CONGRESSO

6 vezes em que as pessoas encararam os políticos brasileiros

Gustavo Altman
Autor
Gustavo Altman

Porque ninguém é de ferro, né...

6 vezes em que as pessoas encararam os políticos brasileiros

Na última quinta-feira, a catarinense Rúbia Sagaz, de 33 anos, fez o que muitos gostariam: falar diretamente, olho no olho, com os políticos brasileiros. Em um avião que rumava de Brasília a Guarulhos, ela encontrou Romero Jucá, senador em Roraima pelo PMDB, e decidiu descarregar tudo o que estava entalado. O vídeo gravado por ela viralizou nas redes sociais e já tinha mais de 30 mil compartilhamentos até a tarde dessa sexta-feira.

Casos como esse não são raros, ainda mais no contexto problemático em que está inserida a política brasileira. Assim, listamos outras seis vezes que cidadãos comuns decidiram falar poucas e boas aos nossos representantes - ou se expressar de maneiras, digamos, criativas:

1. Bolinhas de papel contra José Serra

No dia 20 de outubro de 2010, o então candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, caminhava despretensiosamente com seus correligionários, no bairro carioca de Campo Grande, quando foi abordado por um grupo de pessoas que atiraram bolinhas de papel contra sua cabeça.

Na época, criou-se uma grande polêmica a respeito de qual objeto teria sido atirado. Enquanto reportagens da Globo indicavam que tratava-se de uma fita adesiva, o SBT noticiava que haviam sido bolinhas de papel.

A caminhada foi interrompida para que o ex-ministro de Relações Internacionais de Temer fosse submetido a uma tomografia. Nada de grave foi identificado.

2. Chuva de purpurina em Jair Bolsonaro

Em 26 de janeiro do ano passado, o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) foi recebido na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul com chuva de purpurina. Aos gritos de “homofóbico” e “racista”, ativistas gays do Levante Popular da Juventude fizeram a calorosa recepção.

Em 2015, Jair Bolsonaro já havia sido condenado a indenizar em 150 mil reais, por danos morais, o Fundo de Defesa dos Direitos Difusos (FDDD) por conta de declarações racistas e homofóbicas durante o programa CQC, da Band. Alguns meses depois, ele também foi condenado a indenizar a deputada gaúcha Maria do Rosário por ter dito que apenas não a estuprava porque “ela não merecia”.

3. Vaias a Paulinho da Força em avião

Em junho de 2016, os deputados Paulinho da Força (SDD-SP) e Beto Mansur (PRB-SP) viajavam de São Paulo a Brasília quando foram surpreendidos por severas vaias dos passageiros. Eles também gritavam “golpistas, fascistas não passsarão!”.

Os dois deputados estiveram fortemente envolvidos no processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

Durante o voo, duas pessoas levantaram-se e filmaram tudo com o celular. O vídeo possui mais de 100 mil visualizações no Youtube. 

4. Perseguição a Eduardo Cunha no aeroporto

Em outubro do ano passado, o ex-congressista Eduardo Cunha, do PMDB do Rio de Janeiro, foi seguido por uma mulher que, aos gritos de “fora, Cunha” e “vai, ladrão”, partiu para cima do carioca.

Eduardo Cunha encontra-se preso no Complexo Médico Penal de Pinhais, em Curitiba. Ele foi condenado a 15 anos de prisão pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

O vídeo possui mais de 100 mil visualizações no Youtube.

5. Gritos contra Henrique Meirelles nos Estados Unidos

Henrique Meirelles não é exatamente um político, mas também foi alvo de hostilidades em sua viagem a Nova York, durante reunião da ONU, em setembro desse ano.

Manifestantes dirigiram-se ao Ministro da Fazenda no meio da calçada, afirmando que ele havia “vendido o país” e “tirado do povo para dar aos bancos”.

6. Cadeirante vs João Doria

Durante o início de seu mandato, João Doria fez questão de se passar por diversos personagens. De gari a deficiente físico, o prefeito passeou pela cidade vestido de distintas maneiras. No fim do mês de fevereiro, ele percorreu cerca de cem metros em uma cadeira de rodas para testar a acessibilidade de uma calçada da Zona Norte de São Paulo.

Meses depois, no entanto, uma cadeirante fez questão de mostrar que tal representação não condizia com a realidade. Em um encontro durante a entrega de obras de revitalização da Santa Ifigênia, ela proferiu duras palavras contra a hipocrisia do prefeito.