Séries de TV
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Séries de TV
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Séries de TV
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Orange Is The New Black, Quarta Temporada: Review dos Episódios 1 a 4

BingeWatchMe
há um ano27 visualizações

Calma, gente, vamos por partes!

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
Orange Is The New Black, Quarta Temporada: Review dos Episódios 1 a 4

Está de volta a nossa comédia dramática preferida sobre detentas! A ideia aqui é fazer reviews de grupos de episódios, para não juntar uma temporada inteira em um único texto e deixar muita coisa passar. Agora, vou abordar apenas os quatro primeiros episódios da quarta temporada de “Orange Is The New Black”.

O season finale da terceira, com as detentas fugindo para o lago, não deixou muitas pistas dos próximos passos. Sabíamos que a administração privada da penitenciária já havia causado um corte de custos que piorou a qualidade de vida das presas, mas a situação agora é pior, com a entrada de outras detentas, causando uma superlotação insuportável.

Piper já mostrou a que veio no primeiro episódio, dizendo que seria uma “gangsta, com A no final”. Mas a gente já sabia que isso não daria certo. Ela ganhou uma rival forte, Maria, que até agora era apenas a mulher que tinha um bebê com um pai estranho. O flashback da dominicana foi um pouco decepcionante, mas a personagem tem potencial.

Orange Is The New Black, Quarta Temporada: Review dos Episódios 1 a 4

De qualquer forma, Piper está a cada dia mais dispensável na série. Desde que deixou de ser a patricinha que estava se acostumando com os horrores da prisão e começou a virar uma patricinha que quer ser poderosa e não consegue, ela só faz a gente bocejar.

Já Alex enfim tem uma trama interessante: ela estava sofrendo uma tentativa de assassinato de um capacho de seu ex-chefe, quando Molly interveio e o deixou desacordado. Alex voltou para enterrá-lo e descobriu que ele ainda estava vivo. A cena em que ela tampa a boca e o nariz dele para matá-lo enquanto chora é ótima. Os surtos de Molly e a entrada de Red na jogada deixaram a situação ainda mais interessante.

Taystee tem protagonizado as cenas mais hilárias até o momento, como secretária de Caputo. E, aparentemente, o lance entre Soso e Poussey realmente está acontecendo. O episódio em que a asiática supõe erradamente que a ficante veio de família pobre é um ótimo tapa na cara da esquerda classe média. Cindy, convertida ao judaísmo, agora tem uma rival muçulmana. A "guerra" ainda está começando, com tom só de comédia, mas espero que haja alguma lição sobre tolerância religiosa por aí.

Orange Is The New Black, Quarta Temporada: Review dos Episódios 1 a 4

Já Pennsatucky ainda está lidando com a consequência do covarde estupro que sofreu de um guarda. A preocupação com Maritza faz com que ela o confronte e ele diga que não foi estupro porque ele disse que a amava. MEU DEUS. Que pessoa horrível. Mas é interessante que o programa aborde o tipo de estupro em que o homem simplesmente não entende a gravidade do que fez. É comum e pouco retratado.

No ala masculina do programa, Caputo está se acostumando com a posição de chefão (às custas de seus ex-empregados), mas ainda está em conflito com seus ideais. A cena em que ele é confrontado pelo ex-guarda (agora ajudante de garçom) em um restaurante é uma das melhores dos primeiros episódios.

Também tivemos um episódio com flashbacks de Healy e eu odeio estes capítulos, porque são muito deprimentes. E sempre trazem aquele conflito de sentir pena pelo assistente social e ao mesmo tempo detestar a pessoa que ele é. É bem feito, mas traz uma sensação horrível.

Orange Is The New Black, Quarta Temporada: Review dos Episódios 1 a 4

De resto, temos uma excelente paródia de Martha Stewart, chamada Judy King, que é uma racista disfarçada de boazinha, a provável saída da prisão da mãe de Daynara (não fará falta), Sophia ainda na solitária, Lorna simulando sexo no meio da sala de encontro (#morri) e, para surto geral da nação: NICKY APARECEU! O nome da atriz na abertura já era um bom sinal.

Vamos ver para onde estas tramas caminham, mas estou gostando do tom mais cômico e menos romântico desta temporada até o momento. Quero brigas!

#OITNB #orangeisthenewblack #TV #netflix #series

10 seriados que se alongaram demais e perderam a graça no final

BingeWatchMe
há um ano32 visualizações

Sim, tem muito spoiler aqui.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
10 seriados que se alongaram demais e perderam a graça no final

A gente queria que estes seriados durassem para sempre, mas a verdade é que eles deveriam ter terminado antes e mantido a dignidade. Afinal, poucas coisas são tão frustrantes quanto ver um programa que mudou sua vida e ocupou tantas horas do seu dia a dia definhando e virando uma caricatura de si mesmo.

Mas acontece. Como provam as séries abaixo:

Lost

É inegável que "Lost" foi um marco na história da TV, com suas teorias, mistérios, 1478 personagens complexos e os relacionamentos intrigantes entre eles. Porém, quanto mais a série se alongava, mais ficava claro que os autores não tinham todas as respostas para as perguntas que levantaram e começaram a apelar para outros artifícios. Os "flashforwards" foram bem feitos, mas as "viagens no tempo" foram MICÃO. Ladeira abaixo a partir da quinta temporada.

House

Em suas quatro primeiras temporadas, "House" era um drama médico envolvente, com ótimas pitadas de humor (muito mérito de Hugh Laurie, um humorista de raiz). Mas a sétima temporada terminou de maneira absurda: com House derrubando a casa de Cuddy com seu carro. Apesar de ser um babaca, o personagem nunca havia mostrado anteriormente sinais de que tentaria machucar fisicamente alguém, ainda mais sua ex-namorada. Para piorar, perdemos a presença da ótima atriz Lisa Edelstein. Não houve como redimir o protagonista deste erro e por isso não foi surpreendente quando anunciaram que a temporada seguinte seria a última.

How I Met Your Mother

Uma sitcom que começa com uma proposta tão fechada (descobrir quem é a famigerada mãe) certamente teria muita dificuldade para se estender por nove anos. A ideia para a última temporada foi gastá-la quase inteira para contar como foi um casamento, sendo que tudo foi absurdamente apressado em seguida no episódio final. Eventos importantíssimos para os personagens, como o divórcio de Barney e Robin e a morte da mãe, foram vistos de forma corrida, em poucos minutos. Até rolou um vídeo do "Hitler Reacts" sobre o capítulo.

Dexter

Em suas quatro primeiras temporadas, "Dexter" era tão bom quanto "Breaking Bad". SIM, EU FALEI ISSO. Excelente roteiro, direção corajosa, tramas surpreendentes e atores incríveis: o drama da Showtime tinha tudo. No entanto, depois de matarem Rita, os autores se perderam. Até fizeram uma boa quinta temporada (mérito de Julia Stiles e Jonny Lee Miller), mas entraram em um buraco sem saída quando inventaram que Debra se apaixonou por Dexter. TAMBÉM CONHECIDO COMO IRMÃO DELA, #credo. Eles destruiram o melhor relacionamento do programa e gastaram boa parte das últimas temporadas com a insuportável Hannah McKay. E a Deb ainda sofre uma morte incrivelmente sem graça no final. Que desgraça.

Glee

A série musical já havia perdido o fôlego a partir da quarta temporada, mas a morte de um dos atores principais, Cory Monteith, deixou a continuação do programa ainda mais forçada. Rachel (Lea Michelle) e companhia ainda ficaram no ar por mais um ano e meio, voltando para McKinley para ensinar garotos. O final da quinta temporada, com a protagonista encontrando o sucesso em Nova York, era muito mais adequado para a conclusão do seriado.

Revenge

A gente sempre brincava que "Revenge" tinha uma trama de novela latina e isso acabou sendo provado, porque a narrativa simplesmente não conseguiu se reinventar por muito tempo. Foram só quatro temporadas e mesmo assim já durou bem mais do que deveria. A ABC deveria ter adotado o formato de "alguns meses" da Globo.

10 seriados que se alongaram demais e perderam a graça no final

Scrubs

Uma das primeiras comédias de uma câmera só (aquelas que não são filmadas com plateia e cenário teatral, como as sitcoms tradicionais) que fizeram sucesso, "Scrubs" não soube a hora de parar. Eles demoraram muito tempo para reunir J.D. e Elliot e, quando o casal voltou a ficar junto, ninguém mais estava assistindo. Pior ainda: inventaram uma última temporada em que J.D. e Elliot mal apareceram. Nada a ver.

True Blood

Alguém explica a morte do Bill e aquele mostro de fumaça ridículo? O drama da HBO começou como um dos programas mais ousados da TV, tratando a temática dos vampiros com muita maturidade, ao contrário da apropriação adolescente romântica destas criaturas. Mas as últimas temporadas foram só uma enorme decepção.

Melrose Place

Direto do túnel do tempo! Sim, desde os anos 90 as séries já nos decepcionavam. O motivo aqui foi clássico: vários atores não queriam mais participar da série e simplesmente foram substituídos por personagens sem graça. POR QUE FAZEM ISSO?

Buffy, a Caça-Vampiros

Apesar de ainda ser muito celebrada e agora um seriado "cult", Buffy também deixou seus fãs um pouco decepcionados com a última temporada. Muitos acreditam que o final da quinta, no qual Buffy se sacrifica para salvar sua irmã, deveria ter sido o desfecho definitivo. Mas tiveram que ressuscitá-la na sexta, PORQUE SIM.

10 seriados que se alongaram demais e perderam a graça no final

Alguma série que você amava também te desapontou? Desabafe nos comentários! #abraçocoletivo

#series #tvshows #tv #buffy #lost #HIMYM #dexter #house #glee 

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
giucarpes
Conteúdo e comunidade - Storia Brasil - giuliander.carpes@storia.me