Cá pra nós
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Cá pra nós
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Cá pra nós
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Queermuseu deixa o alerta: precisamos falar de sexualidade com nossas crianças

Lilis Sobral
há um mês1.1k visualizações

Você provavelmente já percebeu que, nos últimos dias, uma polêmica em torno de uma exposição de arte tomou as redes sociais. A mostra “Queermuseu – cartografias da diferença na arte da brasileira” se propunha a falar sobre representações da sexualidade pelos olhos de diversos artistas.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
Queermuseu deixa o alerta: precisamos falar de sexualidade com nossas crianças

Parte da exposição Queermuseu, obra de Bia Leite foi alvo de críticas - reprodução

Realizada em Porto Alegre, foi cancelada pelo Santander Cultural antes da data prevista para o fim, depois que grupos religiosos e o Movimento Brasil Livre (MBL) criticaram as obras, acusando algumas imagens de terem inclusive conteúdo caracterizado como pedofilia e ofensa a símbolos religiosos.

Algumas peças, entre as mais polêmicas, traziam por exemplo os dizeres “criança viada”. A artista Bia Leite, autora dessas ilustrações, e o curador da obra, Gaudêncio Fidelis, fizeram algo muito melhor que dar uma justificativa para os trabalhos ao comentar o assunto: levantaram em entrevistas uma questão sobre a qual deveríamos pensar mais. Para eles, as obras alertam para o bullying que crianças LGBT sofrem desde cedo.

Precisamos falar sobre gênero

Sim, crianças LGBT. Boa parte dos homens e mulheres que não são heterossexuais começam a questionar sua sexualidade na infância e adolescência. “Criança viada” não chega nem perto das expressões pejorativas que estes jovens escutam por não se encaixarem num padrão definido pela sociedade.

Mas os pais têm o poder de, pouco a pouco, descontruir esses padrões. É importante que essas crianças encontrem um ambiente seguro para exercer sua liberdade e seu pensamento com o apoio da família. E a conversa tem que vir para preparar os jovens que vão encontrar diversas classificações de gênero e sexualidade, exercidas com cada vez mais liberdade.

Como falar?

A questão da sexualidade não é uma parte dura do mundo. É uma parte natural. Se até o Facebook já adicionou 56 classificações de gênero e sexualidade para seus usuários, por que deveríamos continuar encarando “meninos” e “meninas” heterossexuais como “normais”, colocando na gaveta do desconforto todo mundo que não nasceu assim?

Claro, num momento no qual estamos aprendendo a nos abrir, falar sobre sexualidade com crianças não é fácil. Mas se começar o assunto é a primeira dificuldade, que tal simplesmente responder? Crianças são seres “perguntadores” por natureza. Se um dia vier uma pergunta do tipo: “mamãe, por que aqueles dois homens estão se beijando”, não existem motivos para responder algo além de “porque eles se amam, como a mamãe ama o papai”.

O psiquiatra americano Aron C. Janssen, especialista em gênero e sexualidade na infância e adolescência, tem outras dicas práticas. Uma das sugestões é normalizar o tema e aproveitar que a mídia está cada vez mais abrindo espaço para a questão. E aqui, voltamos à polêmica exposição. Se você tem um adolescente em casa, ativo nas redes sociais, já experimentou perguntar, por exemplo, se ele ou ela está seguindo a repercussão e o que acha disso?

Nova casa para a criança viada

O cancelamento da exposição gerou protestos também fora das redes sociais. Além de ver um movimento de pessoas trocando foto de capa no Facebook para divulgar as obras censuradas, muita gente também foi para as ruas em Porto Alegre.

Aliás, o procurador Julio Almeida, do Ministério Público do Rio Grande do Sul, também visitou a exposição. Sabe o que ele disse? Não houve crime sexual contra crianças, como afirmaram movimentos contrários.

CENSURADO #QueerMuseu #LGBTQ #LGBT #Censura #AbaixoàCensura #facistasnãopassarão

A post shared by Fernando Ungaretti (@ungaretti_adv) on

#QueerMuseu #AbaixoàCensura #LGBTQ #LGBT #facistasnãopassarão

A post shared by Fernando Ungaretti (@ungaretti_adv) on

Censura nunca mais! Censorship never again! #queermuseu #leaveartalone #nocensorship #estadolaico #lgbt #lgbtq

A post shared by Gustavo Saggese (@gsaggese) on

Talvez seja essa mobilização que tenha dado força para os organizadores procurarem uma nova casa para as obras que tratam de assuntos que a sociedade tem tanto medo de falar. Brasília, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo estão entre as cidades que manifestaram interesse em receber a exposição, segundo o próprio curador.

A oportunidade de ver as telas enquanto pensamos na bola levantada do bullying contra crianças LGBT tem tudo para alimentar o debate livre sobre gênero e sexualidade. Agora é esperar que isso realmente aconteça e, assim, os protestos e as vozes pela arte não terão sido em vão. 

Hoje é Dia do Sexo e temos uma boa notícia: transar faz bem para a saúde

Lilis Sobral
há um mês6.4k visualizações

Caso você ainda precise de motivos para comemorar o 6/9...

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
Hoje é Dia do Sexo e temos uma boa notícia: transar faz bem para a saúde

O pessoal de Sense8 está com a saúde em dia. Crédito: Murray Close/Netflix

Pois é: seis de setembro é Dia do Sexo. E caso não tenha ficado claro, a data é: 6/9. Quem cunhou a comemoração no calendário não oficial do brasileiro foi a marca de camisinhas Olla. Brincadeiras à parte, a empresa traz também uma sugestão interessante:

“Poderia ser um dia para a sociedade brasileira discutir abertamente sobre o assunto, realizar ações de conscientização, quebrar tabus, acabar com preconceitos, disseminar o sexo seguro e muito mais”.

E no espírito de falar livremente sobre o tema, trago boas notícias. Caso você ainda precise de motivos para comemorar a data, segue uma lista com cinco, mostrando como o sexo faz bem para a saúde.

Alguém disse “dia de cardio”?

Que sexo é um ótimo exercício, você provavelmente já percebeu sem ler esse texto. O que talvez você ainda não saiba: quão bom exercício é.

O estudo de um time da Universidade de Montreal, no Canadá, concluiu que a média de gasto calórico durante o sexo é de 4.2 calorias por minuto para homens e 3.1 calorias por minuto para mulheres. Assim, a prática sexual é considerada um exercício de moderada intensidade e, segundo a conclusão dos próprios pesquisadores, pode ser considerada uma atividade física significativa.

Mente sã

A atividade sexual regular estimula a função cognitiva, especialmente em pessoas mais velhas. Trocando em miúdos, isso significa que sexo te deixa mais inteligente, como concluiu uma pesquisa das universidades de Oxford e Coventry. Se é a ciência que está dizendo, quem sou eu para contrariar...

Foooreeevveerr Yoouunng...

Ok... jovem para sempre pode ser um pouco de exagero. Mas que o sexo ajuda a manter uma aparência rejuvenescida, isso sim.

A conclusão é do pesquisador Dr. David Weeks, que estudou o assunto por mais de dez anos (e provavelmente, não ganhou nenhuma ruga nesse tempo todo). O efeito vem de uma combinação de hormônios que são liberados durante o ato sexual.

Keep calm and...

Sexo alivia o estresse. E não apenas na hora do ato, mas por um período prolongado. O pesquisador Stuart Brody, da Universidade de Paisley (Escócia), constatou que quem faz sexo regularmente reage melhor a situações de pressão no dia a dia. Para a revista New Scientist, ele disse que a prática sexual pode ter esse efeito por até uma semana. Neste caso, é um hormônio ajuda a acalmar os ânimos, a ocitocina.

Work hard, play hard

Prepare-se para ganhar aquela promoção: transar aumenta sua produtividade no trabalho. A conclusão é de Keith Leavitt, pesquisador da Universidade Estadual do Oregon (EUA).

O professor (que integra o departamento de negócios da faculdade, vale dizer), percebeu que o sexo dava aos praticantes uma vantagem adicional no dia de trabalho seguinte à atividade, já que as pessoas se tornavam mais propensas a mergulhar em suas tarefas.

Mas atenção: o efeito contrário também é notável. Quem leva problemas do escritório para a casa tem mais dificuldade de engajar ou se concentrar na atividade sexual.

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
lilis.sobral
Jornalista que gosta de escrever textos como conversa na mesa de um bar.