COMUNICAÇÃO

MasterChef sobe o nível

Diego Edu Fernandes
Author
Diego Edu Fernandes
MasterChef sobe o nível

No ano passado, quando a Band lançou a primeira edição do MasterChef disputada por profissionais de gastronomia, provavelmente não se esperava competidores tão experientes. Por isso, em sua segunda temporada nesses moldes, o reality mostrou um novo nível de exigência dos participantes.

Em seu primeiro episódio, o programa trouxe três provas em categorias distintas. Para começar, metade dos candidatos foi desafiada a fazer uma releitura da clássica e brasileiríssima feijoada. Depois, a outra metade fez uma prova de técnica com meio leitão e a missão de preparar um prato com ao menos dois cortes da proteína. Para terminar, os piores classificados nas etapas anteriores seguiram para uma prova de serviço, em um jantar para trinta clientes.

Só pelo início da temporada e o teaser do próximo capítulo foi notável que o programa se atentou ao nível dos competidores, e suas fraquezas. Depois da prova do leitão, na próxima semana será a vez de executar cortes de frango. A tática é inteligente, pois na temporada passada ficou claro que as habilidades de açougueiro é o ponto fraco de muitos dos cozinheiros na contenda.

Ainda com muitos personagens, não dá para se aprofundar nas características pessoais de cada um. Assim, o episódio elencou alguns personagens que dão pistas do que esperar: o irritante bilinguismo de Luby, o jeito desleixado de Ravi e talvez uma intromissão no trabalho alheio por Francisco.

MasterChef sobe o nível

Fora esses, houve apenas aprofundamento em Bárbara, a última eliminada do capítulo. Com 21 anos de idade, ela tem menos tempo no planeta Terra do que muitos concorrentes têm de cozinha. Isso ficou evidente nas escolhas feitas por ela e em uma ânsia de chamar a atenção.

Na primeira prova, a chef quis esbanjar conceito com um prato fine dinning inspirado na feijoada, mas que não tinha sequer carne suficiente para que cada jurado desse uma garfada digna. Na prova de serviço, cujo objetivo final era não ser o pior, ela se atirou em preparações desafiadoras, mas o tiro saiu pela culatra. Era melhor ficar invisível, como fizeram Luby e Guilherme.