Brasil: manual de instruções
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Brasil: manual de instruções
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Brasil: manual de instruções
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Operação Santa Ceia: pegaram os políticos pra Cristo?

Márcio Juliboni
há 4 meses874 visualizações
Operação Santa Ceia: pegaram os políticos pra Cristo?
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Na fábula que políticos graúdos tentam vender para a opinião pública, a Operação Lava Jato não passa de um grande erro histórico, perseguindo arbitrária e tiranicamente inocentes de todas as legendas. Esses caciques partidários sentem-se como Cristo às vésperas da crucificação. Para piorar, não teriam espaço para se defender na imprensa golpista, que distorceria as informações a seu bel-prazer. Os enrolados com a Justiça querem que acreditemos que a história está sendo (mal) contada assim:

“Desde o alvorecer desta sexta-feira, a Guarda Pretoriana Filisteia (PF) deflagrou a Operação Santa Ceia, que apura um suposto esquema de conversão de pagãos à base aliada de Deus, em troca de benesses como a salvação da alma e a vida eterna. A PF cumpre dezenas de mandados de prisão preventiva, temporária e de condução coercitiva nos arredores de Jerusalém. A organização seria chefiada por Jesus de Nazaré. O núcleo da quadrilha seria composto por mais doze homens, conhecidos como ‘os apóstolos’.

O braço direito do Nazareno seria um pescador chamado Pedro. Segundo as primeiras informações, conversas interceptadas pela PF enfatizam o poder desse apóstolo na organização. Em uma das conversas transcritas pelos pretorianos, Jesus teria dito: ‘Tu és Pedro, e sobre essa rocha erguerei minha obra.’ Preso temporariamente, Pedro já teria negado, por três vezes, conhecer Jesus.

Fontes da PF afirmam que, interrogado por Pôncio Pilatos, Jesus evocou seu direito de manter-se em silêncio para não se incriminar. Ele o quebrou uma única vez durante a audiência. Confrontado com planilhas de empreiteiros que o tratavam pelo codinome ‘o rei dos judeus’, Jesus foi lacônico. Limitou-se a afirmar a Pilatos: ‘Tu o dizes’. Em nota, a defesa do Nazareno afirmou que a prisão é arbitrária e contraria o Estado de Direito.

Os analistas políticos afirmam que, dificilmente, negar as evidências salvará Jesus da crucificação. O motivo é que ele foi delatado por Judas Iscariotes, um de seus apóstolos. A defesa do Nazareno, contudo, tenta desqualificar o delator, afirmando que ele é o verdadeiro corrupto, já que teria se vendido por três moedas. Os advogados de Judas rebatem, alegando que seu cliente está tão arrependido, que, no acordo de delação premiada, devolveu as moedas espontaneamente e passou a ser atormentado por pensamentos suicidas.

Em nota à imprensa, outro apóstolo, Tomé, afirmou que a base aliada de Deus acredita piamente na inocência de Jesus. ‘As acusações são apenas ilações e carecem de materialidade. Os detratores precisam provar concretamente o que dizem. Como não conseguem fazê-lo, criam uma ficção com o único objetivo de pegar Jesus para Cristo.’

Nos bastidores, comenta-se que, diante da pressão de Herodes e dos judeus para libertar Barrabás (contra quem pesam acusações de corrupção passiva, ativa e assassinato) e condenar Jesus, Pilatos está inclinado a lavar as mãos.”

Quem será o maior pizzaiolo de Brasília?

Márcio Juliboni
há 4 meses758 visualizações
Quem será o maior pizzaiolo de Brasília?
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Se há uma unanimidade no Planalto Central, é de que o Brasil vive uma “crise de liderança”. Como substantivos abstratos são assim chamados justamente porque cada um os interpreta como bem quiser, o ponto é: o que vossas excelências entendem por “liderança”? Esqueçam a balela patriotesca de que os parlamentares procuram alguém com força para implantar reformas. Na realidade, eles seguirão aquele que se mostrar mais capaz de lhes manter fora do alcance da Lava Jato e das delações da JBS.

Há motivos muito concretos para isso. Primeiro: há 84 deputados e senadores investigados pela Lava Jato. Os nomes constam das duas listas remetidas pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao STF em março de 2015 e março de 2016. Segundo: os donos da JBS confessaram ter distribuído dinheiro para quase 200 congressistas, totalizando R$ 107 milhões. A maior parte, segundo os Batistas, era propina, mesmo quando o repasse foi registrado como doação oficial. Ainda que se desconte a repetição de nomes, é muita vossa excelência tendo que se explicar à Justiça e aos eleitores.

Na visão dos nobres parlamentares, só duas coisas podem lhes garantir alívio: a impunidade ou a imunidade. Por ora, triste e compreensivelmente, optam pela primeira, já que a imunidade depende de se reelegerem e, para isso, precisam convencer o eleitorado de que seu único pecado foi derramar água benta na missa.

Quem põe a pizza no fogo?

O caminho para a impunidade tem um roteiro claro. Passa por amordaçar a Lava Jato; desqualificar a força-tarefa do Ministério Público, da Polícia Federal e da Justiça; assegurar-se de que alguns tribunais sustentarão a tese de que delação não é prova; e, se possível, aprovar algumas leis que impeçam futuras ameaças a organizações criminosas de qualquer matiz ideológico.

O problema é quem seria capaz de fazer tudo isso? Michel Temer ainda tem dois trunfos: segue no Palácio do Planalto e emplacou alguém de sua confiança para suceder Janot. Sua baixíssima popularidade, contudo, espanta políticos de seu entorno como vampiros que fogem da cruz. Com isso, comprar o apoio do Congresso em troca da promessa de assar a pizza sairá caro – com o adendo de que o governo está falido e, portanto, o dinheiro para emendas parlamentares virá a conta-gotas.

Rodrigo Maia, o claudicante presidente da Câmara, também não parece à altura da missão. Primeiro, porque reluta em sentar na cadeira de Temer. Segundo, porque sabe que está tão enrolado na Lava Jato quanto ele. Além disso, há dúvidas sobre a necessidade de Maia deixar o cargo de presidente da Câmara e até seu mandato de deputado, se quiser concorrer à vaga. Para alguém na mira da Polícia Federal, é bastante arriscado trocar a segurança do foro privilegiado pela aventura de ser presidente por alguns meses. E se ele não se elegesse? Estaria nas mãos de Sérgio Moro no dia seguinte?

Aécio Neves, torpedeado pela delação da JBS, ainda não convence nem seu próprio partido. Embora Marco Aurélio Mello tenha lhe devolvido o mandato de senador e lhe rasgado elogios, os tucanos aguardam a manifestação do restante da corte, na volta do recesso. Vai que os demais juízes decidem que seu colega se empolgou nas mesuras ao político mineiro...

Com tudo isso, a chamada “crise de liderança” atormenta Brasília. O Congresso tem fome de esperança e ainda não encontrou um pizzaiolo à altura para saciá-la. Alguém se candidata?

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
m.juliboni
Escreve sobre política e economia desde 2000. E ainda se espanta com isso!!!