Opinião
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Opinião
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
    • Reportar esta pasta de histórias
Opinião
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Ser educado é difícil? E de bike?

A pergunta é difícil, mas eu responderia de um modo diferente. Nem sempre dá pra ser educado, mas não sejamos mal educados. São Paulo é uma cidade ao mesmo tempo maravilhosa e cruel. Quem aqui vive se identificará com um ou com outro. Por vezes amo, por vezes odeio. O trânsito, hoje, é uma das coisas que mais me irritam e que mais me tiram do sério. Assim como gentileza gera gentileza, o oposto também acontece. Por vezes me sinto quase um pateta ao volante ou na moto.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Bom, dentro disso tudo, existem os ciclistas. Ah, os ciclistas! Já fui trabalhar de bike algumas vezes (48km ida e volta) e não é super seguro. Mas faço o que posso e, sem desrespeitar os "grandes", dou sempre preferência aos "menores". Afinal, mesmo sem ser um cicloativista, adoro bike e incentivo o seu uso. E, por ajudar na divulgação e conscientização dos direitos de quem pedala, muitas vezes somos tachados de chatos, de folgados. Mas aprendi que a melhor forma de fazer isso é sendo simpático, com um sorriso, com um bom dia.

Mas o número de ciclistas pedalando diariamente, em suas locomoções, está aumentando. Se antes só os amantes se aventuravam no trânsito de São Paulo, agora a variedade aumentou. E, para minha tristeza e de muitos outros, os mal-educados estão aparecendo e hoje tive um prova disso.

A cena: Avenida Senador Teotônio Vilela, zona sul. Farol fechado para alguns carros entrarem na avenida em um trecho de mão dupla. Um ciclista com fone de ouvido e apito na boca vem pela contramão e tenta passar no vermelho, mas um carro estava entrando e ele freia bruscamente. Ele tenta de novo e uma moça em um gol, que estava esperando o outro carro, vai. O que o ciclista fez? Xingou a moça e deu um tapa no retrovisor que ficou virado para a frente. Sério, ele fez isso. O farol dele - o meu também - estava vermelho.

Não acreditei. O farol abriu e eu, de moto, encostei do lado dele. Disse algumas vezes "amigão, amigão", buzinei e ele fingiu olhar para o nada, como se estivesse tudo bem. Não sou santo e tive muita vontade de dar um pontapé nele, um belo de um tapa no capacete dele, mas perderia a razão. Fui embora e fiquei pensando na atitude dele até chegar no trabalho e, para ficar tranquilo, escrevi esse texto.

Qual a razão? O ciclista, muitas vezes, não é folgado. Na maioria dos casos ele está brigando pelo seu espaço, por sua segurança. Mas uma atitude dessa acaba com boa parte desse esforço. Espero que aquela moça releve. Espero que poucos motoristas tenham reparado na cena. Bike é legal e os ciclistas também. Talvez esse tenha tido um percurso ruim e perdeu a linha. Não generalizar, nunca.

É isso aí. Como lemos em tantos muros (enquanto o Doria não apagar kkkkkk): mais amor, por favor.

Você leu a pasta de história
escrita por
Writer avatar