Pelo mundo
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Pelo mundo
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Pelo mundo
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

A China clonou em tamanho natural quase todo ponto turístico do mundo

DaniBoy
há um ano10 visualizações

Quer conhecer a Torre Eiffel, o Coliseu, a Casa Branca e a Grande Esfinge de Gizé em uma só viagem? Basta apenas uma passagem para a China, e lá você poderá ver todos estes monumentos.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Obviamente não estamos falando dos modelos originais de alguns dos pontos turísticos mais famosos do mundo, mas os chineses deram um jeitinho de colocar tudo isso em seu país. Eles copiaram quase tudo o que vocês possam imaginar, o que não deixa de ser algo impressionante. Veja só:

Grande Esfinge de Gizé

A réplica do monumento com cabeça humana e corpo de leão foi erguida em um parque em Chuzhou e também na província de Hebei. Mas o governo do Egito não gostou muito e reclamou da cópia de tamanho natural.

A China clonou em tamanho natural quase todo ponto turístico do mundo
A China clonou em tamanho natural quase todo ponto turístico do mundo

Torre Eiffel

Na cidade de Hangzhou podemos ver a famosa torre de Paris construída no mesmo tamanho que a original.

A China clonou em tamanho natural quase todo ponto turístico do mundo

Arco do Triunfo

Mais um ponto turístico francês instalado na China. A versão do Arco do Triunfo está em Jiangyan.

A China clonou em tamanho natural quase todo ponto turístico do mundo

Casa Branca

Pequim colocou em sua cidade um pouco do espírito norte-americano. E um dos seus parques traz a Casa Branca, a famosa residência dos presidentes dos EUA.

A China clonou em tamanho natural quase todo ponto turístico do mundo

Ópera House

No mesmo parque em Pequim, podemos ver dois locais famosos da Austrália: a Ópera House e a ponte da baía de Sydney. 

A China clonou em tamanho natural quase todo ponto turístico do mundo

Estátuas moais

Do Chile para a China. As réplicas das famosas estátuas estão em Pequim.

A China clonou em tamanho natural quase todo ponto turístico do mundo

Coliseu

Macau não ficou para trás e construiu um dos principais pontos turísticos de Roma, o Coliseu, com capacidade para 2 mil pessoas sentadas.

A China clonou em tamanho natural quase todo ponto turístico do mundo

Torre de Pisa

Outro monumento histórico italiano em Xangai: a Torre de Pisa. Até seu formato caído foi bem imitado.

A China clonou em tamanho natural quase todo ponto turístico do mundo

Florença

Cerca de 200 mil m² de antigos campos de milho imitam a arquitetura e pontes de estilo italiano. Um grande canal ainda atravessa o espaço.

A China clonou em tamanho natural quase todo ponto turístico do mundo
A China clonou em tamanho natural quase todo ponto turístico do mundo

Kremlin

Um dos símbolos da Rússia não podia faltar em Pequim. E um prédio inspirado no Kremlin custou US$ 3,5 milhões para ser construído e hoje abriga agências do governo chinês.

A China clonou em tamanho natural quase todo ponto turístico do mundo

#china #turismo #arte

Christiania, uma 'cidade' com leis próprias dentro da organizada Copenhague

Entrar em Christiania é deixar a limpa, organizada e mais do que desenvolvida Copenhague para trás. São pouco mais de 30 minutos a pé que separam o centro da capital dinamarquesa desta comunidade que ficou conhecida como a “cidade livre”. Sem prefeito, com leis próprias e há mais de 40 anos vivendo de um jeito só seu.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
Christiania, uma 'cidade' com leis próprias dentro da organizada Copenhague

Pouco tinha ouvido falar deste lugar antes de visitá-lo. E quem me falava o “vendia” como um local onde se debatiam ideias, a cultura florescia e as drogas rolavam soltas.

A venda e uso de maconha em Copenhague são proibidos. Mas em Christiania o comércio da droga tem sua própria regra, não é difícil ver alguém fumando ou comprando uma erva.

O chão de terra batido, de paralelepípedos e muita área verde ao redor são apenas uma das marcas deste território, que começou a ganhar forma mesmo em 1971, quando centenas de dinamarqueses invadiram uma antiga área militar abandonada. Começava aí uma batalha de uma nova sociedade contra o governo, que tratava Christiania como um “experimento social”.

Apesar de ser uma “cidade livre”, é preciso aceitar regras para entrar e morar em Chistiania. E, visitantes, um aviso: guardem bem suas máquinas fotográficas, pois você não vai querer nenhuma cara feia ao se atrever a tirar uma foto. Lei número 1.

Os cerca de mil moradores que lá vivem se sustentam com o pequeno comércio local. Venda de artesanatos, comidas e, também, drogas. E conseguir uma casa em Chistiania é ter de passar por várias burocracias e entrar numa fila de espera. Lei número 2.

Christiania, uma 'cidade' com leis próprias dentro da organizada Copenhague

É mais fácil ver turistas do que moradores nesta cidadela, ainda mais nas ruas principais e na pracinha central. E é curioso observar, mesmo que rapidamente, como é a vida de quem habita o lugar: simples, mas aparentemente boa (para quem quer viver como ‘hippie’, obviamente).

Menos de uma hora em Christiania me foi suficiente para ver a diferença de cultura que separa, em apenas uma rua, esta diferente comunidade da mais que bilionária Copenhague. Por mais que eles se digam liberais, imperam algumas regras na ‘Freetown’, provavelmente por causa do alto número de visitantes: ‘Não sente aqui’, ‘não estacione lá’ (apesar de não entrar carro), são as placas espalhadas pelo lugar. Leis número 3, número 4 e assim por diante....

Posso ter tido azar no dia, mas esperava uma comunidade mais arrumada e até mais politizada por tudo o que me falaram. Ou, talvez, Christiania já não tem a mesma ideologia de quando foi criada. Mas vale o passeio turístico para quem vai visitar a capitar dinamarquesa.

#viagem #cultura

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por