TV

Os 10 programas de humor mais sem graça da TV aberta

Autor

O Brasil é um celeiro nato de humoristas, vide gênios como Chico Anysio, Jô Soares e muitos outros. Mas da mesma forma que produzimos pessoas com o dom de fazer rir, às vezes acaba nascendo um ou outro programa que nem com reza braba consegue divertir o público. Separei algum programas que tínhamos mais vontade de chorar que de dar risada.

Os 10 programas de humor mais sem graça da TV aberta

01. "Divertics" (Globo). Eu tenho uma teoria... se na foto promocional do humorístico vemos alguém forçando uma cara engraçada, o negócio está fadado a ser ruim. Pegue como exemplo o "Divertics" que era uma sucessão de esquetes sem graça com a aparição desnecessária do diretor Jorge Fernando tentando sempre nos convencer que aquilo É MUITO ENGRAÇADO, COMO VOCÊS NÃO ESTÃO VENDO ISSO? AAAAAAA É DIII-VER---TICS!!!

Os 10 programas de humor mais sem graça da TV aberta

02. "Tomara que Caia" (Globo). A ideia da Globo era criar um formato de interatividade com o público de casa usando o sistema do "SuperStar" aplicado num programa de improviso. Acontece que a Globo se esqueceu de convidar pessoas especializadas em improviso e chamou Ricardo Tozzi, Marcelo Serrado e demais atores que apenas estavam passando vergonha.

Os 10 programas de humor mais sem graça da TV aberta

03. "Chapa Quente" (Globo). Quando acabou "A Grande Família", a Globo procurou uma série que substituísse Lineuzinho à altura. Como não encontrou, enfiou uma tentativa de humor suburbano com piadas ruins, personagens chatos e um excesso de suor que dava agonia.

Os 10 programas de humor mais sem graça da TV aberta

04. "Vade Retro" (Globo). "O Dentista Mascarado" é injustamente chamado de o ponto baixo da carreira dos autores Fernanda Young e Alexandre Machado (de "Os Normais"). Injustíssimo, porque até Adnet fazendo obturação é mais divertido que essa série pouco inspirada e com uma Monica Iozzi atuando bem mal.

Os 10 programas de humor mais sem graça da TV aberta

05. "Uma Escolinha muito Louca" (Band). Pega a ideia da "Escolinha do Professor Raimundo". Aí você tira o Chico Anysio. E aí você tira os personagens carismáticos. E então você corta o orçamento. Acrescente a isso um Sidney Magal e um monte de estereótipos grosseiros. Pronto, é esse programa.

Os 10 programas de humor mais sem graça da TV aberta

06. "Casseta & Planeta Vai Fundo" (Globo). Depois de uma queda de popularidade, a Globo decidiu ressuscitar o Casseta em mais uma temporada com mais investimento. O problema é que eles cortaram tudo o que o grupo fazia de melhor, como as paródias a programas e novelas da emissora, e deixou só aquele humor bem batido e que não arranca nem um risinho amarelo.

Os 10 programas de humor mais sem graça da TV aberta

07. "A Nova Família Trapo" (Record). Um do programas de humor mais tradicionais da história do humor brasileiro foi "A Família Trapo" (com humoristas como Jô Soares e Ronald Golias). Alguém da Record teve então a ideia de ressuscitar o programa com atores mais fraquinhos de novelas da casa e protagonizado por Rafael Cortez. É pedir pra não ter graça, né?

Os 10 programas de humor mais sem graça da TV aberta

08. "A Guerra dos Pintos" (Band). No final dos anos 90, a Band fez um acordo com a Sony para produzir versões nacionais de séries americanas de humor. Uma delas foi "A Guerra dos Pintos", adaptação de "Married... with Children". E se o humor da série americana já era bem datado na época, imagina nessa versão pouco inspirada e de baixo orçamento!

Os 10 programas de humor mais sem graça da TV aberta

09. "Feira do Riso" (RedeTV!). Nem preciso falar sobre essa tentativa de fazer uma "A Praça é Nossa" na feira né? PRÓXIMO!

Os 10 programas de humor mais sem graça da TV aberta

10. "Ô... Coitado!" (SBT). Depois do sucesso da personagem Filó em "A Praça é Nossa" (aquela diarista que ficava apenas repetindo o bordão "ó coitado"), o SBT criou um programa solo para ela ficar repetindo seu bordão ainda mais vezes. E nem mesmo a genialidade do Moacyr Franco e seu personagem Steve Formoso ajudou a tornar esse negócio minimamente interessante.