O Big Bang
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
O Big Bang
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
O Big Bang
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Você conhece o "zíper de rua"? Pois bem: ele salva vidas

Você conhece o "zíper de rua"? Pois bem: ele salva vidas
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Por 45 anos, a ponte Golden Gate, em San Francisco, foi uma via normal de duas mãos. Quer dizer: normal para quem estava acostumado com as rodovias americanas. Sem barreiras entre as linhas e com a pista central mudando de direção conforme o tráfego.

Por isso, a pista central era chamada de “suicide lane”, ou “pista suicida”: foram 128 choques entre carros frente a frente, entre 1970 e 2001. 16 pessoas morreram nesses acidentes. Quando a ponte foi reaberta, em 2015, a “pista suicida” era motivo de grande preocupação das autoridades do tráfego, pois tão importante quanto conter os acidentes era que a variação da pista central acontecesse, para que ninguém ficasse trancado no caminho entre San Francisco e Sausalito.

Então, o Estado resolveu comprar, por 30 milhões de dólares, um “zíper de rua”. É, isso mesmo.

O vídeo, da Business Insider, mostra melhor o que é.

A máquina é da Lindsay Transportation Solutions. Ela coloca uma barreira de aço e concreto móvel sobre a pista, a 6,11 quilômetros por hora. Pode ser utilizada inclusive quando o tráfego está intenso. As linhas azuis na pista demarcam onde as partes da barreira devem ser colocadas ou retiradas. Ao todo, são 1,5 mil partes, ocupando 3,5 km. 

"30 milhões de dólares? Se salva vidas, é barato", disse Frank Armas, ciclista que frequenta a Golden Gate, ao jornal San Francisco Chronicle.

Até a instalação do "road zipper", nenhum acidente frontal aconteceu.

Mais sobre ele:

Este vídeo mostra como os vegetais mudaram desde o início da humanidade

O vídeo acima, da Business Insider, mostra como eram as frutas antes da humanidade aprender a cultivá-las.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

A cenoura selvagem, por exemplo: era branca ou púrpura, muito fina, tinha um sabor forte e uma aparência que se assemelha ao aipim - bem diferente da cenoura brilhante, laranja e suculenta de hoje.

A berinjela antiga tinha espinhos e várias cores, do amarelo ao azul, e algumas eram inclusive redondas; os espinhos desapareceram com o cultivo seletivo. 

O milho selvagem era pequeno (19 milímetros) e seco como uma batata - as mudanças ocorreram principalmente perto do século 15. Só era encontrado na América Central. 

A melancia selvagem parecia uma romã - as sementes ficavam revestidas pela parte branca, bem diferente do suculento interior vermelho de hoje, e precisava ser aberta com um martelo. Só era encontrada na África, onde hoje ficam a Namíbia e Botswana.

 A banana selvagem, cultivada pela primeira vez há 7 mil anos na Papua Nova Guiné, tinha um interior forte e duro, com sementes grandes.

Não aparece no vídeo, mas outra fruta que mudou bastante foi o pêssego - tinha 25 milímetros e a semente ocupava 36% do conteúdo da fruta. Só era encontrada na China. Tinha "gosto de terra".

Mais algumas fontes interessantes sobre o tema:

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por