Brasil: manual de instruções
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Brasil: manual de instruções
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Brasil: manual de instruções
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Quem será o maior pizzaiolo de Brasília?

Márcio Juliboni
há 4 meses758 visualizações
Quem será o maior pizzaiolo de Brasília?
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Se há uma unanimidade no Planalto Central, é de que o Brasil vive uma “crise de liderança”. Como substantivos abstratos são assim chamados justamente porque cada um os interpreta como bem quiser, o ponto é: o que vossas excelências entendem por “liderança”? Esqueçam a balela patriotesca de que os parlamentares procuram alguém com força para implantar reformas. Na realidade, eles seguirão aquele que se mostrar mais capaz de lhes manter fora do alcance da Lava Jato e das delações da JBS.

Há motivos muito concretos para isso. Primeiro: há 84 deputados e senadores investigados pela Lava Jato. Os nomes constam das duas listas remetidas pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao STF em março de 2015 e março de 2016. Segundo: os donos da JBS confessaram ter distribuído dinheiro para quase 200 congressistas, totalizando R$ 107 milhões. A maior parte, segundo os Batistas, era propina, mesmo quando o repasse foi registrado como doação oficial. Ainda que se desconte a repetição de nomes, é muita vossa excelência tendo que se explicar à Justiça e aos eleitores.

Na visão dos nobres parlamentares, só duas coisas podem lhes garantir alívio: a impunidade ou a imunidade. Por ora, triste e compreensivelmente, optam pela primeira, já que a imunidade depende de se reelegerem e, para isso, precisam convencer o eleitorado de que seu único pecado foi derramar água benta na missa.

Quem põe a pizza no fogo?

O caminho para a impunidade tem um roteiro claro. Passa por amordaçar a Lava Jato; desqualificar a força-tarefa do Ministério Público, da Polícia Federal e da Justiça; assegurar-se de que alguns tribunais sustentarão a tese de que delação não é prova; e, se possível, aprovar algumas leis que impeçam futuras ameaças a organizações criminosas de qualquer matiz ideológico.

O problema é quem seria capaz de fazer tudo isso? Michel Temer ainda tem dois trunfos: segue no Palácio do Planalto e emplacou alguém de sua confiança para suceder Janot. Sua baixíssima popularidade, contudo, espanta políticos de seu entorno como vampiros que fogem da cruz. Com isso, comprar o apoio do Congresso em troca da promessa de assar a pizza sairá caro – com o adendo de que o governo está falido e, portanto, o dinheiro para emendas parlamentares virá a conta-gotas.

Rodrigo Maia, o claudicante presidente da Câmara, também não parece à altura da missão. Primeiro, porque reluta em sentar na cadeira de Temer. Segundo, porque sabe que está tão enrolado na Lava Jato quanto ele. Além disso, há dúvidas sobre a necessidade de Maia deixar o cargo de presidente da Câmara e até seu mandato de deputado, se quiser concorrer à vaga. Para alguém na mira da Polícia Federal, é bastante arriscado trocar a segurança do foro privilegiado pela aventura de ser presidente por alguns meses. E se ele não se elegesse? Estaria nas mãos de Sérgio Moro no dia seguinte?

Aécio Neves, torpedeado pela delação da JBS, ainda não convence nem seu próprio partido. Embora Marco Aurélio Mello tenha lhe devolvido o mandato de senador e lhe rasgado elogios, os tucanos aguardam a manifestação do restante da corte, na volta do recesso. Vai que os demais juízes decidem que seu colega se empolgou nas mesuras ao político mineiro...

Com tudo isso, a chamada “crise de liderança” atormenta Brasília. O Congresso tem fome de esperança e ainda não encontrou um pizzaiolo à altura para saciá-la. Alguém se candidata?

Preparem-se para os malufistas de esquerda

Márcio Juliboni
há 4 meses1.3k visualizações
Preparem-se para os malufistas de esquerda
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Um espectro ronda as eleições de 2018 – o espectro do malufismo de esquerda. Diante da Lava Jato, que vem desmascarando corruptos de todas as colorações ideológicas, corremos o risco concreto de vermos os partidos “progressistas” abandonarem a bandeira da ética na vida pública com o argumento de que o sistema político-eleitoral brasileiro corromperia até Jesus Cristo. Logo, em nome de uma causa maior (a justiça social), seria necessário tolerar um mal menor (a corrupção, o caixa dois e outros malfeitos). Em bom português, ainda poderemos ouvir: “ele rouba, mas faz algo pelos mais pobres.”

Há dois fatores que nos empurram nesta direção. O primeiro é, justamente, a Lava Jato. As investigações deixaram claro que, no escurinho de Brasília, todos os partidos são pardos. Seja em troca de emendas parlamentares, doações para eleição ou para encher o próprio bolso, uma série de políticos de esquerda (notadamente, do PT) é acusada, investigada ou já foi condenada por corrupção e outros crimes. Isso joga a reputação dessas legendas na mesma cova rasa de partidos de direita. No máximo, petistas e companheiros poderão afirmar que não fizeram nada além daquilo que os outros fazem. Justificarão seu erro com o erro dos outros. São apenas iguais.

Sem o discurso da ética, entraremos numa eleição de “políticas de resultados”. Quem inseriu mais gente no mercado de trabalho? Quem aumentou mais a renda e diminuiu a desigualdade? Quem promoveu mais políticas de inclusão? Quem se preocupou mais com as questões de gênero? Nesses quesitos, os números pendem a favor do PT. Não adiantará dizer que a prosperidade econômica de seus governos foi sustentada artificialmente pela expansão do preço das commodities agrícolas e minerais, graças ao acelerado crescimento da China nos anos 2000. Também não significará nada alertar que a crise fiscal que vivemos atualmente é cria da gastança desenfreada de quem governava como se não houvesse amanhã.

Está na moda, entre os cientistas políticos e marqueteiros, afirmar que se ganham eleições e se tocam governos com base em “narrativas”: boas histórias que mobilizem eleitores e congressistas. O ideal seria trocar essa palavra por “fábulas”. Na disputa de fábulas que se aproxima, ouviremos a esquerda entoar aos quatros ventos seu conto da carochinha de que fez o que fez para proteger o povo de uma elite branca que bate panelas das varandas gourmet de bairros nobres paulistanos. Toda boa mentira parte de uma meia verdade: às escondidas, amigaram-se com os maiores empreiteiros do país, receberam mesadas e voaram em seus jatinhos. Se alguém lembrá-los desses incômodos detalhes, darão de ombros e dirão: “E daí? E os que voaram nos jatinhos e não fizeram nada pelo povo?”

Serão tempos sinistros... corremos o risco de inventarmos uma nova jaboticaba. Depois dos déspotas esclarecidos do Iluminismo, o Brasil lançará os corruptos abnegados do Esquerdismo.

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
m.juliboni
Escreve sobre política e economia desde 2000. E ainda se espanta com isso!!!