RAÇA

#ÉCoisaDePreto está dando aula de história em resposta a William Waack

Autor
#ÉCoisaDePreto está dando aula de história em resposta a William Waack

Beijinho no ombro de Viola Davis, primeira mulher negra a ganhar Oscar, Emmy e Tony de atuação. Reprodução / Oscar 2017

William Waack nem poderia imaginar que provocaria uma verdadeira campanha de Consciência Negra neste novembro. Flagrado tecendo comentário racista em vídeo vazado nesta quarta-feira (8), o apresentador da Globo afirmou que uma atitude questionável, no caso caso, buzinar prolongadamente, “é coisa de preto”. A enxurrada de críticas ao conteúdo do vídeo levou o jornalista a ser afastado da Globo.

E também causou nas redes sociais uma verdadeira comoção de discursos afirmativos de identidade negra. A hashtag #ÉCoisaDePreto cooptou o comentário jocoso de Waack e o transformou em uma expressão positiva de valorização de personalidades negras. Muitos citam nomes fundamentais em diversos campos de destaque dando reconhecimento ao negros, como Nina Simone, Cartola e Tim Maia, John Coltrane, na música; Carolina Maria de Jesus e Machado de Assis, na literatura; Katherine Johnson, Dorothy Vaughan e Mary Jackson, cientistas que trabalharam pra NASA e principalmente ativistas históricos pela igualdade racial e direitos civis como Martin Luther King, Nelson Mandela, Dandara e Rosa Parks.

Está sendo uma profunda aula de história colaborativa e a gente está amando assistir.

Eis alguns tweets que relembraram grandes exemplos ao longo da história. 

Diversas celebridades e artistas de Hollywood foram destacados, mas não faltaram lembrança a referências de luta como Harriet Tubman e o atleta Jesse Owens. 

Também houve muitas homenagens a negros brasileiros célebres de diversos setores como, por exemplo, Milton Nascimento, Gilberto Gil, Carolina Maria de Jesus, Milton Santos, Pelé. Entre eles, alguns ainda pouco conhecidos como Antonieta de Barros e os Irmãos Rebouças. 

Mas também teve quem que não entendeu muito bem o intuito e usou a hashtag pra reforçar estereótipos:

E acabou passando vergonha...