magrela".

5 - Formação clássica da banda

Além de Chorão, único membro que permaneceu durante todas as fases da banda, o Charlie Brown de 1997 contava com a formação clássica, com Champignon no baixo, Thiago Castanho e Marcão na guitarra, e Pelado na bateria. Formação essa que depois da separação em 2004 só voltaria a tocar junta em 2011 (com exceção de Pelado, que não retornou).

6 - Mistura inovadora para a época

O Charlie Brown sempre foi uma das poucas bandas de rock respeitada no meio do rap. Isso porque Chorão sempre foi um cara sem preconceitos neste sentido e participações de rappers eram constantes em seus discos. E isso já começou no Transpiração Contínua Prolongada, com PMC cantando em "Lombra", e DJ Deco fazendo scratches na música "Charlie Brown Jr".

7 - Novo fôlego no auge do rock nacional

Naquela época, o rock nacional vivia o seu auge. Bandas inventivas, que misturavam o som pesado com brasilidade, como Raimundos, Chico Science e Nação Zumbi e Planet Hemp, dominavam as rádios do estilo. O Charlie Brown, como o próprio Chorão gostava de frisar, era o "júnior" daquela geração, mas chegou colocando novo fôlego em uma era já bastante prolífica. O disco de estreia da banda é a prova disso.