COMPORTAMENTO

5 métodos para economizar dinheiro e mudar hábitos financeiros em 2018

Autor

Dicas ajudam a conseguir guardar uns trocados mesmo depois de pagar todos os boletos

5 métodos para economizar dinheiro e mudar hábitos financeiros em 2018

(Imagem: Pexels)

Não tá sobrando mês no final do dinheiro? Bem-vindo ao clube. Economizar não é tarefa nada fácil. Mas em alguns casos, o que falta é um pouco de organização.

Não é difícil achar gente com custos fixos controlados, salário estável (e com um valor considerável) e, ainda assim, que vive sem grana. Geralmente, essas pessoas não sabem bem onde está indo embora tanto dinheiro. Por isso, algumas ideias podem ajudar a manter um certo controle financeiro que sim, pode se traduzir em alguns reais sobrando no final do mês.

4E28D014-C74B-4C11-9761-177E0F54CAA4
4E2DB745-19DC-4D54-BEBD-E390DDDF5678

Os métodos são muito diferentes entre si e podem se encaixar em diversas rotinas. Escolha o seu:

Kakeibo

O método faz muito sucesso no Japão, país que vive dando demonstrações do quanto entende de organização. Afinal, foi lá que a escritora japonesa Marie Kondo encontrou espaço para seu livro sobre organização de casa, que depois ficou famoso no mundo inteiro.

O Kakeibo tem uma história parecida, mas serve para organizar o bolso, e não o armário. A ideia é explicada por Fumiko Chiba em um livro sobre o assunto, no qual ensina a montar um diário de economia doméstica bastante detalhado, digno de um contador de grandes empresas.

As anotações são dividas em fases e feitas em papel. Na primeira, logo no início do mês, quem adota o método precisa anotar sua renda mensal e os gastos fixos (condomínio, mensalidades e serviços). A diferença entre a renda e o gasto fixo deve ser destacada no topo da página.

Na segunda etapa, devem ser anotados todos os gastos diariamente. Todos mesmo: do cafezinho ao ingresso de cinema, passando por compras no mercado e o que mais rolar.

Ao final de cada semana, vem a terceira etapa: uma avaliação de quanto foi gasto, quanto sobrou ou deixou de sobrar. Provavelmente, nos primeiros meses, vai sobrar pouco (ou nada). Mas a ideia é que visualizar gastos e renda num diário que toma tempo para ser feito ajude a encontrar onde os custos podem ser reduzidos (um exercício para se fazer nas avaliações semanais).

Ponto positivo: Como tem uma tarefa diária, muda aos poucos a relação com o dinheiro.
Ponto negativo: É bastante trabalhoso e exige muita disciplina.

Contabilidade mensal

Fazer um diário como o dos adeptos do Kakeibo não é nada fácil. Para quem quer tentar simplificar o método, mas ainda obter resultados, uma sugestão é adotar um livro de contabilidade mensal.

Como a periodicidade é menor, porém, vale a pena acrescentar um balanço de investimentos. E pode ser qualquer tipo de aplicação: poupança, títulos do Tesouro, rendimento em outras aplicações fixa e até ações. Além de anotar gastos mensais, inclua também os ganhos.

Ponto positivo: muito mais simples. Além do que, incluir também os rendimentos incentiva a poupar e investir em bons produtos financeiros.
Ponto negativo: o risco de deixar pequenos gastos de fora da tabela é maior e, às vezes, esses é que são os vilões.

Método do envelope

A ideia é bem simples e foca no corte de gastos não fundamentais. Ideal para quem “gasta dinheiro sem saber onde”, o método sugere que no início de cada mês você separe uma quantia fixa para lazer e coloque num envelope. Nesse mesmo envelope, escreva algumas definições do que é lazer no seu conceito: restaurante, cinema, bares...

Pague a conta dessas atividades apenas com esse dinheiro vivo, retirando aos poucos do envelope. Esqueça o cartão de crédito e débito. No final do mês, se sobrou, a quantia deve ser guardada, e não acumular para o mês seguinte.

Ao traçar o orçamento mensal, também é importante ser flexível para não desistir. Exemplo: se você é fã de bloquinhos de Carnaval, sabe que em fevereiro terá mais dias na rua e pode prever isso no orçamento. Já em março, hora de conter e equilibrar.

Ponto positivo: Ver o dinheiro em papel dá uma noção maior dos gastos do que apenas usar o cartão. Além disso, o método é flexível o suficiente para traçar orçamentos mensais.
Ponto negativo: Tem o foco em apenas um tipo de gasto, o das horas de lazer, sem abarcar outros custos fixos que também podem estar pesando no orçamento.

Desafio das 52 semanas

O método determina que quem o adota deve se comprometer com uma quantia semanal para economizar. Esse valor deve ser estabelecido antes do início. Uma sugestão é guardar no domingo a soma do valor correspondente aos dias que passaram do desafio (Ex: 1º dia = R$ 1,00. 2º dia = R$ 2,00). Outra é aumentar R$ 5 por dia e conseguir uma poupança maior no final do mês (Ex: 1º dia = R$ 1,00. 2º dia = R$ 6,00).

O nome não é por acaso: para conseguir uma economia relevante, é fundamental que o desafio seja mantido pelo tempo de 52 semanas.

Ponto positivo: Ajuda a criar disciplina ao determinar um compromisso fixo.
Ponto negativo: Nem sempre é fácil ter dinheiro disponível todos os dias, ainda que seja bem pouco. Além disso, quando o dinheiro não está aplicado, ele perde poder de compra por não render nada.

Nota fiscal

Essa é mais uma ideia voltada para os pequenos gastos do dia a dia. Nesse caso, quem a adota deve escolher uma periodicidade curta, porém fixa (diária, a cada dois dias ou, no máximo, semanal) para anotar todas as despesas pequenas ou não recorrentes: cafezinho, bar e restaurante, por exemplo.

Mas para que essa tarefa não se torne um peso – e seja logo abandonada – a sugestão é pedir e guardar sempre a sua via do comprovante do cartão ou a nota fiscal de tudo. As anotações podem, a partir daí, serem feitas num aplicativo ou no papel.

Ponto positivo: exige menos tempo de dedicação e os papéis aumentam as chances de nada ficar de fora.
Ponto negativo: mais uma vez, o foco é restrito, apenas nos pequenos gastos. Ignora as grandes contas.