MULHERES

Anne Hathaway fala sobre misoginia internalizada

Micheli Nunes
Author
Micheli Nunes
Anne Hathaway fala sobre misoginia internalizada

Em uma entrevista com Peter Travers, para o lançamento de seu novo filme, Colossal, Anne Hathaway contou que tinha o pé atrás com a diretora Lone Scherfig, com quem trabalhou no longa Um Dia, em 2011, simplesmente porque ela era uma mulher. "Eu me arrependo de não ter confiado nela com maior facilidade, e até hoje eu temo que não tenha confiado como confiava em outros diretores homens por que ela é uma mulher. É muito difícil de admitir, mas acredito que a tratei com misoginia internalizada", contou a atriz, que afirma não ter nenhum problema com Lone em outros aspectos: "Nós nos dávamos bem, não era um problema com profissionalismo ou com amizade. Eu gosto muito dela, era simplesmente algo me prendendo, e eu sinto muito por isso". 

Anne usou esse exemplo pessoal e bastante íntimo para endereçar um problema sério que enfrentamos no mercado de trabalho, a misoginia internalizada. Quantas vezes já não ouvimos, inclusive de mulheres, que elas não gostam de trabalhar com outras mulheres?  "Quando eu recebia esses roteiros feitos por mulheres, eu focava sempre no que estava errado neles, e quando eu recebia roteiros feitos por homens eu focava no que estava errado com eles", confessou Anne, que explicou que a mudança no seu comportamento precisa ser constante: "Eu não quero fazer mais isso. Depois que eu percebi essa misoginia internalizada, eu tento voluntariamente trabalhar com mulheres diretora". 

Anne, atribuiu ao machismo o fato de termos menos mulheres em papéis de liderança no mercado de trabalho: "Nunca tive problemas confiando e me submetendo a outras atrizes, mas quando a posição é de poder eu tinha essa desconfiança. Estou ficando vermelha só de falar isso, sinto como se estivesse fazendo uma confissão, mas acho que é uma coisa da qual precisamos falar. Talvez falar sobre esse assunto faça com que outras pessoas pensem nisso também" explicou a atriz.

Assista à entrevista completa abaixo: