MÚSICA

Qual é a importância de The Joshua Tree, do U2, 30 anos após o seu lançamento?

Autor
Qual é a importância de The Joshua Tree, do U2, 30 anos após o seu lançamento?

(Reprodução)

Lançado em março de 1987, The Joshua Tree segue sendo o álbum mais importante da história da U2. O disco é aquilo que a gente costuma chamar de "divisor de águas" na carreira de uma banda. Bono Vox e seus amigos já haviam conquistado os EUA, com War, de 1983, e The Unforgettable Fire, de 1984 (ambos entraram no top 20 americano), mas Joshua Tree transformou o U2 de um pequeno grupo irlandês que vinha no rastro do punk do fim dos anos 70 em super estrelas internacionais (o disco vendeu 25 milhões de cópias).

A banda inicia nesta quinta-feira uma série de quatro shows no Brasil, no estádio do Morumbi, em São Paulo, naquela que é a maior turnê de uma banda internacional em 2017. Ao todo serão quatro apresentações (as outras sendo no sábado, domingo e quarta-feira) e quem abre os shows é a banda do ex-Oasis, Noel Gallagher, o Noel Gallagher´s High Flying Birds.

E por que The Joshua Tree é importante ainda hoje?

“Compusemos as canções em meados dos anos 80, durante a era Reagan-Thatcher. Foi um período em que houve muita agitação. Thatcher estava em alta e havia todo tipo de manobra na América Central. Parece que estamos de volta lá, de certa forma”, disse The Edge, em entrevista para a Rolling Stone. A declaração do guitarrista não parece exagerada, uma vez que vivemos em tempos realmente sombrios e de instabilidade política no mundo inteiro.

No show, o disco é tocado na íntegra no meio da apresentação, quando a banda vai para o palco principal, onde são exibidos vídeo do holandês Anton Corbjin, que fotografou a icônica capa de Joshua Tree, em 1987. Neste momento, há críticas ao presidente americano Donald Trump, que foi proibido por Bono Vox de entrar nos shows.

Há pelo menos três músicas do disco ("Where The Streets Have no Name", "With Or Without You" e "I Still Haven´t Found What I´m Looking For") que tocam até hoje incessantemente em rádios do mundo inteiro. Porém, The Joshua Tree vai além da trinca de abertura. A banda falava sobre questões políticas e religiosas com propriedade e maneira mais refinada. "Mothers of the Disappeared" era sobre as mães dos desaparecidos durante a ditadura militar argentina, "Red Hill Mining Town" falava dos mineiros que entraram em greve no meio dos anos 80 no Reino Unido e "Bullet the Blue Sky" tinha letra inspirada na intromissão dos EUA na América Central.

Gostando ou não, The Joshua Tree continua sendo um disco essencial na história da música, um marco dos anos 80 e agora temos uma rara oportunidade de ver ele executado ao vivo na íntegra.