NOVELA

A trama de "O Outro Lado do Paraíso" está meio parecida demais com livro famoso

Autor

Uma das vantagens de ter lido livros clássicos é reconhecer como eles servem de base para muitas histórias posteriores. Quantas tramas de amor proibido por famílias rivais não vimos depois de "Romeu e Julieta" de Shakespeare, não é? O problema é quando o autor dá uma chupinhada inteira numa história, principalmente sem avisar que está fazendo isso.

A trama de "O Outro Lado do Paraíso" está meio parecida demais com livro famoso

(Reprodução/Globo)

Quem acompanha os spoilers do que acontecerá na novela "O Outro Lado do Paraíso" deve ter lido sobre como será a internação de Clara (Bianca Bin). A mocinha sofredora tomou um remedinho enlouquecedor dado pela sogra e vai parar numa clínica psiquiátrica. Esse plano macabro aconteceu porque querem possuir as terras com esmeraldas que estão em seu nome. Lá na clínica Clara conhece a também internada Beatriz (Nathalia Timberg), uma idosa que não está tão louca assim e consegue deduzir que a protagonista da novela foi parar lá por culpa de sua sogra Sophia (Marieta Severo).

Beatriz vira BFF de Clara e começa a educá-la, ensinando coisas da vida e formas para se tornar cada vez mais vingativa. Além disso, a idosa conta que tem uma fortuna guardada fora da clínica, e entrega o direito a esse dinheiro para Clara. Mas a amizade das duas não dura muito tempo, porque Beatriz bate as botas logo. Vendo naquilo uma chance para fugir, Clara vai se esconder no caixão de Beatriz, mas o plano vai por água abaixo (literalmente) porque o pessoal arremessa o caixão no mar.

Tudo isso parece um baita roteiro viajado de novela, mas e se eu te falar que é IDÊNTICO, sem tirar nem por, à parte da prisão do clássico "O Conde de Monte Cristo", de Alexandre Dumas? Por muita coincidência eu li o livro há pouquíssimo tempo, então a comparação foi inevitável.

A trama de "O Outro Lado do Paraíso" está meio parecida demais com livro famoso

(Reprodução/Warner)

No romance francês, Edmond Dantés é mandado para a prisão por um crime que não cometeu por uma galerinha do mal, e lá ele acaba conhecendo o Abade Faria. Conversando com ele, Dantés descobre que foi encarcerado por culpa daqueles que fingiam ser amiguinhos, e começa a nutrir seu sentimento de vingança. Como estavam lá presos sem ter muito o que fazer, Dantés começa a ter aulas com o Abade. Faria também conta que tem muito dinheiro, e que escondeu tudo na ilha de Monte Cristo. Mas passa o dinheiro para Dantés.

O plano de fuga de Dantés e Faria flopa depois que o sábio tem um ataque de uma doença que o impede de de mexer. Após sua morte, Dantés troca de lugar com o defunto na esperança de ser carregado para fora da prisão, até que é arremessado no mar. Já fora da cadeia, Dantés pega a fortuna do Abade Faria, assume uma nova identidade e arma para se vingar de todos. Inclusive adivinha o que Clara vai fazer depois de pegar o dinheiro de Beatriz? Pois é...

Não há problema algum em se inspirar nos clássicos para novas histórias. A novela "Flor do Caribe", por exemplo, é toda uma releitura do mesmo "O Conde de Monte Cristo". Só mudou a ambientação, personagens e detalhes sobre cada parte da história. O problema é que Walcyr Carrasco pegou trechos inteiros e, sem inventividade alguma, apenas deu ctrl c + ctrl v em sua novela. Algo assim só conta pontos negativos na carreira de um autor que inventou muitas coisas em suas novelas.