SAÚDE

As lições que as 5 melhores dietas do mundo podem ensinar

Yazar

Tem até programa que sugere tomar vinho todo dia

As lições que as 5 melhores dietas do mundo podem ensinar

(Imagem: Foodies Feed)

Dieta é uma palavrinha já associada quase que automaticamente a imagens de dor e sofrimento na nossa cabeça. Mas levando ao pé da letra, ela apenas significa um estilo de alimentação específico. Tanto que nem toda dieta é feita para emagrecer.

4E28D014-C74B-4C11-9761-177E0F54CAA4
4E2DB745-19DC-4D54-BEBD-E390DDDF5678

Prova disso é o ranking anual da US News & World Report, publicação americana especializada em saúde. Em sua mais recente pesquisa, das cinco melhores dietas do mundo, apenas a quarta no ranking foca em emagrecimento.

Olhar as campeãs serve para entender que realmente somos o que comemos, já que tem dieta para hipertensão, para o coração e até para cuidar da saúde do cérebro. De todas elas, dá para tirar algumas boas lições para incluir no dia a dia. Veja o que as cinco campeãs defendem e inspire-se para praticar uma alimentação mais saudável:

1º) DASH

O método não marcou muitos pontos na categoria redução de peso, mas ficou no topo do ranking geral por ir muito bem no quesito saúde. O objetivo principal da DASH é prevenir e reduzir sintomas da hipertensão.

Segundo a pesquisa, a ideia é aumentar o consumo de nutrientes com potássio, cálcio, proteína e fibra para regular a pressão arterial. Não precisa manter controle de tudo que come, apenas lembrar de aumentar as porções de alimentos como frutas, vegetais, grãos integrais e proteínas magras no dia. É fundamental também reduzir o consumo de alimentos com gordura saturada e, o mais importante de tudo, parar de cozinhar com sal.

A publicação alerta que perder peso não é o ponto central da dieta, embora isso possa acontecer em algum nível, já que a alimentação será mais saudável. Também diz que comer fora de casa é um dos maiores desafios desse método, especialmente por conta da adição de sal e óleo que alguns restaurantes podem colocar no preparo.

1º) Mediterrânea (empate no primeiro lugar)

4E28D014-C74B-4C11-9761-177E0F54CAA4
4E2DB745-19DC-4D54-BEBD-E390DDDF5678

Embora a dieta tenha ficado muito famosa para perder peso, a publicação ressalta sua eficiência para a saúde do coração e até prevenção e controle do diabetes. Sobre o emagrecimento, a instituição diz que a principal vantagem é que uma das mais fáceis de manter o peso estável, evitando o efeito sanfona.

Como o próprio nome diz, o cardápio é inspirado em ingredientes e alimentos naturais abundantes em países mediterrâneos: vegetais, frutos do mar, carne de aves e azeite de oliva (gordura boa) são algumas estrelas. Outras proteínas magras como queijos com menos gordura e iogurte também entram, mas com moderação. Até uma taça de vinho tinto eventualmente é recomendada. Infelizmente, a macarronada italiana fica fora dessa lista.

Por outro lado, a dieta pede distância de carne vermelha, que deve ficar para ocasiões especiais.

3º) Vegetariana flexível

Em inglês, o nome une as duas palavras numa só: flexitarian. Não poderia ser mais explicativo. A ideia é que quem adota o método seja o mais vegetariano possível, digamos assim. Segundo a publicação, essas pessoas pesam até 15% menos que colegas carnívoros com biótipos parecidos.

Para reduzir a quantidade de carne (seja de aves, vermelha ou frutos do mar), é fundamental adicionar alimentos com muita proteína e outros nutrientes e continuar tendo uma alimentação completa, como feijão, lentilha, tofu, ervilha e castanhas, por exemplo.

O método, porém, pode ser um pouco complicado para quem não tem tempo ou não gosta de cozinhar. Isso porque Dawn Jackson Blatner, nutricionista que colocou em livro a dieta, sugere um plano de cinco semanas com receitas bem boas para seguir a dieta. Sair desse plano via substituições pode exigir um certo grau de programação e dedicação.

4º) Vigilantes do Peso

No ranking específico de dietas para perder peso, o programa de reeducação alimentar ficou em primeiro lugar. Segundo a pesquisa, a principal vantagem é que o método não foca apenas em controlar alimentos, mas trabalha também mudanças de comportamento, o que aumenta as chances de manutenção.

O programa define pontos para todas as comidas e bebidas e um máximo (e mínimo) de pontos para cada pessoa por dia, definido de acordo com critérios como sexo, idade e altura. Isso torna tudo bem flexível e não há alimentos proibidos, apenas sendo necessário anotar tudo, até a cervejinha do fim de semana. Aqui a lição é que, em moderação, tudo pode.

Do lado negativo, fica a questão de que para seguir o programa com mais eficiência, é necessário ser membro da franquia e frequentar as reuniões, o que supõe um gasto extra.

5º) Mind

4E28D014-C74B-4C11-9761-177E0F54CAA4
4E2DB745-19DC-4D54-BEBD-E390DDDF5678

Em português, mind significa mente. E é para isso mesmo que a dieta serve: saúde mental. Segundo a publicação, o método ajuda até a prevenir a doença de Alzheimer.

A pesquisa diz que, em certo nível, a dieta mistura outras duas campeãs, a Dash e a Mediterrânea. A ideia é incluir na alimentação dez alimentos que ajudam na saúde do cérebro por seus nutrientes: folhas verdes, vegetais, castanhas, frutas vermelhas, feijão, grão integral, peixe, carne de aves, azeite de oliva e vinho.

O básico da dieta é comer todos os dias pelos menos três porções de grãos integrais, uma salada de folhas verdes e mais um vegetal. Também inclui uma taça de vinho diária. Pelo menos duas vezes por semana, devem entrar porções de carne de ave, peixe e frutas vermelhas. O azeite de oliva aparece como tempero e no preparo, em moderação, e as castanhas são ótimas para lanches.

Consumir esses alimentos e evitar os já famosos vilões (como fritura e açúcar) pode ajudar a perder peso, embora o ranking lembre que esse não é o objetivo principal da dieta.

#dieta #saude #comida #alimentação