Histórias dos Esportes
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Histórias dos Esportes
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Histórias dos Esportes
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Deu a louca no mundo: clubes estrangeiros oferecem fortunas por craques rivais

Fábio Hecico
há 2 anos7 visualizações

Neymar, Messi, Lewandowski e Cristiano Ronaldo na Inglaterra, Oscar atuando na Itália, Rooney na China, Embolo na Alemanha... Negociações antes impossíveis de acontecer podem ganhar força com a abertura da janela europeia de transações. Alguns clubes estão dispostos a abrir seus cofres e oferecer malas de dinheiro pelas estrelas do mundo da bola. Cifras astronômicas seriam o chamariz para tirar um craque de seus clubes.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

O futebol inglês, com seus sheiks e russos milionários, promete ser o novo berço do futebol mundial. Clubes como Manchester United, Manchester City, Liverpool e Chelsea já iniciaram, nos bastidores, a briga para ver quem se reforçará melhor. A ideia é contratar ao menos um jogador de alto quilate.

Com uma temporada abaixo do esperado, com tropeços seguidos (oito jogos sem vencer) e deixando sua torcida bem irritada, o United é quem mais aparece desesperado no mercado. Atira para todos os lados e crê que iniciará 2016 com uma grande notícia para seus torcedores.

A agonia dos Red Devils é tão grande pela volta dos resultados positivos e conquistas que seus dirigentes estudam uma oferta de R$ 2 bilhões pela dupla Messi e Neymar, do Barcelona. O argentino, por diversas vezes, disse que não tem interesse em deixar a Espanha, já o brasileiro estaria disposto a buscar novos ares, ainda mais com a briga que tem com o fisco espanhol.

O United estaria disposto, ainda, a oferecer R$ 296 bilhões por Lewandowski, do Bayern de Munique, e mais R$ 190 milhões por Felipe Anderson, da Lazio. Por outro lado, ficaria sem Wayne Rooney, que tem na mesa uma sedutora proposta de R$ 100 milhões de salários anuais do Shanghai SIPG, do técnico Sven Goran Eriksson. Os chineses pagariam pelo astro inglês R$ 300 milhões.

Convencer Neymar a vestir sua camisa, contudo, não será fácil ao United. O brasileiro também estaria nos planos do Manchester City, que deve ter o técnico Pep Guardiola no meio da temporada. O brasileiro sempre foi alvo de desejo do treinador, o que virou um dos motivos de ele ter deixado o Bayern. O City garante que desembolsaria os R$ 820 milhões da multa rescisória para tirar o craque brasileiro da Espanha.

Os Citzens estão de olho, ainda, em outro atacante. Artilheiro da Premier League pelo modesto Leicester, Vardy viria pela bagatela de R$ 170 milhões. A proposta já teria sido enviada e o vice-líder do Campeonato Inglês deve dar a resposta em breve.

Depois de se desentender e reprovar os métodos de trabalho de Rafa Benítez, Cristiano Ronaldo deixou no ar a possibilidade de sair do Real Madrid, o que fez um rebuliço nos clubes europeus. Muitos o querem, mas até agora apenas o Chelsea acenou com uma proposta. Os valores girariam na casa dos R$ 425 milhões. Os merengues, por outro lado, buscam um novo armador e o a bola da vez é Pjanic, da Roma. A oferta seria de R$ 190 milhões.

Os Blues não andam satisfeitos com seus atacantes, principalmente com o marrento Diego Costa, e ainda buscam Cavani, do Paris Saint-Germain. Para tirar o uruguaio da França, apostam que os R$ 304 milhões a serem oferecidos sejam suficientes. Parte deste investimento viria da venda do brasileiro Oscar para a Juventus, por R$ 170 milhões. As negociações estão em andamento após boa parte do elenco perder a confiança após traírem e derrubarem José Mourinho.

Goleador do Bayern de Munique, Lewandowski desperta interesse em outros dois gigantes da Inglaterra: o United fala em pagar R$ 296 milhões, enquanto o Liverpool tem a seu dispor R$ 220 milhões e aposta na amizade do jogador com o técnico Jurgen Kloop (trabalharam juntos no Borussia Dortmund) para que o martelo seja batido. Rei das negociações, o United ainda flerta com Felipe Anderson, da Lazio, e a oferta seria de R$ 190 milhões.

Mais ‘barato’ e ainda buscando a fama, o jovem atacante Embolo, do suíço Basel, está na mira do Wolfsburg. O clube alemão aposta na proposta de R$ 127 milhões para superar a concorrência.

Outros monstros da bola também podem mudar de casa em 2016. Um nome bastante falado é o de Ibrahimovic, do PSG. Todos o querem, mas ninguém ainda ousou fazer uma proposta oficial. Müller, do Bayern, é outro bastante assediado. O clube, entretanto, garante que não há valor que o tire de Munique. Vamos esperar para ver quem pode mais nesta quebra de braços. O poder da sedução vai falar mais alto.

12 PROPOSTAS TENTADORAS

R$ 2 bilhões - Manchester United oferece por Messi e Neymar ao Barcelona

R$ 820 milhões - Manchester City garante que arca com a multa rescisória de Neymar

R$ 425 milhões - Chelsea quer pagar para tirar Cristiano Ronaldo do Real Madrid

R$ 304 milhões - Valor reservado pelo Chelsea para buscar Cavani no Paris Saint-Germain

R$ 300 milhões - Shangai SIPG promete pagar por Rooney, do Manchester United

R$ 296 milhões - Manchester United está disposto a desembolsar por Lewandowski, do Bayern

R$ 220 milhões - Liverpool também busca Lewandowski e aposta em sua amizade com Kloop

R$ 190 milhões - Real Madrid pode desembolsar pelo meia Pjanic, da Roma

R$ 190 milhões - Manchester United já teria oferecido à Lazio por Felipe Anderson

R$ 170 milhões - Manchester City pretende trazer o artilheiro Vardy, do Leicester

R$ 170 milhões - Juventus está disposta a comprar o brasileiro Oscar, do Chelsea

R$ 127 milhões - Wolfsburg pagará ao Basel pelo jovem atacante Embolo, de 18 anos

Curry, contador de piadas, caridoso, amante de golpe e fã do Carolina Panthers

Stephen Curry recebe, ajeita o corpo, arremessa e... mais três pontos na conta do Golden State Warriors. A história se repete a cada jogo do melhor time da NBA e atual campeão. Tudo graças ao MVP da temporada passada, exímio atirador da linha dos três e candidato ao prêmio da atual edição. Sétima escolha do draft de 2009, o menino de Ohio vive a melhor fase da carreira e, aos 27 anos, atrai os olhares do mundo do basquete. Humilde e de bom coração, o camisa 30 não gosta do rótulo de estrela e tem estereótipo contrário ao dos craques das cestas.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Caseiro, bom filho, casado e pai de duas meninas (Riley e Ryan, com as quais está sempre voltando à infância, mantendo a tradição da brincadeiras de criança), Stephen Curry é o tipo de amigo que todos gostariam ter.

Mais velho de três irmãos, Stephen é apontado até hoje como o “crianção” da família por Seth (atua no Sacramento Kings) e Sydel. Para alegria da família. Na lembrança, os sustos que o jogador dos Warriors gostava de dar na infância. Curry adorava se vestir com uma fantasia do Pânico e aparecer de supetão quando Seth e Sydel estavam com os amigos.

As gargalhadas eram inevitáveis e se estendiam com a roda de piadas. Stephen animava a todos por horas contando anedotas, algumas repetidas por vezes. Ele tinha 14 anos na época e já respirava basquete. O pai Dell Curry foi jogador profissional e atuou por anos nos Charlotte Hornets. Daí o motivo de os meninos terem sidos criados na Carolina do Norte.

Desde os oito anos, Stephen ia com o pai para os treinamentos e arriscava alguns arremessos. A repetição o fez se tornar hoje um dos mais precisos arremessadores da linha de três pontos. Muitos no mundo do basquete o colocam como o melhor. Não por acaso, Stephen bateu o recorde de arremessos da posição por três vezes seguidas. A marca atual, da temporada 2014/2015, na qual estreou no All Star Games, é de 286 cestas.

Do pai, além de aprender a jogar basquete, também herdou a camisa 30, que espera eternizar na história do Golden State Warriors. Já são seis temporadas, com o título atual e a campanha incrível de 29 vitórias e uma derrota em 2015 que coloca o time como grande favorito para novo anel. Também aprendeu que ajudar ao próximo faz bem.

Ao lado da mulher Ayesha, o mais famosos dos Curry sempre que pode está ajudando entidades e fazendo caridade. Nas férias, costuma distribuir comida para 400 famílias de Oakland, na Califórnia, em parceria com a Feed the Children.

Em casa, quando não está fazendo molecagem com as filhas, está vendo um filme de comédia ou um jogo de futebol americano. Stephen adora ver Mestre dos disfarces, O Máscara e Pelotão em Apuros. Ri e faz gargalhar. Menos descontraído só quando o Carolina Panthers está em ação pela NFL. Ele é apaixonado pelo dono da melhor campanha do futebol americano deste ano, com 14 vitórias e apenas uma derrota, e aposta que Charlotte pela primeira vez vai comemorar a conquistar do Super Bowl. Mensagens de incentivo e apoio ao quarterback Cam Newton não faltam.

NÚMEROS DE RESPEITO

Stephen Curry, armador cheio de qualidades, sempre foi fadado ao sucesso. Ele começou a jogar no time da faculdade de Davidson, que era saco de pancadas desde 1969 e, com ele em quadra, sentiu o gostinho novamente de um título. Steph, como é carinhosamente chamado, claro, foi eleito o melhor jogador da NCAA por dois anos nos áureos anos de 2007 e 2008. A cada vitória daquelas campanhas, seus números eram sempre os melhores, o que comprovava que ali nascia um astro.

Um ano depois veio a consagração. Ele era draftado como sétima escolha em 2009. No começo, pernas trêmulas e falhas em arremessos. Ainda mais quando do outro lado da quadra aparecia um dos grandes nomes da NBA. A experiência veio com o tempo e agora são as estrelas que o reverenciam. Mesmo ele dispensando tal tratamento.

O coração o manda se divertir em quadra. O lado alegre de Stephen Curry é seu diferencial até hoje. Aos 27 anos, o torcedor de Golden State já se acostumou a vê-lo brincando com os companheiros ou mesmo dançando na beirada da quadra. Parceiro daqueles que não esquecem dos amigos, Curry sempre está levando sua turma para um outro amor que tem: os jogos de golfe. Este fã de Tiger Woods vai com a galera dos Warriors arriscar umas tacadas no Pebble Beach Golfe.

A união fora das quadras forma uma família. E os resultados saem com facilidade. E shows de Curry. São 30,8 pontos, 6,3 assistências e 5,4 rebotes pegos por jogo em média. Com números de dar inveja, este apaixonado por matemática espera apenas por um reconhecimento maior na hora em que renovar o contrato que vai até 2017. Afinal de contas, o homem que carrega o Golden State às vitórias recebe apenas o quinto salário do elenco.

São merecidos US$ 11.370.800 por temporada. Klay Thompson, Draymond Green, Andrew Bogut e Andre Iguodala o superam neste quesito. Nada porém que cause ciúme. A prova é vê-lo sempre sorrindo e marcando uma cesta de três. Um herói com história e vida simples. 

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por