Histórias dos Esportes
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Histórias dos Esportes
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Histórias dos Esportes
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Com melhores campanhas, dois 'intrusos' ameaçam favoritismo dos cascudos na NFL

Fábio Hecico
há 2 anos5 visualizações

Aqui, não! Depois de um fim de semana com vitórias dos visitantes, a história desta vez teve papeis invertidos e os donos das quatro melhores campanhas da NFL mostraram quem manda em seus estádios econfirmaram vaga nas finais deconferência da NFL. Todos tiveram uma certa dose de sofrimento no duelo dos playoffs, mas o que importou foi a confirmação da vitória.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Sobraram quatro candidatos ao tão sonhado título do Superbowl. Dois intrusos, curiosamente os donos das melhores campanhas, e duas equipes cascudas com quarterbacks experientes e vencedores. Carolina Panthers e Arizona Cardinals se encaram em uma final de conferência sonhando chegar ao Superbowl pelo sonho da primeira conquista. Patroits, atuais campeões, com Tom Brady, e Denver Broncos, estão do outro lado, por mais uma glória.

Daí fica a pergunta, será que podemos ter um campeão inédito? Carolina ou Arizona (um vai para o Superbowl) podem escrever seu nome na história? Com certeza, pois têm running backs de dar inveja à concorrência e dois quarterbacks que estão fazendo milagres.

O Superman Cam Newton não é o principal candidato ao prêmio de MVP (anúncio sai dia 6 de fevereiro) por acaso. São passes para 3837 jardas e 35 touchdowns na temporada, 636 jardas corridas e outros 10 TDs e apenas 10 interferências. O 'cara' da temporada vem fazendo a diferença para uma equipe que só perdeu uma vez e a cada dia vê o sonho do primeiro Superbowl mais próximo.

Com melhores campanhas, dois 'intrusos' ameaçam favoritismo dos cascudos na NFL

Newton chegou ao Carolina em 2011. Foi a primeira escolha do draft do' pior time da NFL' Chegou e arrumou a casa. Desde então, cresce, ganha prêmios,vai aos jogos das estrelas e agora tenta mostrar ao mundo que a equipe deixou de ser saco de pancadas e pode ser campeã. Ao menos muita criança em Charlotte já ganhou 'título'. A cada touchdown do time, a bola é dada de presente a alguma criança na arquibancada. As reações, as mais belas possíveis. Ato simples que faz os Panthers ainda mais queridos. Basta ver as carinhas alegres no triunfo sobre o Seattle Seawalks por 31 a 24 no domingo, após 4 TDS.

Derrotado nos playoffs justamente para o Carolina, o quarterback Russel Wilson, do Seawalks, já adiantou que votaria em Newton para o MVP.

No caminho dos Panthers agora surge o outro 'azarão' da temporada: o Arizona Cardinals do divertido Carlson Palmer. Com 14 vitórias e só 3 derrotas, a equipe da segunda melhor campanha também nunca sentiu o gostinho de levar um Superbowl. Tentará estragar os planos de Newton após triunfo na prorrogação sobre os Packers, por 26 a 20.

Com melhores campanhas, dois 'intrusos' ameaçam favoritismo dos cascudos na NFL

Carson Palmer espera 'dançar' em Charlotte no fim de semana como já fizera diante dos Packers após vitória arrasadora. Na ocasião ele se vestiu de havaiana para mostrar sua arte. Será um jogo bastante interessante.

Do outro lado, sempre apontados como favoritos, aparecem o estreladoNew England Patriots -bateram o Kansas City Chiefs, com outro dia inspirado de Tom Brady, diante do não menos forte Denver Broncos de Payton Manning e suas jogadas incríveis. Manning, por sinal, responsável por uma das derrotas dos Patriots na temporada. Dizem que daqui sai o campeão, mas está com muito cheiro de 'zebra' e de campeão novo na NFL. Abram os olhos com os 'azarões'.

Com melhores campanhas, dois 'intrusos' ameaçam favoritismo dos cascudos na NFL

Técnicos exigem mais profissionalismo. Será o fim da linha para os gordinhos?

Fábio Hecico
há 2 anos1 visualizações

O técnico Giampiero Ventura resolveu barrar o atacante Maxi López no Torino por causa do excesso de peso. Com quase 100 quilos, o atacante ficou fora dos relacionados para o jogo contra o Frosinone e terá de emagrecer se quiser retomar seu lugar na equipe. Com passagem pelo Grêmio e contrato renovado até 2018, o jogador precisará perder ao menos 5 quilos se quiser jogar. No mundo da bola, outros ‘gordinhos’ estão perdendo espaço no futebol moderno.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
Técnicos exigem mais profissionalismo. Será o fim da linha para os gordinhos?

Estaria acabando a mordomia dos jogadores que adoram abusar da comida nas férias ou mesmo na temporada e vivem brigando com a balança? Ao que parece, ainda não. Mas eles terão de entrar na linha.

“Faz quatro meses que o espero. Ele tem sorte de estar num clube que o presidente renova contrato por dois anos, que tem um treinador que o espera e companheiros que estão com ele. Todos queremos o Maxi López da temporada passada. Este ano Maxi não está em condições. Mas vou esperá-lo”, disparou, já com pouca paciência, o técnico Giampiero Ventura. O comandante não escondeu mais a frustração com a falta de preparo físico de seu atacante, que ainda sobre com o vício de fumar.

Técnicos exigem mais profissionalismo. Será o fim da linha para os gordinhos?

No Brasil a linha dura também começa a se fazer presente. Recém-contratado do Bragantino, o meia Alan Mineiro faz um trabalho à parte de condicionamento físico no Corinthians. O jogador de 28 anos tem tendência a engordar, chegou acima do peso e treina até em três períodos para voltar à forma.

Um estudo aponta 74 quilos o peso ideal para um jogador de futebol. Com variação de até 4 quilos (entre 70 e 78 estaria nas condições ideais). Por isso alguns são obrigados a ganhar massa e outros a emagrecer. Acontece, que o biotipo de alguns foge à regra. Daí, os preparadores físicos são colocados à prova.

O Corinthians, por sinal, parece um clube acostumado a lidar com ‘gordinhos’. Ronaldo é quem mais se destacou pelo excesso de peso e, por muitas vezes, atuou bem acima dos 100 quilos. Como era um Fenômeno, tinha 10 companheiros que “jogavam por ele”, como frisou na época Jorge Henrique, deixando-o isolado na frente só para decidir. A imprensa sempre frisava seu peso. Até quando decidiu o jogo diante do Cerro Porteño na Libertadores de 2011, virou manchete no Paraguai pelo peso. “Baile do Rei Momo”, era a manchete de um periódico local.

Técnicos exigem mais profissionalismo. Será o fim da linha para os gordinhos?
Técnicos exigem mais profissionalismo. Será o fim da linha para os gordinhos?

Adriano, que agora fala em retomar a carreira, foi outro que passou quase um ano lutando contra a balança no Parque São Jorge. Os vários desfalques nos treinos, aliado a uma recusa de se pesar abreviaram sua passagem no Alvinegro. Douglas passou pelo clube com problemas de peso e o volante Perdigão, também.

Técnicos exigem mais profissionalismo. Será o fim da linha para os gordinhos?

Hoje, o grande nome de peso do futebol brasileiro é o atacante Walter, revelado no Inter e um apaixonado declarado por bolacha recheada. Dia desses ele desembarcou no Recife para assinar com o Sport. Não fechou e a justificativa foi “um pedido da família.” No Recife, porém, dizem que pessoas do clube ficaram assustadas com seu peso e teriam desistido na negociação.

Técnicos exigem mais profissionalismo. Será o fim da linha para os gordinhos?

Walter nunca escondeu que tem problemas com peso. Ele até joga com uma blusa térmica debaixo do uniforme. Mas garante que isso nunca o atrapalhou de exercer a profissão.

Anderson Pico é outro jogador do País que sempre perdeu a luta contra a balança. Fora de forma, ele chegou a ficar um bom tempo desempregado em 2014 até apelar a Luxemburgo, então no Flamengo, uma chance para “se recuperar no futebol.”

Técnicos exigem mais profissionalismo. Será o fim da linha para os gordinhos?

O clube carioca concordou e ele emagreceu 15 quilos para voltar a desempenhar sua profissão. Atualmente está emprestado para o Dnipro e o peso parece não ser mais problema. Por enquanto.

Assim que a Série B terminou, um dos primeiros a deixar o Botafogo foi o meia Daniel Carvalho. O clube nem propôs uma renovação de contrato ao armador ‘gordinho’. Ninguém justificou o motivo da saída, mas ele sofreu muito para aprimorar a forma física no clube. Apenas em agosto do ano passado garantiu estar pronto. “Agora estou 100% fisicamente, mas se perdermos, vão falar que estou gordo”, justificou, na época. Mas não apenas no Botafogo o excesso de peso o colocou em evidência. No Palmeiras, em 2012, todos só falavam de sua forma física.

Outro ‘gordo’ do Palmeiras foi Bruno César, em 2014, que hoje brilha no Sporting, de Portugal. Na passagem pelo clube, a torcida pegava no pé no meia-atacante por causa do excesso de peso. Ganhou apelido de Bruno Cheddar e foi comparado aos lutadores de sumô. “Nunca fui gordo, sempre estive magro”, garantiu, contrariando as imagens.

E quem não se lembra do paraguaio Salvador Cabañas? Mesmo gordo e lento, como definiram os jornalistas em 2008, ele foi o responsável por eliminação do Flamengo, em pleno Maracanã, da Libertadores, com show em vitória do América do México por 3 a 0.

Na quarta divisão da Inglaterra, Adebayo Akinfenwa, do AFC Wimbledon, assombrou em 2015 com seus golaços. Apesar dos 102 quilos, o nigeriano se destacou em diversos jogos da equipe e não se abalou com o excesso de peso. Ele garante que o corpão é por causa do trabalho árduo. “Sou musculoso.”

Técnicos exigem mais profissionalismo. Será o fim da linha para os gordinhos?

Se no futebol os ‘gordinhos’ ainda carregam certa mordomia, no futebol americano, onde os jogadores são verdadeiros brutamontes, o excesso de peso é considerado falha. E os clubes não dão chance. Terrence Knighton, do Denver Broncos, por exemplo, levou multa de R$ 800 mil por causa da falta de preparo físico. No começo de 2015, ele estava bem acima dos 152 quilos habituais.

Técnicos exigem mais profissionalismo. Será o fim da linha para os gordinhos?
Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por