Brasil: manual de instruções
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Brasil: manual de instruções
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Brasil: manual de instruções
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Lula toma fora de Josué Alencar: petistas amaldiçoarão agora os empresários?

Márcio Juliboni
há 2 meses5.2k visualizações

Difícil, mesmo, é que eles enxerguem que Lula ostenta contradições imensas e não encanta mais o capital como antes

Lula toma fora de Josué Alencar: petistas amaldiçoarão agora os empresários?
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

(Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Os planos de Luiz Inácio Lula da Silva de repetir a dobradinha capital-trabalho que o consagrou na eleição de 2002 ficaram pelo caminho. Nesta quinta-feira (31), Josué Alencar, presidente da Coteminas, negou publicamente qualquer desejo de se unir a Lula na eleição de 2018. Josué é filho do ex-vice-presidente do petista, José Alencar, e era cogitado pelo PT para compor a chapa que disputará a Presidência. É um sinal claro de que Lula não consegue, mais, enfeitiçar a elite empresarial como antigamente.

Para piorar a situação, Josué afirmou que só toparia integrar uma única chapa: a do Partido Novo, caso outro empresário, Flávio Rocha, dono da Riachuelo, se candidatar. Quando a intenção de atrair Josué para a campanha de Lula foi divulgada, há oito dias, escrevi um artigo para o Storia, criticando a opção. Meu argumento era que seria, no mínimo, incoerente lançar um candidato que se vende como vítima da perseguição das elites, tendo um empresário a tiracolo.

Queimando a língua

Fui bombardeado por lulistas, petistas e militantes de esquerda, que me acusaram de não compreender que “há empresários e empresários”, “há elites e elites”, enfim, toda aquela conversa fácil de que há nuances que só intelectuais inteligentes e observadores conscientizados (e não idiotas obtusos como eu) são capazes de perceber. Há oito dias, a estratégia de Lula foi defendida em grupos fechados de redes sociais como a prova de que o petista continua com o faro apurado, e seu tino político apontava para um pacto entre capital e trabalho capaz de tirar o país do lamaçal.

Com a banana de Josué ao aceno de Lula, o que dirão agora os petistas e a esquerda? Voltarão a ranger os dentes, dizendo que empresários e capitalistas em geral são todos do mal? Do papinho fácil de que “há empresários e empresários”, passarão para o rancoroso “empresário é tudo farinha do mesmo saco”?

Difícil, mesmo, é esperar que os lulistas entendam o básico: seu candidato ostenta contradições imensas, que eram vendidas como genialidade política de unir opostos. O encanto dos empresários com ele já passou. No fundo, até concordo que haja apenas dois tipos de capitalistas, mas não são essa caricatura de bonzinhos contra mauzinhos que o pensamento pueril de alguns militantes cultiva. Há capitalistas que toleram governos de esquerda, desde que não mexam com seus privilégios, e há capitalistas que nem isso toleram. E só.

Não se anime: o crescimento do PIB ainda é de má qualidade

Márcio Juliboni
há 2 meses2.8k visualizações

Não foi o Brasil que cresceu, na comparação com um ano atrás; foi o agronegócio

Não se anime: o crescimento do PIB ainda é de má qualidade
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

(Foto: Pedro Revillion/ Palácio Piratini)

Há um certo frenesi em relação aos resultados do PIB (Produto Interno Bruto) divulgados nesta sexta-feira (1) pelo IBGE. Em comparação com o primeiro trimestre, o Brasil cresceu 0,2% entre abril e junho. Já em relação ao segundo trimestre de 2016, a alta foi de 0,3%, interrompendo uma sequência de 12 quedas. Que o governo festeje, já era esperado. Faz parte do jogo de cena político. Que a imprensa destaque, faz parte. Afinal, trata-se de um número relevante. Mas ainda é muito cedo para cantar, a plenos pulmões, que saímos da crise. O motivo é simples: essa alta do PIB é sustentada por maus fundamentos.

O cálculo do PIB considera duas partes que devem chegar ao mesmo resultado: a da oferta e a da demanda. Na primeira, entra tudo o que foi produzido no país, bem como os serviços prestados. Na segunda, entra tudo o que foi consumido. Vejamos, então, o lado da oferta, isto é, de quem produz alguma coisa por aqui. Na comparação com o primeiro trimestre, dos três setores (agropecuária, indústria e serviços), apenas o de serviços cresceu: míseros 0,6%. A indústria, coitada, continuou em queda livre, com recuo de 0,5%. A agropecuária, que carregou o Brasil nas costas nos últimos tempos, simplesmente zerou.

Qual é o truque?

Do lado da demanda, a euforia da imprensa e do governo concentra-se na retomada do consumo das famílias, com aumento de 1,4% do primeiro para o segundo trimestre. É notável? Sim, claro que é, mas o que não se pode perder de vista é como as famílias aumentaram suas compras, num cenário com mais de 13 milhões de desempregados. Aí é que estão as pulgas atrás da orelha. Primeiro, os economistas creditam parte disso à liberação do FGTS das contas inativas. Segundo, à queda da inflação. Terceiro, à queda dos juros, que facilita o financiamento. Quarto, à queda do preço dos alimentos, devido à safra recorde.

Sejamos realistas. Dos quatro fatores citados, apenas a queda de juros é consistente com um cenário de retomada do consumo no longo prazo. Os outros três motivos são circunstanciais. O dinheiro do FGTS já virou fumaça e não impulsionará novamente a demanda. A queda da inflação tende a se estabilizar, simplesmente porque, agora, o governo aproveitará a chance para aumentar impostos, a fim de tapar o rombo das contas públicas. Logo, se dará ao direito de ficar com aquele dinheirinho que os brasileiros pensaram que começaria a sobrar no fim do mês. Veja, por exemplo, o que já ocorreu com os combustíveis. Por fim, alimentos dependem de um fator imponderável: o clima. Basta chover mais ou menos que o desejado, que a safra se perde e os preços sobem.

PIB de uma nota só

Olhando um corte maior de tempo, a comparação do segundo trimestre deste ano com o mesmo período de 2016, o cenário não melhora em nada. Do lado da oferta, a alta de 0,3% foi sustentada unicamente pelo agronegócio, com sua expansão de quase 15%. A indústria encolheu 2,1%, e os serviços, 0,3%. Traduzindo: não é o Brasil que está bem, na comparação com um ano atrás, é o agronegócio. Do lado do consumo, o das famílias subiu 0,7%. Os motivos são os mesmos vistos no parágrafo anterior. Logo, as ressalvas também.

Ninguém gosta de dar más notícias, nem ser o desmancha-prazeres da festa, mas comemorar um resultado frágil não nos ajudará em nada. Para que o país volte a crescer de modo saudável, contínuo e com inclusão social, não podemos depender de lances casuais, como a liberação do FGTS, ou contar com a boa vontade de São Pedro para não estragar nossas lavouras. Precisamos de muito mais. Precisamos de um verdadeiro projeto de desenvolvimento. Algo que faz tempo que os brasileiros não veem por aí.

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
m.juliboni
Escreve sobre política e economia desde 2000. E ainda se espanta com isso!!!