Maternidade
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Maternidade
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
    • Reportar esta pasta de histórias
Maternidade
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Dia das Crianças: 7 sugestões de presentes nada convencionais para seus filhos

Lilis Sobral
há 13 dias751 visualizações

Se você faz parte do clube dos atrasados e ainda busca por uma sugestão de presente nesse Dia das Crianças, seguem algumas que fogem do roteiro tradicional dos brinquedos.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
Dia das Crianças: 7 sugestões de presentes nada convencionais para seus filhos

Imagem: pexels

Livros feministas

Nada como uma boa leitura girl power para marcar o dia das suas meninas (e meninos, por favor). Aqui, seguem duas sugestões para faixas etárias bem opostas.

O primeiro, de Ilan Brenman, é indicado para crianças a partir de três anos e tem o melhor nome do mundo: “Até as Princesas Soltam Pum”. Pode rir, é engraçado mesmo. O livro descontrói a ideia de princesa perfeita que pressiona meninas desde cedo.

Dia das Crianças: 7 sugestões de presentes nada convencionais para seus filhos

A segunda deve ser um dos últimos presentes, já que a faixa etária indicada é a partir de 13 anos. Histórias de Ninar para Garotas Rebeldes é um projeto idealizado por Elena Favilli e Francesca Cavallo, que reuniram com uma linguagem acessível cem histórias de mulheres tão incríveis quanto Frida Kahlo, contadas com uma linguagem de conto de fadas. As ilustrações foram feitas por 60 mulheres do mundo todo.

Dia das Crianças: 7 sugestões de presentes nada convencionais para seus filhos

Livros sobre identidade racial

Dia das Crianças: 7 sugestões de presentes nada convencionais para seus filhos

Reprodução Editora Autografia

Alexandra Loras, ex-consulesa da França em SP, sugeriu em seu Facebook três livros de leitura leve, simples e divertida para crianças entenderem desde cedo conceitos sobre tudo que envolve identidade racial. Ela, que atualmente mora no Brasil e é voz forte e ativa em temas raciais e de empoderamento feminino, indicou os livros "Cor de Pele: Valorizando as Diferenças Para as Oportunidades Serem Iguais", "Cor de Pele II: (Re)conhecer o Passado Para Compreender o Presente e Transformar o Futuro", e "Do Gelo ou do Fogo?", os três de Clarissa Lima. Como diz a própria consulesa, “sanar preconceitos é um passo importante para combater o racismo”.

Uma tarde no museu Catavento

Dia das Crianças: 7 sugestões de presentes nada convencionais para seus filhos

Facebook Catavento

Se morar em São Paulo ou tiver como visitar a cidade, vale a pena presentear seus filhos com uma tarde no museu Catavento, que fica no Brás. O espaço é gigante e explica coisas que seriam complicadíssimas para um leigo por meio de instalações interativas. É um daqueles lugares que levam a expressão aprender brincando ao pé da letra. O espaço é divido em quatro seções: Universo, Vida, Engenho e Sociedade.

Uma visita a um grande museu

Dia das Crianças: 7 sugestões de presentes nada convencionais para seus filhos

Masp. Wikimedia Commons

O Catavento é uma proposta bastante lúdica para os pequenos. Mas em um momento em que muito se discute arte e o contato das crianças com ela, é importante lembrar que o Brasil tem uma série de museus muito bons e ideias para o primeiro contato com esse mundo.

Alguns exemplos são o Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (MASP), em São Paulo, o Museu de Arte do Rio (MAR), no Rio de Janeiro, e o Instituto Inhotim, em Brumadinho (MG).

Uma poupança

Dia das Crianças: 7 sugestões de presentes nada convencionais para seus filhos

Imagem: pexels

Talvez esse presente não te faça a mãe ou o pai mais popular do parquinho. Mas acredite: a hora que as contas começarem a incluir escola, cursos, faculdade, ter uma poupança vai ser uma boa ideia. Os investimentos também podem ser dados de presente anos depois para ajudar a criança, agora crescida, a realizar sonhos como um intercâmbio ou um curso diferente. É um presente que faz sucesso no longo prazo. Considere investimentos de renda fixa como Tesouro Direto ou CDBs para essa missão. Basta ter o CPF para abrir uma conta no nome do presenteado, sem idade mínima.

Pense Bem

O brinquedo, que fez sucesso entre o final dos anos 1980 e o início de 1990, foi relançado pela Tectoy em setembro. Pode ser uma boa ideia para não excluir digitalmente as crianças, mas sem liberar cedo demais para o mundo (perigoso) da internet.

Confira mais detalhes:

Roupas sem gênero

Tudo bem que nem sempre roupas fazem sucesso entre as crianças. Mas as marcas estão tão criativas que é até capaz de seus filhos gostarem de um presente assim. E que tal apoiar as coleções que fazem modelitos sem gênero? Assim, você veste seu pimpolho com roupa e consciência. Várias marcas brasileiras já apostam nesses modelos.

ÚLTIMO DIA de body por R$15 e jaqueta por R$20!⠀ ⠀ Link na bio, venha!

A post shared by Marré deci (@marre_deci) on

Levar crianças a shows e festivais é uma boa ideia?

Lilis Sobral
há um mês885 visualizações

Vendo vídeos e fotos do primeiro final de semana do Rock in Rio pela internet, percebi que muitos pais levaram suas crianças para curtir o evento.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
Levar crianças a shows e festivais é uma boa ideia?

Imagem: Pexels

O festival tem classificação etária de 16 anos, mas menores que isto podem ir acompanhados dos pais ou responsáveis, portando um termo de responsabilidade que o próprio evento disponibiliza na internet.

Burocracias a parte, estas imagens me deram foi é saudades da minha infância e adolescência. Lá pelos meus 15 anos, eu já tinha um caderninho de ingressos de shows do nível de Iron Maiden, Korn, Raimundos... Pois é, só rock pesado.

O show dos Raimundos foi o primeiro (mentira, teve Xuxa antes, mas abafa), meu presente de aniversário de 13 anos (eu tinha 12 no dia do show). 

Mas eu não fui sozinha a nenhum destes. No início da minha vida badalada de shows, minha mãe fazia questão de me levar a todos, mesmo nos que ela só sabia balbuciar meia música. Nesse ai dos Raimundos, lembro que perguntei para ela: tudo bem se eu cantar os palavrões hoje? Eu não sabia de nada, inocente...

Então fiquei pensando: será que isso não era loucura? Por que minha mãe topava me levar a estes lugares que, à primeira vista, não são nem um pouco apropriados para crianças?

Com a palavra, Eliete Sobral, minha mãe:

“Sempre achei que devemos respeitar a opinião das crianças, pois é nessa fase que a personalidade está se formando. O gosto musical é uma parte importante dessa formação. Então eu levava minha filha [eu aqui ó!!!] aos shows que ela gostava para que ela sentisse toda a energia de ver um ídolo de perto”.

Olha, faz sentido para mim. Mas ainda fica uma dúvida: e o ambiente? Especialmente de um show de rock?

“O ambiente de um show de rock é igual a qualquer outro. Lá é até mais gostoso por que está todo mundo feliz, fazendo o que gosta”.

Ponto para dona Eliete de novo.

Aqui entramos naquela velha discussão de querer proteger as crianças de coisas que, invariavelmente, elas vão precisar encarar um dia.

Para quem tem dúvidas sobre levar ou não os filhos em shows ou festivais, queria dizer que estou aqui e estou super bem. Mas este texto não quer convencer ninguém a encher seus pimpolhos de piercings, tatuagens e jogá-lo de um palco ao som de Sepultura. Para quem acha uma boa ideia começar a acompanhar os filhos em eventos musicais assim, existem algumas dicas que podem tornar a experiência mais segura e confortável.

Minha mãe deu duas...

1 – Documento sempre por perto

Deixe um documento, que pode ser cópia, sempre em poder do menor, num lugar seguro para evitar que ele perca. No caso de um tumulto ou desencontro, a identificação vai ajudar.

2- Ponto de encontro

Assim que chegar no lugar, a primeira coisa a se fazer é combinar um ponto de encontro. Explique para a criança que, caso se percam, ela pode esperar lá tranquilamente. Diga que talvez você demore um pouco para aparecer, mas aquele é um lugar seguro para os dois.

... e eu lembrei de algumas mais

3- Prefira áreas confortáveis

Escolhe setores menos suscetíveis a tumultos. Talvez seja uma boa ideia evitar a pista. Mas se vocês quiserem mesmo estar lá no meio do povo, prefira ficar longe do palco ou nas laterais, onde a aglomeração é menor.

4- Paciência na hora da saída

Com crianças, a ideia principal sempre é evitar tumulto. Na hora da saída, ele é quase garantido. Tenha muita paciência e combine com seu filho com antecedência: vão sair antes do bis, ou vão ficar por mais 30-40 minutos após o show acabar para sair quando o lugar já estiver mais vazio?

5- Identifique sua posição

Procure as saídas de emergência mais próximas e os postos de segurança e médico.

6- Em festivais

Em casos como o do Rock in Rio, o ideal é combinar com seus filhos um horário para assistir as apresentações ou shows específicos. É complicado passar o dia inteiro embaixo do sol e com uma estrutura que pode não ser a mais confortável para quem é muito novinho. Aqui entra seu poder de negociação.

Do mais: divirta-se!

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
lilis.sobral
Jornalista que gosta de escrever textos como conversa na mesa de um bar.