HUMOR

Os 6 mais famosos bordões do humorista Paulo Silvino

Fábio Garcia
Author
Fábio Garcia

Na manhã desta quinta-feira (17) faleceu aos 78 anos o humorista Paulo Silvino, figurinha bem comum nos programas humorísticos da Globo. Em sua carreira de décadas dedicadas à comédia, Paulo Silvino nos presenteou com personagens bem marcantes que tiveram seus bordões abraçados pelo país inteiro. Duvida? Vamos conferir as frases de seus personagens que ainda são bem lembradas pelo público.

Os 6 mais famosos bordões do humorista Paulo Silvino

(Reprodução/ Globo)

"Ai como era grande!". Muitos dos personagens de Paulo Silvino tinham o hábito de bradar essa frase com toda a energia possível, de preferência com os olhos bem esbugalhados. Seja no telefone ou na sala de aula, sempre era um bom momento para o personagem de Silvino exclamar com sentia saudade desse algo que era bem grande. Nunca falou o que era, mas o público com mais malícia pegava a segunda intenção de longe.

"Dandá pra ganhar tentem". A Escolinha do Barulho da Record era uma reunião dos personagens mais surreais, e lá no fundão da classe sentava Olegário Carnaval, interpretado por Paulo Silvino. O personagem, que ele ressuscitou de décadas anteriores, era uma boneca bem esquisita, com roupa de menininha e um bigode. Quando o professor pedia para ir até sua mesa, ela só se locomovia se todo mundo cantasse "dandá pra ganhar tentem".

Os 6 mais famosos bordões do humorista Paulo Silvino

(Reprodução/ Record/Montagem)

"Dá uma pegadinha aqui". Olegário Carnaval também era uma boneca multifuncional, pois tinha um recurso maravilhoso de falar "mamã" quando lhe apertavam a barriga. Por isso, sempre que estava ao lado de alguém, era bem comum vê-la pedindo para dar uma pegadinha aí.

Os 6 mais famosos bordões do humorista Paulo Silvino

(Reprodução/ Globo)

"Pezinho pra frente, pezinho pra trás". Durante o Zorra Total, Paulo Silvino ganhou uma esquete ao lado de Orlando Drummond (o eterno Seu Peru) em que interpretavam índios. Nesse quase stand-up comedy indígena, os dois sempre contavam as diferenças de pensamentos entre os índios e os caras pálidas. Entre uma e outra piada, eles faziam um pequeno movimento de andar pra trás e depois para frente (sem qualquer sincronia).

"Cara, crachá". Seu personagem mais conhecido vem a ser o porteiro Severino, um pobre funcionário do Projac que era sempre chamado para quebrar um galho nas gravações do diretor estressado. Antes Severino fazer o papel de um poste ou de qualquer coisa parecida, ele sempre lembrava qual era a função descrita em seu contrato de trabalho: olhar a cara e o crachá do funcionário da Globo. Depois de repetir "cara crachá cara crachá cara crachá", ele sempre olhava o crachá do diretor e via um ator diferente da emissora.

Os 6 mais famosos bordões do humorista Paulo Silvino

(Reprodução/ Globo)

"Isso é uma bichooona". Ainda como Severino, outro bordão bem politicamente incorreto era dito toda vez que o diretor ensinava para o porteiro como ele deveria interpretar o objeto inanimado. Normalmente o diretor exagerava na atuação e fazia algo afetado, e Severino logo avisava que aquilo é uma bichona.

***

Vamos lembrar que boa parte dessas frases foram ditas durante os anos 60, 70 ou então durante a primeira fase do Zorra Total, e não correspondem ao humor aceito hoje em dia, soando inclusive preconceituosas. Mas também é bom recordar que, ao participar do moderno Zorra, Paulo Silvino abandonou de vez as piadas de tom homofóbico e estava mais focado em praticar humor político.