TV

"Deus Salve o Rei" mostrou como era o Tinder na Idade Média

Fábio Garcia
Autor
Fábio Garcia

Incrível como recursos tecnológicos de hoje resolvem problemas que existem desde os primórdios, não é?

"Deus Salve o Rei" mostrou como era o Tinder na Idade Média

(Reprodução/Globo)

Às vezes me pego pensando como que a humanidade funcionava antes da tecnologia. Por exemplo, como é que pessoas marcavam de se encontrar sem um celular para mandar um WhatsApp a cada minuto perguntando "onde você tá?". Uma das graças das novelas que não se passam no presente é ver como as pessoas burlavam a ausência de facilidades tecnológicas e resolviam problemas que são simples para nós.

No capítulo de "Deus Salve O Rei" exibido na sexta-feira (02), a novela medieval mostrou como funcionava a escolha de uma pretendente antes da invenção da tecnologia. Hoje em dia a gente baixa o Tinder, faz um perfil, escolhe a melhor foto e torce para dar um match, mas como era na época das tretas entre Montemor e Artena? Rodolfo (Johnny Massaro) explicou!

O mandante de Montemor decidiu que iria se casar, e buscou uma pretendente com o Tinder da era medieval. Funcionava da seguinte forma: os servos reais reuniam quadros com pinturas das candidatas, e aí o Rodolfo e escolhia se jogava para a direita ou para a esquerda. A escolhida que rendeu um match foi Lucrécia (Tatá Werneck).

"Deus Salve o Rei" mostrou como era o Tinder na Idade Média

(Reprodução/Globo)

Só aí os dois foram se conhecer pessoalmente, e aí já rolou mais um problema que temos na atualidade: ela não era tão parecida quanto a pintura. E você pensando que o Photoshop existe apenas hoje em dia!

Não foi o único recurso moderno que foi usado de forma arcaica pela novela. Quando Amália (Marina Ruy Barbosa) precisou mandar uma mensagem para Afonso (Rômulo Estrela) no outro reino, em vez de usar o WhatsApp ela mandou um mensageiro com uma mensagem. Mas como o então herdeiro de Montemor havia dado um nome falso (quem nunca?), a mensagem voltou para a destinatária tal qual um e-mail com endereço errado.