FUTEBOL

Derrota na Libertadores pode derrubar Marcelo Oliveira do Palmeiras. Será?

Daniel Akstein Batista
Author
Daniel Akstein Batista

Marcelo Oliveira ganhou dois títulos nacionais pelo Cruzeiro. Chegou ao Palmeiras em junho do ano passado e não demorou muito para sentir a pressão devido aos maus resultados do time. Ganhou sobrevida com a conquista da Copa do Brasil e este ano voltou à corda bamba. E tem uma decisão agora pela frente nesta quinta-feira (3/3), contra o Rosario Central, pela Libertadores. Se não ganhar, dificilmente continua no cargo.

Derrota na Libertadores pode derrubar Marcelo Oliveira do Palmeiras. Será?

A diretoria alviverde tem bancado a permanência do treinador, mesmo após o desempenho ruim no Estadual e a derrota para a Ferroviária no último domingo, em casa. Mas este início de 2016 tem algumas diferenças com o fim de 2015.

No ano passado, mesmo criticado, Marcelo Oliveira tinha uma decisão pela frente. Se perdesse a final para o Santos, aí sim talvez a diretoria não agüentasse a pressão e mandaria o treinador embora. Mas como demitir um técnico vencedor e com contrato? Não dá. E Oliveira continuou, mesmo todos sabendo que com ele o Palmeiras mais fez partidas ruins do que boas.

Agora o panorama mudou. O treinador não tem nenhuma final para ganhar uma sobrevida ou um moral com um possível título. O que vai acontecer é o seguinte: vão ficar no ‘engana que gosto’ caso o Palmeiras vença um ou outro jogo importante, mas a desconfiança sobre o trabalho de Marcelo Oliveira não vai acabar.

Normalmente é preciso uma derrota doída, daquelas vexatórias mesmo, para a mudança acontecer. O Palmeiras não tem um sistema de jogo que agrade à torcida ou que traga bons resultados, e o treinador não consegue mudar esse panorama. Em 2016, o time fez oito partidas: venceu apenas duas vezes, com quatro empates e duas derrotas. E não venceu nenhum jogo como mandante.

Na Allianz Arena, nesta quinta-feira, o Palmeiras entra com a obrigação de vencer o argentino Rosario Central, às 21h45. Esqueçam o Estadual, o que vale mesmo é a Libertadores. E perder em casa na competição mais importante do ano, desta vez, pode ser o adeus de Marcelo Oliveira. Não costumo defender troca de treinadores, mas há momentos em que isso precisa acontecer.

#futebol #palmeiras #libertadores