OUTROS

Toda rodada um 7 a 1: 10 gambiarras no ano que explicam estado do nosso futebol

Fábio Hecico
Author
Fábio Hecico

O futebol brasileiro em baixa, desprezado e com a imagem arranhada. Para piorar, a cada rodada levamos 'mais um gol da Alemanha'. A goleada aumenta a cada rodada dos nosso falidos e desprezados estaduais.

Neste fim de semana ganhamos mais motivos para chacotas. O mundo vê e repercute tudo que aparece por aqui. E o que oferecemos? Lances bizarros, gambiarras, falta de profissionalismo...

O decadente futebol brasileiro agoniza, vive envolvido em polêmicas e dá motivos para ser ironizado. Vejam se os gringos não têm razão de tirar sarro da nossa cara.

1 - número improvisado

O clássico do Campeonato Carioca entre Botafogo e Fluminense ficou marcado por enorme confusão nos uniformes. E olha que os árbitros vão ao vestiário antes.

Jefferson entrou com camisa preta como o time e foi impedido de jogar. Teve de mudar e não havia outra. Arrumaram uma conta com número dois nas costas, preto. Ele é o 21 e improvisaram o 1 com fita crepe, branca. Feio demais, que vergonha. O detalhe é que do lado do Flu, Cavalieri estava de amarelo, como os árbitros.

Toda rodada um 7 a 1: 10 gambiarras no ano que explicam estado do nosso futebol

2 - Três apagões

No Paulistão, São Bernardo x Audax teve quase três horas de duração. Tudo pelos três apagões que paralisaram o jogo. O SporTV desistiu da transmissão após a última queda de energia e até o pay-per-view desistiu da partida e fechou seu sinal.

3 - Na base do lanchinho

Afundado na crise, com salários atrasados, o Grêmio Barueri só entrou em campo diante do Nacional graças a contribuição de ouro dos rivais, que forneceram água (pasmem, o time não tinha nem água) e depois deu lanche aos famintos oponentes. Os jogadores nem alimentação tinham. Acabaram levando de 10 a 0.

Toda rodada um 7 a 1: 10 gambiarras no ano que explicam estado do nosso futebol

4 - Denúncias de manipulação

Vários jogos das divisões de acesso do Paulista estão sob investigação. Dirigentes e jogadores revelam que estão recebendo ligações com proposta para entregar resultados.

Toda rodada um 7 a 1: 10 gambiarras no ano que explicam estado do nosso futebol


5 - Caminho errado e W.O.

Na divisão de acesso do Mineiro o Minas Boca, de Sete Lagoas, perdeu do Nacional, ao não chegar a tempo em Muriaé. Seu motorista se perdeu na estrada e a equipe chegou ao estádio com 1h10 de atraso.

6 - Banheiro improvisado

Jogador no Santos do Amapá ignora a presença da torcida em campo no Campeonato Amapense e única em pleno gramado.

7 - Maqueiro atrapalhado

Pela Copa Verde, no Mato Grosso do Sul, em duelo entre Comercial e Cuiabá, Aloísio Chulapa, aquele do São Paulo, se machuca e o maqueiro corre para tirá-lo de campo. É traído pela gramado pesado do Moreninho e se machuca. Jogador e maqueiro saem de campo mandando, andando.

Toda rodada um 7 a 1: 10 gambiarras no ano que explicam estado do nosso futebol

8 - Traves encolheram

Árbitro relata na súmula que no jogo entre Bahia de Feira e Feirense no Campeonato Baiano as traves estavam menores do que a demarcação do campo. E também mais baixas que o exigido pela regra.

Toda rodada um 7 a 1: 10 gambiarras no ano que explicam estado do nosso futebol

9 - Tevê auxiliando o técnico

Dorival Júnior ganhou um auxílio de um aparelho de tevê no jogo diante do São Bernardo em camarote ao lado do banco de reservas. A arbitragem viu e a TV foi retirada, já que o auxílio por vídeo e proibido.

10 - Placas eletrônicas apagadas

No jogo entre Noroeste e Grêmio Osasco as placas para anunciar as substituições estavam com a bateria fraca e não era possível saber quem entraria e o o atleta a deixar o campo, o que causou enorme confusão nas trocas.

Toda rodada um 7 a 1: 10 gambiarras no ano que explicam estado do nosso futebol