OUTROS

Brasileiros, com times capengas, desafiam o poder argentino na Libertadores

Fábio Hecico
Author
Fábio Hecico

Pode acontecer, mas dificilmente o título da Copa Libertadores deste ano escapa de equipes brasileiras ou argentinas. Dos 32 participantes, 6 são hermanos e outros 5 verde-amarelo. A pergunta é: temos como encarar os arquirrivais e retomar a hegemonia na América após dois anos em branco?

Brasileiros, com times capengas, desafiam o poder argentino na Libertadores

San Lorenzo, campeão de 2014 e River Plate, atual detentor do título, estão confirmados e com equipes fortes. O Boca Juniors tem um poder ofensivo grande com Tevez (caso resista à oferta milionária que recebeu da China) e Osvaldo e sempre é temido, enquando o Racing aposta num quarteto de respeito. Huracán e Rosário Central correm por fora com defesas sólidas.

Enquanto os argentinos esbanjam confiança e não escondem o favoritismo, os brasileiros rastejam.

O Corinthians, um dos favoritos antes do desmanche, agora luta para se reconstruir.
Bons reforços chegaram, como Guilherme, Giovanni Augusto, Marlone, Balbuena e André. Mas falta o entrosento, primordial para competição de tiro curto e mata-matas.

O Palmeiras iniciou o ano amargando tropeços e viu a harmonia após a conquista da Copa do Brasil ruir. Larga esta noite no Uruguai sob pressão diante de um frágil River Platéia genérico. Marcelo Oliveira ou se reinventa ou comerá bacalhau na Semana Santa em outra freguesia.

O São Paulo contratou um técnico acostumado a arrumar defesas. O ano nem bem começou e o setor já dá dor de cabeça em Edgardo Bauza. Ganso alterna altos e baixos e o time é outro que causa enorme desconfiança.

Atlético-MG e Grêmio manteriam os elencos e ainda se reforçaram. Largam na frente, correto? Não, os elencos são bons, mas a largada no ano é nada animadora.

Vão se superar? Ou pelo terceiro ano não teremos times na final? De certo é que na Argentina já imaginam até uma decisão local - para isso três equipes teriam de chegar às semifinais.

O Boca só fala na decisão. Mas precisará que Osvaldo cure logo o dedo quebrado e que Tevez 'desencanta'. O jogador mais valioso do torneio empacou após os atrasos de salário. Curioso, não?

Brasileiros, com times capengas, desafiam o poder argentino na Libertadores

O River Plate contratou D'Alessandro e está radiante na busca pelo segundo título segundo. O São Paulo que se cuide pois estão na mesma chave.

Brasileiros, com times capengas, desafiam o poder argentino na Libertadores

O Racing tem o artilheiro Bou, Gabriel Milito, Óscar Romero e Lisandro López como armas para detonar as defesas adversárias.

Brasileiros, com times capengas, desafiam o poder argentino na Libertadores

E não menosprezam San Lorenzo, Rosario Central e Huracán com suas potentes torcidas.

Brasileiros, com times capengas, desafiam o poder argentino na Libertadores
Brasileiros, com times capengas, desafiam o poder argentino na Libertadores


Está Libertadores ainda conta com experientes e perigosos times como os uruguaios Nacional e Peñarol e o paraguaio Olímpia. É melhor o Brasil começar a colocar as barbas de molho, pois o cheiro de vexame paira no ar.