Coluna: Por que precisamos de feminismo?
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Coluna: Por que precisamos de feminismo?
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Coluna: Por que precisamos de feminismo?
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Escritora é vítima de estupro em Uber e cria campanha de apoio a outras vítimas

Micheli Nunes
há 2 meses54.7k visualizações
Escritora é vítima de estupro em Uber e cria campanha de apoio a outras vítimas
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Infelizmente não vivemos em um mundo seguro para mulheres. A cada 11 minutos um estupro é reportado no Brasil e, segundo pesquisas do IPEA, apenas 10% dos casos chegam a ser notificados. Ou seja, o número é 10 vezes maior do que o que a polícia registra. Estatísticas da ONG Rainn apontam que uma em cada seis mulheres sofrerão pelo menos uma tentativa de estupro durante a vida. Ontem a escritora Clara Averbuck se tornou parte dessa estatística.

Clara foi vítima do abuso ao voltar para a casa de Uber. Segundo seu relato em um post do Facebook, o motorista se aproveitou ao perceber que Clara estava embriagada. Ele a empurrou pra fora do carro e enfiou a mão por dentro da roupa dela com a desculpa de estar "ajudando", e ao ser confrontado agrediu a escritora, que está com hematomas no rosto.

Clara, que é feminista e ativista, já havia sido vítima de estupro na adolescência e hoje ajuda outras mulheres a lidarem com o trauma de se tornarem vítimas. "Estou decidindo se quero me submeter à violência que é ir numa delegacia da mulher ser questionada, já que a violência sexual é o único crime que a vítima é que tem que provar. Não quero impunidade de criminoso sexual mas também não quero me submeter à violência de estado. Justamente por ter levado tantas mulheres na delegacia é que eu sei o que me espera", desabafou ela.

Diante da denúncia, a Uber afirmou que condena qualquer tipo de violência contra mulheres. "O motorista parceiro foi banido e estamos à disposição das autoridades competentes para colaborar com as investigações. Acreditamos na importância de combater, coibir e denunciar casos de assédio e violência contra a mulher", disse um comunicado da empresa à imprensa. 

Além de denunciar o motorista, Clara criou também uma campanha para que as vítimas de abusos em serviços de transporte, seja Uber, taxi ou qualquer outro, não tenham vergonha de denunciar. "Que meu caso sirva para que outras mulheres não tenham medo de expor o acontecido. Que não se culpem. A polícia é despreparada para lidar com essas questões delicadas. É por isso que, coletivamente, pensamos na campanha #MeuMotoristaAbusador e #MeuMotoristaAssediador", escreveu Clara em uma coluna na revista Claudia.

A hashtag já tem centenas de compartilhamentos nas redes sociais, onde mulheres contam suas próprias histórias de horror.

Lembrem-se: a culpa não é sua. A culpa não é nossa.

Vídeo mostra como o machismo afeta até os bebês

Micheli Nunes
há 2 meses25.2k visualizações
Vídeo mostra como o machismo afeta até os bebês
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Imagem: REPRODUÇÃO/BBC

Você já parou para pensar em quando o machismo começa a afetar a nossa vida? A resposta é assustadora. No momento em que os pais revelam o sexo da criança, ainda na gravidez, as pessoas já começam a mudar o comportamento em relação a essa nova vida. E no instante em que o bebê nasce, ele é tratado de maneira bem diferente se é menino ou se é menina. Um vídeo produzido pela BBC mostra claramente isso. 

No experimento, um menino e uma menina têm suas roupas trocadas. O Edward virou "Sophie" e a Marnie virou "Oliver". Os dois então são colocados em uma sala cheia de brinquedos de todos os tipos. Então, alguns adultos que não sabiam da "troca de gênero" são instruídos a brincar com eles. 

Os adultos que brincaram com "Sophie" ficam paradinhos, usam um tom de voz musical e suave e oferecem bonecas e ursinhos. Já os adultos que são designados para brincar com "Oliver" escolhem brinquedos muito mais interativos, como blocos de montar e bicicleta. Eles também são fisicamente mais ativos, levantando a criança e movendo-a pela sala. 

A matéria afirma que quando uma criança interage com brinquedos que desenvolvem noção espacial, seus cérebros mudam em três meses. Isso tem um impacto gigantesco no desenvolvimento cognitivo delas e coloca meninos em "vantagem", pois facilita a relação deles com problemas lógicos e ciências exatas.

 

Vídeo mostra como o machismo afeta até os bebês

Quando os repórteres revelam o verdadeiro sexo da criança, os adultos ficam surpresos e até decepcionados com eles mesmos. "Eu achei que tinha a cabeça mais aberta", diz uma participante. "Achei que estava apenas escolhendo os brinquedos que estavam ao alcance, mas meu subconsciente me pregou uma peça", afirma outra.

Talvez seja a hora de tratar crianças de maneira mais igualitária.

Veja o vídeo completo, com legendas em português, aqui:

 

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
micheli.nunes
Micheli é jornalista especialista em cinema, e escreve sobre filmes, séries de TV, feminismo e cultura pop há 9 anos.