raça
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
raça
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
raça
ic-spinner
Everyone has a story to tell
Find the best stories to read and people to follow. Get inspired and start writing great stories yourself or with your friends. Share and let the world know.

Campanha "jogo do preconceito" provoca sobre discriminação contra nordestinos

Campanha "jogo do preconceito" provoca sobre discriminação contra nordestinos
Collaborate with friends on topics you love
Request co-authorship ▸

Reprodução / Bend Propaganda

8 de outubro é marcado como o Dia do Nordestino. Deveria ser mais uma homenagem e data comemorativa no calendário, mas acaba sendo um dia repleto de registros de preconceitos e estigmas negativos sobre a população do Nordeste, principalmente para as pessoas que migraram para outras regiões do País. 

Para alertar contra a discriminação, o fotógrafo Felipe Araújo desenvolveu junto com Artur Costa, pela Bend Propaganda, de Aracaju (SE), o #jogodopreconceito. Nesse teste virtual, o internauta diante de dois retratos deve eleger a opção de “quem tem cara de nordestino”.

Como o próprio slogan da campanha diz: “quem vê cara, julga”. A ferramenta funciona como uma grande provocação sobre como nós enxergamos e pensamos a respeito dos nordestinos, mesmo que inconscientemente: "Ninguém se acha racista até um negro denunciar. Ninguém se acha machista até uma mulher manifestar. Ninguém se acha preconceituoso até um nordestino falar", conclui o projeto.

Campanha "jogo do preconceito" provoca sobre discriminação contra nordestinos

Reprodução / Bend Propaganda

Diante das escolhas das fotos, também surgem frases dolorosas que são comumente repetidas a respeito de quem é do Nordeste, como “raça de preguiçosos”, “povo ignorante” ou “retirante”. Como recifense que já morou um bom em tempo em São Paulo, a experiência própria me diz que todo nordestino já foi submetido a piada jocosa sobre sotaque, hábitos e nível de desenvolvimento da sua terra. Já colocou seu preconceito à prova? 

Terrorista de Las Vegas: a humanização do vilão é um privilégio branco

Terrorista de Las Vegas: a humanização do vilão é um privilégio branco
Collaborate with friends on topics you love
Request co-authorship ▸

Reprodução / Facebook

Vai passando o calor da cobertura de urgência e surgem as notícias analíticas sobre o massacre em Las Vegas, em que um atirador de 64 anos abriu fogo do 32º andar do hotel Mandalay Bay com 23 armas semiautomáticas – incluindo um fuzil AK-47 – contra a plateia de um festival de música, deixando ao menos 59 mortos e mais de 500 feridos. Naturalmente, é hora de refletir sobre a política armamentista que levou ao maior atentado com armas de fogo da história dos Estados Unidos. É tempo de investigar as ligações do autor da chacina com o Estado Islâmico e suas pretensas conexões terroristas entre tantas outras possibilidades de reverberar um fato que estarreceu o mundo.

Mas algumas vozes da internet se ativeram ainda para um desdobramento específico da tragédia, a representação midiática do atirador. Fica claro como as instituições policiais e os veículos jornalísticos acabam por diferenciar o tal “atirador solitário”, um cidadão americano branco e de classe média, de um “terrorista”, estigma que recai apenas quando se trata de outras referências étnicas e raciais, como negros, imigrantes e principalmente muçulmanos.

Parece uma besteira, uma sutil troca de palavras, mas, institucionalmente, quando um homem branco é julgado, é pela sua individualidade, a narrativa debruça-se sobre sua história e suas motivações pessoais. É bastante diferente quando o julgamento é social, o agressor é visto por uma simbologia de grupo, definido pela sua imagem coletiva. Olha só que louco: o Estado Islâmico assumiu a autoria do atentado, mas, pasmem, isso vem sendo refutado sistematicamente pelas autoridades, por que é “naturalmente” incongruente que um homem branco, de meia idade, sem histórico criminal, possa ser um terrorista. Quem questionaria ligações com uma célula terrorista se o mesmo atirador fosse muçulmano ou simplesmente um imigrante do Oriente Médio? A quem interessa que um cidadão, nascido criado na terra dos sonhos, não seja associado à ameaça do terrorismo?

No Brasil, o processo também é semelhante, um dos maiores portais nacionais trazia hoje ao longo do dia o título “Perfil 'normal' de atirador desafia polícia na busca por motivação de massacre”. Ou seja, assassinar 59 e ferir mais de 500 e ser considerado um perfil normal, é nitidamente um privilégio branco de poder ser olhado com compaixão, sua humanidade é preservada. A um homem negro, não lhe caberia nem ter sua sanidade sob suspeição, ele seria absolutamente, aos olhos da sociedade, um animal, brutal, vil e sanguinário, muito ciente das suas ações.

Hoje, sabemos o nome de Stephen Paddock, e que aos seus 64 anos, estava prestes a se aposentar. Pouco sabemos dos nomes dos 111 “bandido bom é bandido morto” assassinados em Carandiru há exatos 25 anos, na mesma data do massacre de Las Vegas. Tal qual o filho de desembargadora detido em abril com 130 quilos de maconha, centenas de munições de fuzil e uma pistola nove milímetros, foi considerado pelo sistema prisional brasileiro um usuário de drogas com necessidade de tratamento e libertado. Enquanto Rafael Braga, negro, pobre e morador de rua, manteve-se preso ao ser detido nas manifestações de 2013 com duas garrafas de pinho sol e acabou condenado a cinco anos de prisão por porte de aparato incendiário ou explosivo. Não existe coincidência. Já reparou que nunca houve um “Mendigo gato” negro?

You've read the story folder
written by
Writer avatar
geisa.agricio
Mulher, negra, nordestina, mãe-solo e gorda. Acredita em representatividade e igualdade, e em lugar de fala para escrever uma outra história