OUTROS

Curry, contador de piadas, caridoso, amante de golpe e fã do Carolina Panthers

Fábio Hecico
Autor
Fábio Hecico

Stephen Curry recebe, ajeita o corpo, arremessa e... mais três pontos na conta do Golden State Warriors. A história se repete a cada jogo do melhor time da NBA e atual campeão. Tudo graças ao MVP da temporada passada, exímio atirador da linha dos três e candidato ao prêmio da atual edição. Sétima escolha do draft de 2009, o menino de Ohio vive a melhor fase da carreira e, aos 27 anos, atrai os olhares do mundo do basquete. Humilde e de bom coração, o camisa 30 não gosta do rótulo de estrela e tem estereótipo contrário ao dos craques das cestas.

Caseiro, bom filho, casado e pai de duas meninas (Riley e Ryan, com as quais está sempre voltando à infância, mantendo a tradição da brincadeiras de criança), Stephen Curry é o tipo de amigo que todos gostariam ter.

Mais velho de três irmãos, Stephen é apontado até hoje como o “crianção” da família por Seth (atua no Sacramento Kings) e Sydel. Para alegria da família. Na lembrança, os sustos que o jogador dos Warriors gostava de dar na infância. Curry adorava se vestir com uma fantasia do Pânico e aparecer de supetão quando Seth e Sydel estavam com os amigos.

As gargalhadas eram inevitáveis e se estendiam com a roda de piadas. Stephen animava a todos por horas contando anedotas, algumas repetidas por vezes. Ele tinha 14 anos na época e já respirava basquete. O pai Dell Curry foi jogador profissional e atuou por anos nos Charlotte Hornets. Daí o motivo de os meninos terem sidos criados na Carolina do Norte.

Desde os oito anos, Stephen ia com o pai para os treinamentos e arriscava alguns arremessos. A repetição o fez se tornar hoje um dos mais precisos arremessadores da linha de três pontos. Muitos no mundo do basquete o colocam como o melhor. Não por acaso, Stephen bateu o recorde de arremessos da posição por três vezes seguidas. A marca atual, da temporada 2014/2015, na qual estreou no All Star Games, é de 286 cestas.

Do pai, além de aprender a jogar basquete, também herdou a camisa 30, que espera eternizar na história do Golden State Warriors. Já são seis temporadas, com o título atual e a campanha incrível de 29 vitórias e uma derrota em 2015 que coloca o time como grande favorito para novo anel. Também aprendeu que ajudar ao próximo faz bem.

Ao lado da mulher Ayesha, o mais famosos dos Curry sempre que pode está ajudando entidades e fazendo caridade. Nas férias, costuma distribuir comida para 400 famílias de Oakland, na Califórnia, em parceria com a Feed the Children.

Em casa, quando não está fazendo molecagem com as filhas, está vendo um filme de comédia ou um jogo de futebol americano. Stephen adora ver Mestre dos disfarces, O Máscara e Pelotão em Apuros. Ri e faz gargalhar. Menos descontraído só quando o Carolina Panthers está em ação pela NFL. Ele é apaixonado pelo dono da melhor campanha do futebol americano deste ano, com 14 vitórias e apenas uma derrota, e aposta que Charlotte pela primeira vez vai comemorar a conquistar do Super Bowl. Mensagens de incentivo e apoio ao quarterback Cam Newton não faltam.

NÚMEROS DE RESPEITO

Stephen Curry, armador cheio de qualidades, sempre foi fadado ao sucesso. Ele começou a jogar no time da faculdade de Davidson, que era saco de pancadas desde 1969 e, com ele em quadra, sentiu o gostinho novamente de um título. Steph, como é carinhosamente chamado, claro, foi eleito o melhor jogador da NCAA por dois anos nos áureos anos de 2007 e 2008. A cada vitória daquelas campanhas, seus números eram sempre os melhores, o que comprovava que ali nascia um astro.

Um ano depois veio a consagração. Ele era draftado como sétima escolha em 2009. No começo, pernas trêmulas e falhas em arremessos. Ainda mais quando do outro lado da quadra aparecia um dos grandes nomes da NBA. A experiência veio com o tempo e agora são as estrelas que o reverenciam. Mesmo ele dispensando tal tratamento.

O coração o manda se divertir em quadra. O lado alegre de Stephen Curry é seu diferencial até hoje. Aos 27 anos, o torcedor de Golden State já se acostumou a vê-lo brincando com os companheiros ou mesmo dançando na beirada da quadra. Parceiro daqueles que não esquecem dos amigos, Curry sempre está levando sua turma para um outro amor que tem: os jogos de golfe. Este fã de Tiger Woods vai com a galera dos Warriors arriscar umas tacadas no Pebble Beach Golfe.

A união fora das quadras forma uma família. E os resultados saem com facilidade. E shows de Curry. São 30,8 pontos, 6,3 assistências e 5,4 rebotes pegos por jogo em média. Com números de dar inveja, este apaixonado por matemática espera apenas por um reconhecimento maior na hora em que renovar o contrato que vai até 2017. Afinal de contas, o homem que carrega o Golden State às vitórias recebe apenas o quinto salário do elenco.

São merecidos US$ 11.370.800 por temporada. Klay Thompson, Draymond Green, Andrew Bogut e Andre Iguodala o superam neste quesito. Nada porém que cause ciúme. A prova é vê-lo sempre sorrindo e marcando uma cesta de três. Um herói com história e vida simples.