CINEMA

"Mulher Maravilha 2" vai ser o primeiro filme com regras contra assédio

Autor

A sequência do longa com a super-heroína terá código de conduta determinado pela Producers Guild of America 

"Mulher Maravilha 2" vai ser o primeiro filme com regras contra assédio

Foto: Mulher Maravilha (Divulgação) 

Será que finalmente vamos começar a ver resultados concretos do movimento contra o assédio sexual na indústria do entretenimento? 

A grande novidade anunciada durante premiação do Producers Guild of America (Sindicato dos Produtores de Hollywood), no dia 21 de janeiro, foi a de que "Mulher Maravilha 2" será o primeiro filme a seguir uma nova política contra assédio, e o anúncio foi feito pelo presidente da organização. 

Para quem não sabe, as "nova regras" foram publicadas dois dias antes do evento, definindo explicitamente o que é um assédio; entre as ações tipificadas, ambientes hostis no meio de trabalho, condutas verbais intimidantes e os avanços sexuais propriamente ditos. 

Não só isso, produtores, elenco e qualquer membro de equipe devem ajudar a combate-lo, reconhecendo a existência dessas práticas quando necessário, sejam elas dentro ou fora dos sets de filmagem. Além dessas orientações para esses casos, especificação sobre leis estaduais e federais do tema, recomendações de como denunciar, serão oferecidos treinamentos específicos antes do início da produção. É para não ter essa mais de "não sabia". 

Quem quiser ler o documento na íntegra, pode conferir aqui

E não pense que só os funcionários devem lidar com os casos. Ainda de acordo com o documento, a produção deve agir de forma rápida contra essa conduta, agindo com transparência a todos. 

Gal Gadot, intérprete da adaptação com a super-heroína que mais deu o que falar em 2017, dos recordes de bilheteria até a questão da representatividade, é bem engajada. Tanto que afirmou que não continuaria no papel se Brett Ratner, produtor do longa, não fosse demitido. A declaração veio após acusações de assédio sexual contra ele, na mesma época de revelações contra Harvey Weinstein, Kevin Spacey e tantos outros. 

Pode ser um pequeno passo e ainda precisamos ver como isso funcionará na prática. Sem contar que é um exemplo a todos os outros filmes por vir. Mas há, sim, o que se comemorar. 

E se você ficou na expectativa do resultado da sequência desse longa, que será dirigido por Patty Jenkins, deve aguardar até dezembro de 2019.