Brasil: manual de instruções
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Brasil: manual de instruções
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Brasil: manual de instruções
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

É hora de perguntar: Bolsonaro sonha com um autogolpe?

Márcio Juliboni
há 11 dias2.2k visualizações

Não dá para confiar nos valores democráticos de quem pede palmas para um general que defende a intervenção militar

É hora de perguntar: Bolsonaro sonha com um autogolpe?
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

(Foto: Divulgação/Página Oficial de Jair Bolsonaro/Facebook)

Se o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) quer, mesmo, ser levado a sério como candidato à Presidência, precisa responder algumas perguntas cruciais. Uma delas é se, uma vez no Palácio do Planalto, cairá na tentação de promover um autogolpe com o apoio de parte das Forças Armadas, sob o pretexto de purificar a política brasileira de toda a porcalhada descoberta pela Lava Jato. E é preciso que responda a essa questão com toda a clareza. Em tempos normais, seria impensável cogitar que um presidente democraticamente eleito buscasse se autoproclamar ditador, mas o Brasil está longe de viver tempos normais. Primeiro, porque estamos vivendo uma crise política sem precedentes. Segundo, porque Bolsonaro nunca escondeu sua admiração pela ditadura e por seus carrascos.

A mais recente demonstração pública foi dada, por ele, em Belém nesta quinta-feira (6). Ao ser recebido por admiradores no aeroporto local, Bolsonaro discursou sobre um carro de som. Seria uma cena normal de campanha, se não fosse por uma passagem horripilante. Lá pelas tantas, o ex-capitão do Exército pediu uma salva de palmas para o general Antonio Hamilton Mourão, aquele que defendeu, há alguns dias, uma intervenção militar, caso os políticos e a Justiça sejam incapazes de livrar o Brasil da corrupção. Se a declaração de Mourão já pegou mal, imagine o que pensar de um candidato a presidente que o aplaude com entusiasmo?

Por acaso, Bolsonaro se esqueceu de que, se chegar ao Planalto, será graças à democracia, e não apesar dela? Ou será que o pré-candidato apenas a tolera como um modo prático de conquistar o poder? Exagero histérico de um jornalista petralha? Nem de longe: Bolsonaro já elogiou publicamente o coronel Ustra, notório torturador dos anos de chumbo. Já afirmou que o maior erro dos governos militares foi apenas torturar, e não matar, os presos políticos. Defende abertamente o fim do Estatuto do Desarmamento e, por tabela, quer que os brasileiros possam se armar. Convenhamos: Bolsonaro está longe de inspirar democracia.

Com as armas do inimigo

Neste caso, concorrer democraticamente ao Planalto seria apenas um movimento tático (bem ao gosto dos exercícios de guerra), dentro de uma estratégia maior: o de erradicar todos os corruptos, todos profanadores da moral, todos os divergentes. Pela visão autoritária do presidenciável, a crítica e a oposição não passam de ruído. São uma perturbação à marcha do Brasil rumo ao progresso ordeiro. Tal como uma tropa, não há lugar para os fracos, para os que hesitam, para os que param no meio do deslocamento para pensar.

Tal como o militar que é, só há uma saída: gritar com aqueles que bagunçam a marcha. Intimidar quem não bate os pés no mesmo ritmo que os demais. Coibir quem não saúda a autoridade a plenos pulmões. Como lidar com os dissidentes? Nas Forças Armadas, é fácil: basta expulsá-los com requintes de humilhante desonra. Mas, como reproduzir isso na política? Como transformar o Brasil numa caserna ordeira e bovinamente submissa à autoridade? Trocando a faixa presidencial pela farda? Seria derrotar a democracia, utilizando suas próprias armas – os votos dos brasileiros.

Censura na internet: o Congresso paquera o autoritarismo

Márcio Juliboni
há 11 dias1.9k visualizações

Se um político se sente ofendido com a revelação de fatos desabonadores sobre si, deveria se lembrar do básico: muito mais ofendidos estão os brasileiros com a corrupção

Censura na internet: o Congresso paquera o autoritarismo
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

(Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

Deputados e senadores esculacharam covardemente a Constituição em menos de vinte e quatro horas. Em tempo recorde, aprovaram um dispositivo que permitiria a candidatos exigirem a retirada de conteúdos considerados ofensivos da internet, sem autorização judicial prévia. O objetivo alegado pelo autor da emenda à reforma eleitoral, deputado Aureo (SD-RJ), era combater o discurso de ódio por meio de perfis falsos em redes sociais. O texto aprovado, contudo, era um primor de arbitrariedade.

Diante da (justificada) chiadeira de associações de jornalistas, o presidente Michel Temer anunciou, na tarde desta sexta-feira (6), que vetará a emenda. O caso pode ser apenas mais uma tremenda demonstração de incompetência do Congresso, mas pode, também, mostrar o quanto os parlamentares estão paquerando o autoritarismo.

É um fato indiscutível que a eleição de 2018 será um teste à sanidade mental de eleitores, jornalistas e candidatos. Isto porque uma guerra suja de fake news, trolls, haters, militantes virtuais pagos, distorções e inocentes úteis emporcalhará as redes sociais, a internet em geral e, o pior de tudo, a mente de muitas pessoas. Por isso, é urgente que se busquem meios de combater mentiras, discursos de ódio, intolerância, assédio moral e tudo o mais que os mercenários virtuais lançarão contra o bom-senso, a ponderação e a saudável dúvida. Mas há uma diferença imensa entre uma avaliação equilibrada acerca de um texto e uma decisão individual, tomada por alguém extremamente interessado em preservar sua imagem em tempos de eleição e de Lava Jato.

Inversão de papéis

Quantos candidatos, sinceramente, teriam o equilíbrio necessário para compreender o que são críticas justas contra suas ideias e sua trajetória, e o que realmente é ataque pessoal, ódio gratuito, calúnia, injúria ou difamação? Com certeza, estamos longe de vermos tamanha maturidade emocional e política no Brasil. Assim, a sanção desta emenda por Temer representaria, na prática, uma porta escancarada para inibir, intimidar, assediar e censurar jornalistas, colunistas e blogueiros em geral. Não é segredo para ninguém que políticos de todas as colorações partidárias sonham em amordaçar a imprensa, cuja função é, como já dizia George Orwell, publicar aquilo que alguém não quer que seja publicado.

Não se trata de pregar o ódio ou difamar maldosamente a classe política. Como alguém já disse, a verdade pode incomodar, mas nunca ofende. Se um político se sente ofendido com a revelação de fatos desabonadores sobre si, deveria se lembrar do básico: muito mais ofendidos estão os brasileiros que esperavam dele uma postura decente no trato dos assuntos do país.

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
m.juliboni
Escreve sobre política e economia desde 2000. E ainda se espanta com isso!!!