Tô na moda
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Tô na moda
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Tô na moda
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

8 modelos que mostram que a moda está mudando

Lilis Sobral
há 2 meses22.9k visualizações

Tatuagens, corpos curvilíneos e androgenia pouco a pouco ganham espaço nas passarelas e editoriais internacionais

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
8 modelos que mostram que a moda está mudando

Reprodução / Instagram

As mulheres que consomem moda há um bom tempo reclamam da falta de identificação com as modelos que são geralmente escolhidas por grandes grifes.

Mas o que exatamente significa representar uma “mulher real” atualmente? Se a diversidade está presente no dia a dia, não há como ter uma resposta única para esta pergunta. Por isso, a lista abaixo traz oito respostas – e é só começo:

Lea T

@nikerunning #vapormax

A post shared by leacerezo (@leacerezo) on

A top model jogou luz sobre o sucesso que uma mulher transexual pode fazer nas passarelas de estilistas e marcas de renome internacional. Mais uma representante brasileira no hall da fama da moda, ela já fez campanhas Givenchy, Nike e Blue Man.

Filha do ex-craque da seleção brasileira de futebol Toninho Cerezo, Lea tem tanto poder que a revista Forbes já incluiu seu nome entre as 12 mulheres que mudaram a moda italiana, ao lado de Miuccia Prada, CEO da Prada, e Franca Sozzani, editora-chefe da Vogue italiana.

Valentina Sampaio

Essa é outra modelo brasileira que está bem perto de um feito inédito. As apostas do mundo da moda é de que ela pode ser escolhida para integrar o time das Angels da Victoria’s Secret. Se isso se confirmar, Valentina será a primeira mulher transexual a desfilar para a famosa marca de lingeries, integrando um hall da fama que tem nomes como Adriana Lima, Alessandra Ambrosio e Gisele Bündchen. Resumindo: gol do Brasil!

Winnie Harlow

What are your aspirations in life? 🐬💕 📷:@thejonnyhynes

A post shared by ♔Winnie Harlow♔ (@winnieharlow) on

A canadense não deixou que o vitiligo fosse empecilho para se lançar no America’s Next Top Model, o reality show da TV americana que revela para o público novos nomes do mundo da moda. E que sorte a nossa que ela fez isso!

Foi assim que sua carreira começou a deslanchar e já rendeu campanhas para Diesel, Desigual e Nike.

Jessa Jordan

Apenas observem esse monte de tatuagens maravilhosas e esse black power que, provavelmente, entraria numa lista dos top 10 mais poderosos do mundo. Jessa vive na Filadélfia, é uma modelo freelancer (haja coragem para trabalhar nesse meio sem agência) e faz campanhas para marcas alternativas, como a InkAddict Apparel, especializada em vestir apaixonados por tattoos. Como se tudo isso não bastasse, a Jessa ainda usa sua conta no Instagram para divulgar o trabalho de outras modelos negras.

Siera Bearchell

"THE WORST! She is twisting people's minds. She is a WALKING CONTRADICTION." Even if you try not to read the comments, some are impossible to ignore. I have struggled for years to view food as nourishment for my body. For so long, I viewed food as the enemy. Something to be avoided. I know some of you reading this have experienced the same. I went through cycles of starving myself of what my body needed because I was trying to look a certain way. I am finally learning what my body needs to be in its "top form." I am deeply bothered when people tell me I was in my "top form" and had a "better body" at previous competitions I competed in.... when behind the scenes, I was starving my body of what it needed to function properly. I became obsessed with what I weighed rather than what my body needed to function. I focused on numbers on a scale rather than nutrients. I was barely eating and exercising for hours on end. I was miserable. Yet that body shape is considered "better" in the eyes of some. I am finally learning to treat my body with the respect it deserves. You should do the same. 💁🏻My skin and hair is healthier than it has ever been and my outlook on life has taken on a new form. I encourage you to look at food as fuel. Fuel your body with what it needs to flourish. You will not regret it. Oh, and remember that health (physical and mental) is not based solely on what we see with our eyes.

A post shared by Siera Bearchell | Miss Canada (@sierabearchell) on

Estudante de direito, a Miss Canadá 2016 causou um frisson quando apareceu porque não correspondia aos padrões comuns das misses. Pois é, parte da opinião pública conseguiu colocar defeito no look da diva. Siera precisou lidar com comentários ofensivos sobre suas curvas (alô, quero ter um corpo “feio” desses também) e, para isso, encheu suas redes de posts motivadores sobre amar o próprio corpo e não dar ouvidos ao que outros dizem. Go, Siera!

Fluvia Lacerda

Outro gol do Brasil, Fluvia Lacerda galgou lugar de destaque no ainda restrito hall da fama das modelos plus size. Além de ter estrelado diversas capas de revistas internacionais e um editorial na Vogue, a modelo, que hoje mora em Nova York, também se aventura pelo outro lado do universo fashion e é dona de uma linha de bodies plus size.

Rain Dove

Rain nasceu mulher. Mas hoje definir essx modelx andróginx por um gênero é limitar suas possibilidades e talentos. Rain arrasa em passarelas e editoriais femininos e masculinos. Rain nasceu no estado de Vermont, nos Estados Unidos, e em seu Instagram resume o tamanho do seu poder e versatilidade em uma frase: “representando o ser humano no mundo da moda”.

Tess Holliday

Um lindo corpo plus size coberto de tatuagens. A dona é americana Tess Holliday, que já estrelou campanha para a marca de cosméticos Benefit e foi fotografada por ninguém menos que David LaChapelle, um dos maiores fotógrafos da atualidade. 

Armário minimalista: por que (e como) adotar um

Lilis Sobral
há 2 meses8.0k visualizações

Sabe aquela velha história de que na moda menos é mais? As técnicas para montar um armário minimalista existem para colocar a frase em prática.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
Armário minimalista: por que (e como) adotar um

Apesar do ponto central ser reduzir a quantidade de roupas que temos, a ideia não é sair sempre com o mesmo visual ou deixar o estilo pessoal de lado. Ao contrário: o objetivo é fazer uma avaliação do que realmente gostamos e, com poucas peças, ficar sempre feliz e confortável ali no meio dos tecidos.

Aqui vão dois bons motivos para testar a teoria:

1) Economiza tempo

Com menos peças e uma escolha mais consciente do que vai estar no guarda-roupas, as chances das “partes de cima” combinarem com quase todas as “partes de baixo” aumentam bastante.

E como tudo vai estar dentro de um estilo e gosto pessoal, aumenta também a chance do resultado final no espelho agradar logo de primeira.

PS: tá liberado usar esses cinco minutinhos a mais por dia para dormir!

2) Cabe no bolso

Quem nunca quis gastar metade do salário em blusinhas, não é mesmo?

Manter um armário minimalista pode acabar com a explosão do cartão de crédito no final do mês. É claro que, com menos roupas para revezar, é importante que elas tenham mais qualidade. No geral, isso pode significar que, individualmente, as peças serão mais caras. Só que com uma quantidade menor e uma roupa que dura mais tempo, a economia final vale a pena na ponta do lápis. Com o hábito, dá para aprender a comprar com consciência.

Mãos à obra

Se os cinco minutos de leitura até aqui foram suficientes para convencer a adotar um armário minimalista, lá vão mais cinco minutos com dicas de como fazer:

Pare e pense

Conhecer o formato do corpo e o estilo pessoal é fundamental para lidar bem com menos opções. Vale a pena gastar um tempo nessa etapa.

Uma boa dica é tirar tudo o que está no armário hoje e, ao voltar cada uma das peças, anotar o que sentimos ao usá-las. É algo que tem nossa cara ou foi um deslize comprado por impulso? Levar as anotações nas primeiras compras sempre ajuda.

Inspire-se

O Instagram e o Pinterest, por exemplo, são duas fontes ótimas para buscar inspirações. Mas atenção: não adianta nada tentar copiar o armário de alguém que tem um estilo e uma rotina completamente diferente.

Cuide bem das suas companheiras

Sim, as roupas são companheiras. E é preciso fazer essa relação durar. Comece a prestar atenção na hora de lavar os looks e nas instruções em cada uma das etiquetas (quem diria: elas servem para alguma coisa!).

Armário minimalista: por que (e como) adotar um

Crédito: OMO

Divirta-se com os acessórios

E aqui, dá para incluir bijuterias, sapatos, bolsas, cachecóis...

A roupa é uma tela quase em branco, que precisa de umas pinceladas para se transformar em obra de arte. Misturar e variar esses itens de acordo com a ocasião e com o humor do dia transforma aquele conjuntinho básico que sempre funciona em uma roupa multiusos.

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
lilis.sobral
Jornalista que gosta de escrever textos como conversa na mesa de um bar.