Brasil: manual de instruções
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Brasil: manual de instruções
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Brasil: manual de instruções
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Magno Malta vice de Bolsonaro: cinco casos embaraçosos para o capitão explicar

Márcio Juliboni
há 2 meses8.4k visualizações

Operação Sanguessuga, atos secretos no Senado, férias pagas com verbas públicas e muito mais! Esse é o vice dos sonhos dos bolsonaristas?

Magno Malta vice de Bolsonaro: cinco casos embaraçosos para o capitão explicar
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

(Imagem: Canal Bolsonaro Presidente 2018/YouTube/Reprodução)

Desde ontem (02), os bolsonaristas mais educados me chamam de burro, mal informado, petralha ou plantador de fake news em grupos fechados do Facebook. Tudo por causa do texto que publiquei no Storia sobre as estripulias de Mão Santa, convidado pelo próprio Jair Bolsonaro para ser seu vice, no encontro que tiveram em Parnaíba, cidade da qual o ex-senador é prefeito. Muitos eleitores de Bolsonaro rapidamente afirmaram que o mais provável companheiro de chapa de seu mito é o senador capixaba Magno Malta (PR). Não tem problema! A gente também lembra um pouco dos "melhores piores momentos" de Malta. Será curioso ver como Bolsonaro defenderá seu vice, ao mesmo tempo em que solta perdigotos contra a corrupção dos outros.

Operação Sanguessuga: em maio de 2007, a Polícia Federal indiciou Magno Malta por formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Na época, investigações da PF e do próprio Congresso chegaram à conclusão semelhante: a chamada máfia dos sanguessugas superfaturava a compra de ambulâncias para prefeituras, com recursos oriundos do Orçamento federal, e desviava o dinheiro excedente. A família Ventoin, dona de uma das empresas envolvidas, afirmou em juízo que deu um Fiat Ducato ao senador como parte do pagamento. Malta, que jura inocência, foi indiciado pela CPI dos Sanguessugas, mas escapou de qualquer condenação na Comissão de Ética do Senado.

Férias em Dubai: Em dezembro de 2008, Magno Malta passou quatro dias de férias em Dubai, nos Emirados Árabes, em companhia de seu assessor José Augusto Santana. Oficialmente, ambos requisitaram verba do Senado para participarem de um fórum sobre o combate à pornografia infantil na Índia. O problema é que eles decidiram dar uma esticadinha até Dubai para esfriar a cabeça – tudo devidamente pago por você, caro bolsonarista.

Atos secretos: em meados de 2009, estourou o escândalo dos atos secretos no Senado. Em bom português, a direção da Casa beneficiou 37 senadores de diversos partidos com medidas administrativas que não foram publicadas para ciência geral da nação. No que se refere a Magno Malta, descobriu-se que o senador se beneficiou de um ato secreto para “plantar” um espião na Comissão de Ética da Casa em maio de 2005, quando era investigado por quebra de decoro. O pastor evangélico Nilis Castberg, o tal assessor, era segundo suplente do próprio senador e só foi descoberto com a revelação dos atos secretos.

Contas rejeitadas: em 2013, o Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo puniu o diretório do PR no Estado. O partido ficou proibido de receber repasses do fundo partidário por um ano. O motivo foi a rejeição das contas prestadas. Entre as irregularidades, estavam o lançamento de despesas sem comprovação, omissão de informações sobre doações, aporte de dinheiro diretamente no caixa do partido, e não em conta corrente, conforme determina a lei eleitoral para evitar manipulação de recursos e caixa dois etc. Adivinhem quem era o presidente do PR no Espírito Santo, na época? Ganha uma foto com Bolsonaro quem disser Magno Malta!

R$ 100 mil por fora: a mais recente história mal contada envolvendo Malta é uma troca de e-mails entre a direção da Itatiaia, uma das maiores fabricantes de móveis de cozinha do país. O caso foi revelado no ano passado, mas as mensagens referem-se a 2014. Nelas, seu presidente Victor Penna Costa, informa aos diretores que pagou R$ 100 mil ao senador, sem emissão de nota fiscal. Para justificar na contabilidade, o dinheiro foi registrado como antecipação de pagamento para o próprio Penna Costa. Malta também contou com o jatinho da empresa para se deslocar entre 2012 e 2013.

                                                             *********

Há um ditado, em política, que é tão antigo, quanto sábio: não basta que a mulher de César seja honesta. Ela também deve parecer honesta. Trata-se de um aviso sobre como a imagem pública é tão importante, quanto a índole dos que querem dirigir o povo. Algo que Bolsonaro parece não entender até agora, dados os nomes que cogita para sua chapa.

Como Bolsonaro explicará um vice cassado pelo TSE e réu no STF?

Márcio Juliboni
há 2 meses14.2k visualizações

Quem pretende se eleger com um discurso moralista e messiânico de combate à corrupção deveria escolher melhor suas companhias

Como Bolsonaro explicará um vice cassado pelo TSE e réu no STF?
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

(Imagem: Canal oficial da Prefeitura de Parnaíba/YouTube/Reprodução)

Dê uma boa olhada nesta imagem. Se Jair Bolsonaro sair das urnas como o próximo presidente do Brasil, o senhor que ele abraça alegremente tem grandes chances de ser seu vice. A convite, aliás, do próprio Bolsonaro. Para quem não o conhece, ou já o esqueceu, ou (o pior de tudo), convenientemente omite seu passado, não tem problema; nós explicamos. Trata-se de Francisco de Assis de Moraes Souza, atual prefeito de Parnaíba, cidadezinha de 150 mil habitantes no litoral norte do Piauí. Conhecido como Mão Santa, ele já foi bem mais poderoso, e protagonizou alguns dos primeiros escândalos de corrupção da redemocratização. Será difícil, portanto, Bolsonaro sustentar seu discurso moralista, em tão polêmica companhia.

Mão Santa ostenta o vergonhoso título de primeiro governador cassado pelo TSE na história brasileira. O fato ocorreu em novembro de 2001, quando o TSE, por unanimidade, anulou sua chapa que se reelegera em 1998. As 22 acusações que lhe foram imputadas envolviam abuso de poder econômico e político. Delas, o tribunal acolheu apenas nove, o bastante para que Mão Santa fosse apeado do poder. Entre as práticas condenadas, estavam a distribuição de remédios a eleitores e a anistia de contas de água. Como a chapa foi cassada, seu então vice-governador, Osmar Ribeiro (PCdoB) também não pode assumir. Aí está outro ponto que Bolsonaro terá de explicar: como ele quer ser visto com alguém que, no passado, promoveu uma orgia econômico-eleitoral com um comunista de carteirinha para comprar uma eleição?

Funcionários fantasmas

Jurando inocência, Mão Santa foi eleito, no ano seguinte, senador pelo Piauí pelo PSC, o mesmo partido de Bolsonaro. Os dois, aliás, dizem que a amizade começou nos anos de convivência no Congresso Nacional. Mas esses não foram apenas tempos de fraternas experiências. Em 2010, o STF aceitou uma denúncia contra o senador piauiense por peculato, transformando-o oficialmente em réu. A acusação refere-se ao período em que governou seu Estado. Mão Santa e seus ex-secretários foram acusados de contratar 913 funcionários fantasmas, lotados na Secretaria de Administração do Piauí, com o objetivo de desviar seus salários. Estima-se que o esquema tenha causado um prejuízo de R$ 800 mil.

Bolsonaro encontrou-se com Mão Santa em abril, quando recebeu a Medalha do Mérito Municipal. Foi nessa ocasião que o pré-candidato à Presidência convidou o amigo para ser seu vice. Na época, o capitão da reserva brincou com os jornalistas, dizendo que aquilo era o “início de um namoro; mas um namoro hétero”. Fora a contradição de termos (não existe namoro hétero entre dois homens), o convite foi confirmado por Mão Santa à revista Piauí, que publicou um extenso perfil do homem recentemente. Segundo a reportagem, o governador cassado afirmou que ele seria “um bom vice”.

Se o namoro virar um casamento (“hétero”, como provavelmente Bolsonaro acrescentaria), é bom o noivo começar a pensar em como justificá-lo aos eleitores. Afinal, quem pretende se eleger com um discurso que é um milk-shake de moralismo, combate à corrupção e messianismo, deveria escolher melhor seus aliados mais íntimos (heterossexualmente falando, claro).

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
m.juliboni
Escreve sobre política e economia desde 2000. E ainda se espanta com isso!!!