OUTROS

POSITIVO

Julia Soicher
Yazar
Julia Soicher

É involuntário.
Não consigo parar.
Mas sei.
Sei que irrita.
Se meus próprios pés, que ao serem batidos contra o solo me irritam, imagino o quão insuportável eles devem ser para o resto do mundo.

O problema é essa sala.
O amarelo das paredes descasca, e ninguém liga.
O desespero transborda.
E sufoca.
E ninguém liga.
A espera é desconfortável.
Pinica.
Incomoda.
E o julgamento é intoxicante.
Os olhares alheios.
Me assediam.
Me queimam.
E ninguém liga.

Já é a 3ª vez que me encontro aqui.
Sentada.
Com o ar preso.
O nó na garganta.
E o coração na mão.
Na mão não.
No chão.

Não há surpresas.
Aqui, nesse laboratório, há uma Luiza plantada.
Sem perspectiva nenhuma.
Sem esperança.
Apenas um buraco, onde está deveria estar.

A luz me cega.
É forte demais.
Mas dizem que é esse o papel da verdade.
Te dar uma rasteira.
Te pegar de surpresa.
E no pulo do gato, acabar com tudo.

Por isso estou aqui.
Já sabendo o que esta para acontecer.
Mas sei que a negação faz parte.
Apertando o envelope com todas as forças que em mim possuo:
HIV positivo.

Solto o ar.
E me permito, pela primeira vez, deixar que as lagrimas corram soltas.
Uma atrás da outra, elas traçam um caminho próprio.
Único.
Individual.
Não sabem para onde vão.
Mas apenas que vão.
Sem um final traçado.
Sem nenhuma barreira ou obstáculo.
Elas são livres.
Independentes.

Fecho os olhos novamente.