O mundo dos games
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
O mundo dos games
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
O mundo dos games
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Novo modo online de Battlefield 1 leva a Primeira Guerra bem a sério

GameStoria
há 9 meses2 visualizações
Novo modo online de Battlefield 1 leva a Primeira Guerra bem a sério
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Apesar das proporções catastróficas, a Primeira Guerra Mundial frequentemente (e, infelizmente, por questões humanitárias) é ofuscada pelo conflito que se sucedeu cerca de duas décadas depois. Ou seja, a Segunda Guerra Mundial. Só por isso, a iniciativa de Battlefield 1 em retratar o primeiro grande conflito do Século XX já foi louvável. 

Obviamente foram feitas adaptações no processo de transformar um conflito sem registros tão precisos em um game. E é justamente parte dessas "licenças poéticas" que foram removidas em uma nova lista de jogo online criada pela Dice, desenvolvedora do game. 

Chamada "De Volta ao Básico", essa modalidade é baseada no modo Conquista e aparece sob a aba "Jogos Personalizados", em todas as versões do jogo (PC, PlayStation 4 e Xbox One). Seu nome é autoexplicativo: a ideia é colocar o jogador em uma cenário mais limitado no que diz respeito ao acesso a armas e tecnologias utilizadas nos últimos anos do conflito. 

Saem de cenas armas automáticas, tanques e aviões - somente cavalos e caminhões para transporte estão disponíveis. O jogador pode apenas utilizar rifles de ferrolho como arma principal, que precisam ser armados a cada disparo, e o modelo de rifle depende de cada facção do jogo utilizada. Nada, portanto, de norte-americanos utilizarem armamento alemão, por exemplo. 

O resultado disso é um jogo mais cadenciado e que exige uma coordenação ainda maior da equipe. Esses rifles, os mesmos utilizados pela classe de atiradores de elite no jogo, são mais difíceis de mirar, mas causam um dano maior a cada acerto. Além deles, pistolas, granadas e equipamento de classe estão liberados. 

Paralelamente, as classes de apoio (médico e suporte) passam a ser determinantes no sucesso de um pelotão. Como o modo de jogo se baseia na conquista de territórios, manter seus aliados vivos é fundamental. Em paralelo, os rifles têm menos munição disponível, o que aumenta a importância de ter caixas com balas a mais por perto. 

Os mapas liberados para esse modo incluem os gigantescos cenários do modo Operações e as partidas podem ter até 64 jogadores cada.

Ainda não há informações se a Dice planeja manter esse modo de jogo permanentemente no game. A tendência, porém, é que ele seja um dos preferidos daqueles que querem uma experiência mais próxima da realidade. 

Militares da Coréia do Sul usam imagem de Battlefield para divulgar novo avião

GameStoria
há 9 meses2 visualizações
Militares da Coréia do Sul usam imagem de Battlefield para divulgar novo avião
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

O que era para ser um mero vídeo institucional do Ministério de Defesa Nacional da Coréia do Sul sobre as capacidades de um novo caça chamado KF-X acabou se tornando uma história bastante bizarra. Isso porque a produção, feita com o uso de imagens em computação gráfica, acabou usando material de dois games: Battlefield 3 e Ace Combat: Assault Horizon.

O vídeo, que está no YouTube, tem o intuito de destacar a necessidade do país em investir no projeto de um avião militar moderno, enquanto mostra algumas situações nas quais o armamento poderia ser útil. Em determinado momento (entre os minutos 6:53 e 7:03), imagens dos games citados acima aparecem. E um detalhe: os responsáveis pela criação do vídeo sequer notaram que, na parte que mostra Battlefield 3, há diálogos referentes à história do jogo.

O caso pegou muito mal por duas razões principais: a primeira é que o governo sul-coreano não pagou qualquer tipo de licença às produtoras dos jogos para usar essas imagens. A outra razão é que o vídeo, que tem pouco mais de dez minutos, custou aos cofres públicos algo em torno de US$ 40 mil.

Após descobrir o tropeço, o órgão do governo disse que não utilizará mais o vídeo. E começou um jogo de empurra-empurra ao culpar a produtora pelo uso indevido da imagem. Esta, por sua vez, afirmou que todo o material foi aprovado pelo governo antes da divulgação. Resta agora se eles pagaram pelo uso da música tema de Piratas do Caribe, tocada no início do vídeo...

Não é a primeira vez, porém, que um jogo acaba confundindo quem não é do meio. Em 2015, um canal de TV do Egito acabou utilizando imagens do game Apache: Air Assault por engano para relatar um ataque da Rússia à Síria (a partir de 2:40) 

Aparentemente, os games estão ficando cada vez mais realistas...

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por