O Big Bang
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
O Big Bang
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
O Big Bang
ic-spinner
Hikayeni paylaş
Sevdiğin hikayeleri ve yazarları bul ve takip et. İlham al, sen de kendi hikayelerini yaz. Hikayelerine arkadaşlarını davet et. Paylaş ve tüm dünyaya sesini duyur.

Lojistas que facilitam a devolução de produtos vendem mais e...devolvem menos

Lojistas que facilitam a devolução de produtos vendem mais e...devolvem menos
Sevdiğin konularda arkadaşlarınla işbirliği yap
Bu konuda yazmak ister misin? ▸

Uma pesquisa da Universidade Texas-Dallas mostra que lojistas que facilitam as condições para devolução de produtos têm mais retornos nas vendas, e o índice de devolução dos produtos é menor quando o prazo é estendido. De acordo com o estudo, um tempo maior para devolver o produto e um percentual significativo de reembolso são os principais fatores que fazem os consumidores comprarem mais nas lojas.

“Quanto mais o consumidor tem o produto em mãos, mais ligado ele fica”, afirma o pesquisador Ryan Freling. “Sem a pressão de devolver rapidamente para a loja, maior é a chance do consumidor pensar que o produto 'não é tão ruim'”, afirma.

A possibilidade de devolução “sem fazer perguntas” faz com que o consumidor volte a comprar na loja. Segundo o estudo, o impacto do aumento nas vendas é maior que o impacto econômico das devoluções.

Foram analisadas 11.662 operações de compra em 21 estudos diferentes sobre consumo. As características das condições de devolução observadas foram tempo, dinheiro (reembolso), esforço (o que é preciso para devolver o produto), escopo (se o produto permanecia em estoque) e troca (quando a loja oferece créditos ao invés de reembolso ou um novo produto).

Nos EUA, a taxa de devolução de produtos no varejo fica em torno de 8%, índice que está em crescimento devido ao aumento das vendas online. Segundo a empresa Forrester, para vendas online o índice fica em 12% nos EUA, contra 4% no Brasil.

Foto: William Murphy/https://www.flickr.com/photos/infomatique/7319625050

Ela estava condenada à morte por uma doença. Está perto de descobrir a cura

Uma mulher começa a sofrer de insônia. O estado entre acordar e dormir se torna quase que permanente, até o sono virar impossível. Em alguns meses, o diagnóstico: a insônia é uma doença priônica – degenerativa, fatal e genética. Em 2010, ela morre, aos 52 anos. Você sabe que vai sofrer da mesma doença e morrer da mesma forma. Assim, você resolve estudar.

Sevdiğin konularda arkadaşlarınla işbirliği yap
Bu konuda yazmak ister misin? ▸
Ela estava condenada à morte por uma doença. Está perto de descobrir a cura

A história de Sonia Vallabh como pesquisadora genética começa assim. Em 2009, ela era uma advogada formada em Harvard, e seu marido Eric Minikel era um urbanista formado pelo Instituto de Tecnologia de Massachussetts (MIT). Ao sofrer com a doença da mãe, Sonia resolve dar uma reviravolta na sua carreira, aos 29 anos de idade, sabendo que teria no máximo mais 20 anos de vida: passa a trabalhar como pesquisadora de células e genes no Hospital Geral de Massachussetts. Meses depois, o marido larga a sua carreira e também vai estudar com ela.

Na quarta (20) eles, ao lado de um time de pesquisadores, publicam um estudo que afirma: o tratamento para a doença degenerativa existe. Ela mesma utilizou. E descobriram: o tratamento não tem efeitos colaterais e diminui em 50% a chance das proteínas que provocam a doença priônica afetarem as células e degenerarem o cérebro.

A 'insônia fatal', descobriram eles, é uma consequência da encefalopatia espongiforme bovina, popularmente conhecida como “Doença da Vaca Louca”. Ela acontece por uma mutação em um gene PRNP, e também é vista como uma nova variante da Doença de Creutzfeldt-Jakob. As proteínas mutantes do gene acabam por provocar um gatilho em outras proteínas do cérebro, que geram células que funcionam de forma anormal. “Minha mãe estava lúcida o suficiente para saber de tudo que estava acontecendo com ela”, disse Sonia à revista The Atlantic. “É uma maneira brutal de morrer”.

As respostas dos médicos e cientistas para as possíveis motivações da doença não foram suficientes para Sonia. Ela resolveu entrar no MIT como aluna especial, e o trabalho como técnica de laboratório no Hospital Geral foi uma consequência disso. Eric e Sonia passaram anos analisando doenças degenerativas, como Huntington, e em setembro de 2014 foram aprovados no doutorado de Ciências Biológicas e Biomédicas na escola de medicina de Harvard.

“Muitos nos perguntaram: 'vocês têm certeza que querem mudar totalmente suas carreiras e seus trabalhos?'. Porém, quando começamos a fazer ciência diariamente, percebemos que é muito diferente tratar desse assunto no nível molecular, ou de pesquisa, em relação a pensar na sua possível morte a todo momento”, disse Sonia em 2014.

O artigo publicado na quarta mostra que Sonia e Eric estão muito perto de descobrir um tratamento real e efetivo para a doença. O estudo desenvolvido por ambos e por sua equipe mostra que as variações genéticas das doenças priônicas são bem comuns entre a população em geral, mas o risco degenerativo acontece em um pequeno espectro.

“Os genes que provocam as doenças priônicas são diminuídos quando são usados remédios que limitam o dano no sistema nervoso. A comunidade médica sempre foi cética em relação ao tratamento, pois não está claro quais proteínas podem afetar as células. Porém, três pessoas analisadas carregam o gene que provoca a doença priônica e produzem apenas 50% das proteínas que afetam o cérebro. Essa é a primeira evidência de que os tratamentos para redução priônica não causam efeitos colaterais, desde que as proteínas seja reduzidas a 50% da contagem normal”, afirma o estudo publicado pela Science Mag.

Essa descoberta mostra que o tratamento está bem perto da implementação, de acordo com Michael Dlugos, do site Meta. Isso não quer dizer, entretanto, que o tratamento está garantido.

Sonia e Eric mantém o site prionalliance.org, e recebem doações via PayPal para continuar seus estudos. Se quiser saber mais, confira o link abaixo.

“É totalmente possível que o tratamento para as doenças priônicas degenerativas esteja disponível em até 20 anos”, afirmou Sonia em fevereiro de 2015. Bom, talvez demore ainda menos. :-)

Curta também a página deles no Facebook

Hikayeyi okudun
Story cover
tarafından yazıldı
Writer avatar