POLÍTICA

"Fui na Marcha Contra Corrupção, mas tô na delação"

Júlia Korte
Author
Júlia Korte

Apenas uma lista com os políticos que participaram de protestos contra a corrupção meses antes de terem seus nomes citados na Lava Jato

"Fui na Marcha Contra Corrupção, mas tô na delação"

A colaboração premiada mais temida da Lava Jato, como caracterizou a revista Veja, a delação de executivos da Odebrecht, não vai deixar barato para ninguém. Cheia de nomes políticos conhecidos, revela a participação de figuras importantes em esquemas de caixa 2, propina e afins.

O assunto é sério e os escândalos não parecem ter mais fim. Mas para a nossa alegria, a zueira também não.

Ao longo dos últimos dois anos, entre 2015 e 2016, diversas manifestações contrárias ao governo Dilma Rousseff uniram políticos e ~cidadãos do bem~ para gritarem nas redes sociais e nas ruas contra as tramoias do PT e o roubo do dinheiro público. Vestindo as cores da bandeira brasileira, clamavam o fim da corrupção. O fato é que ironia existe e agora, meses depois, alguns nomes foram citados na operação. E, para facilitar, nós eternizamos esse momento numa lista para você: 

1. Paulo Skaf. R$ 6 milhões da Odebrecht teriam ido para a sua campanha ao governo em 2014. 

"Fui na Marcha Contra Corrupção, mas tô na delação"

Manifestação na Avenida Paulista, contra a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o cargo de chefe da Casa Civil, em 17 de março de 2016 (Danilo Verpa)

2. Agripino Maia. Segundo delação, o senador do DEM-RN, ou o "Gripado", teria recebido R$ 1 milhão.  

"Fui na Marcha Contra Corrupção, mas tô na delação"

Manifestação em Brasília (DF) no dia 15 de março de 2015 (Reprodução/Facebook)

3. Geraldo Alckmin. O governador de São Paulo, do PSDB, é apontado como "Santo", e teria recebido caixa 2 para as campanhas de 2010 e 2014. 

"Fui na Marcha Contra Corrupção, mas tô na delação"

Ato contra Dilma Rousseff na Paulista, no dia 13 de março (Bruno Poletti/Folhapress)

4. Aécio Neves. O senador do PSDB-MG, apelidado de "Mineirinho", teria pedido R$ 1 milhão para o DEM

"Fui na Marcha Contra Corrupção, mas tô na delação"

Protesto em Belo Horizonte (MG), no dia 16 de agosto de 2016 (Douglas Magno/AFP)

5. José Serra. Ele é acusado de receber dinheiro da Odebrecht em uma conta na Suíça. 

"Fui na Marcha Contra Corrupção, mas tô na delação"

Discurso em carro de som durante ato na Paulista, no dia 6 de dezembro de 2014 (Fernando Donasci/Agência o Globo)

6. José Carlos Aleluia. O deputado federal do DEM, apelidado como "Missa", é suspeito de receber R$ 300.000 não declarados da Odebrecht. 

"Fui na Marcha Contra Corrupção, mas tô na delação"

Ato no Farol da Barra, em Salvador, em 16 de agosto de 2015 (Reprodução/ Facebook)

7. Jutahy Magalhães. O deputado federal do PSDB-BA teria recebido R$ 350.000 não declarados da Odebrecht.  

"Fui na Marcha Contra Corrupção, mas tô na delação"

Manifestação no Farol da Barra, em Salvador, em 16 de agosto de 2015 (Max Haack/ Ag. Haack/ Bahia Notícias/Divulgação)

8. Geddel Vieira Lima. O ex-ministro da Secretaria de Governo é citado como o "Babel" e teria recebido R$ 5,8 milhões. 

"Fui na Marcha Contra Corrupção, mas tô na delação"

 Ato no Farol da Barra, em Salvador, no dia 16 de agosto de 2015 (Lúcio Távora/Ag. A TARDE)

9. Arthur Virgílio Neto. O prefeito de Manaus, do PSDB, segundo Cláudio Melo Filho, executivo da empreiteira, é conhecido como o "Kimono" e teria recebido R$ 300.000. 

"Fui na Marcha Contra Corrupção, mas tô na delação"

Cena de vídeo no Facebook em que ele chama os cidadãos para as manifestações. (Reprodução/Facebook)

10. Lúcio Vieira Lima. Irmão de Geddel, o deputado do PMDB-BA é apelidado de "Bitelo" e teria sido beneficiário de R$1 milhão. 

"Fui na Marcha Contra Corrupção, mas tô na delação"

Protesto no Farol da Barra, em Salvador, no dia 16 de agosto de 2015. (Reprodução)

Informações: Veja e Quebrando o Tabu