Retrô é hype
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Retrô é hype
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Retrô é hype
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

A curiosidade matou o PC: conheça o jogo capaz de destruir seu computador

GameStoria
há 3 meses2.0k visualizações
A curiosidade matou o PC: conheça o jogo capaz de destruir seu computador
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Quem aqui nunca teve a curiosidade de saber o que acontecia ao se colocar um disco de videogame no drive de PC? Em geral, ao se fazer isso tudo que aparecia era uma lista de arquivos que, claro, não poderiam ser executados. 

A maioria das regras, porém, tem exceção. E, neste caso, o ponto fora da curva poderia causar um prejuízo enorme para o curioso. 

Tratava-se de um RPG da série Atelier - bastante famosa no Japão - chamado Atelier Marie & Elie: The Alchemist of Salburg 1-2. Este game era uma espécie de remaster dos dois primeiros jogos da série e foi lançado em 2001 para o falecido Sega Dreamcast.

Quem tivesse a curiosidade de colocar o disco no PC encontraria um protetor de tela. A tentação de instalar esse arquivo no PC era grande, mas uma vez feito isso o resultado era assustador.

A curiosidade matou o PC: conheça o jogo capaz de destruir seu computador

Silenciosamente, um vírus chamado Kriz infectava o PC. Ele só iria "acordar" num dia bastante peculiar: 25 de dezembro. Sim, durante o Natal, enquanto os jogadores estariam reunidos com a família comendo guloseimas.

Ao ser ativado, esse vírus simplesmente destruiria o computador caso ele fosse equipado com sistema Windows entre o 95 e o 2000. Ele chegava ao ponto de apagar o conteúdo da BIOS do PC, o que significaria que não seria nem possível ligar a máquina.

O problema foi descoberto pela produtora Kool Krizz pouco tempo após o lançamento e, cinco dias após o game chegar ao mercado, ela emitiu um comunicado pedindo desculpas pelo ocorrido, indicando meios de se livrar do vírus, reforçando que os compradores do game não colocassem o disco do jogo no PC e afirmando que o tal protetor de tela - dessa vez, sem vírus - estaria disponível para download.

O uso do jogo no Dreamcast, porém, não geraria nenhum problema.

Considerando que a Internet ainda não era popular como hoje, é provável que algum comprador tenha descoberto o problema da pior forma. Não há registros sobre quantas pessoas foram vítimas desse problema.

De qualquer maneira, fica o alerta, especialmente para colecionadores: caso você venha a ter uma cópia desse jogo, mantenha ela bem longe do seu PC. Caso contrário, as chances de ter um Natal bastante problemático são bem grandes.

O primeiro videogame da Nintendo fez 40 anos e você provavelmente nunca o viu

GameStoria
há 3 meses1.3k visualizações
O primeiro videogame da Nintendo fez 40 anos e você provavelmente nunca o viu
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

É bem provável que ao lermos "primeiro videogame da Nintendo" a primeira imagem que venha à mente seja a de um Nintendo Entertainment System (Famicom no Japão), o nosso querido e saudoso Nintendinho.

O videogame, de fato, foi o primeiro grande sucesso da fabricante japonesa, porém a Nintendo já tinha uma certa experiência com o ramo de games, tendo estreado no segmento em julho 1977 com o pouco conhecido Color TV Game.

Esse aparelho, que completa 40 anos em 2017, foi lançado em duas versões, uma com seis e outra com 15 jogos. Havia, contudo, uma pegadinha nisso tudo: esses games diferentes, na verdade, eram versões distintas de um mesmo jogo. No caso, o pioneiro Pong.

Então havia uma versão "vôlei" de Pong, uma versão "tênis" de Pong, uma versão "decisão por pênaltis" de Pong e por aí vai, algo bem distante da criatividade que acabou virando marca dos games feitos pela Nintendo. É claro que enxergar essas variações como um novo jogo exigia uma boa dose de criatividade, mas ninguém deve ter reclamado à época. Os gráficos, por sua vez, eram coloridos.

O primeiro videogame da Nintendo fez 40 anos e você provavelmente nunca o viu

Além da lista de games, os consoles também tinham outras diferenças. O Color TV Game 6, por exemplo, não tinha controles separados do corpo principal do aparelho, o que certamente exigia um certo contorcionismo na hora de jogar em duas pessoas. Na época, ele custava 9.800 ienes - se simplesmente convertermos esse valor para reais com a cotação atual, sem considerar a inflação no período, ele seria o equivalente a R$ 280.

Já o Color TV Game 15 era mais sofisticado: ele possuía dois controles destacáveis do corpo principal e, mesmo custando mais caro, acabou vendendo 700 mil unidades, o sobro do número da versão de seis games.

Aqui, uma curiosidade um tanto bizarra: nenhum dos dois modelos foi lançado com entrada para cabo de força. Eles apenas poderiam funcionar utilizando baterias. Isso acabou mudando pouco tempo após o lançamento, mas, de qualquer maneira, o cabo de energia era vendido à parte.

Hoje em dia é possível encontrar esse videogame à venda em sites de leilões como eBay. Como é de se esperar, encontrar um que tenha uma boa relação entre estado de conservação e preço é algo bem difícil: em média, ter um aparelho desses custaria algo em torno de R$ 800.

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por