Cultura POP
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Cultura POP
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Cultura POP
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

5 bruxas que são verdadeiros ícones feministas

Micheli Nunes
há 4 meses32.1k visualizações
5 bruxas que são verdadeiros ícones feministas
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Um dos arquétipos femininos mais antigos da história, a Bruxa tem passado de vilã a heroína na cultura pop. Inspirada em religiões pagãs matriarcais, a figura da bruxa foi vilanizada por séculos, à medida que o Cristianismo foi se tornando uma potência global. Tudo porque homens se sentiam intimidados por mulheres que possuíam mais conhecimentos que eles sobre saúde e sexualidade. 

A famosa Caça às Bruxas, que teve seu auge do século XVI ao século XVIII, criou uma paranoia generalizada e matou milhares de mulheres inocentes que não se comportavam como eram ordenadas. Tudo pelo medo de que essas mulheres, geralmente parteiras e curandeiras, ameaçassem o poder do patriarcado. 

Mas a história tem mudado e a imagem da bruxa vem passando por uma transformação paralela ao surgimento e crescimento dos movimentos feministas. Antes vista como solitária, amarga, invejosa e feia, agora a bruxa aparece independente, poderosa e cheia de girl power. Coincidência? Eu acho que não! 

Veja alguma das bruxas mais feministas da cultura pop:

#1 - Samantha

A série A Feiticeira estreou em 1964, uma época em que a obrigação dos serviços domésticos era ainda mais intensa para mulheres. Uma das primeira bruxas atraentes a aparecer na cultura pop, Samantha não aceitava de bom grado o papel de esposa subserviente. Sempre desafiava o marido e usava magia para se livrar dos afazeres domésticos.

#2 - Sabrina

Sabrina, Aprendiz de Feiticeira era a heroína de 9 entre 10 garotas dos anos 90. Morando com suas duas tias, ela era independente, inteligente e usava seus poderes para o bem. Sabrina é um exemplo de narrativa sobre amadurecimento feminino (e feminista) disfarçada de comédia.

#3 - Elvira

Apesar de controversa pelo visual hipersexualizado, Elvira sempre foi dona de si e poderosa. Criada por Cassandra Peterson, a personagem surgiu como apresentadora de uma sessão de filmes de horror nos anos 80. Logo virou febre e apareceu em videogames, filmes, séries, comerciais e etc. Em seu primeiro longa solo, Elvira, A Rainha das Trevas, ela enfrenta o conservadorismo na forma de um tio avô do mal. 

#4 - Malévola

Malévola é um dos maiores indicadores de que o feminismo tem retomado a narrativa das bruxas. O filme de 2014 reconta a história da Bela Adormecida do ponto de vista da vilã, que no fim das contas não era tão malvada assim. Além de humanizar a personagem, o longa coloca a bruxa em cenas épicas de batalha chutando os traseiros de um monte de homens.

#5 - Hermione

Mais conhecida como "a razão do garoto que sobreviveu ainda estar vivo", Hermione é uma das personagens mais queridas da cultura pop. Super inteligente e poderosa, mas ainda sensível e complexa, a personagem salva Harry Potter diversas vezes. Sua intérprete, Emma Watson, também cresceu para se tornar uma das mais populares vozes do feminismo no mundo.

Alguém desenhou pras pessoas entenderem o peso da jornada dupla das mulheres

Micheli Nunes
há 5 meses93.4k visualizações
Alguém desenhou pras pessoas entenderem o peso da jornada dupla das mulheres
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

A blogueira e desenhista francesa Emma fez um quadrinho super explicativo sobre como a responsabilidade dos afazeres domésticos atribuída às mulheres é exaustiva. Mesmo quando os homens dividem as tarefas, a "carga mental" ainda é muito maior para elas, porque culturalmente se espera que elas sejam as responsáveis por gerenciar a casa, perceber o que precisa ser feito e delegar tarefas.

O quadrinho foi compartilhado em diversas línguas no mundo inteiro, e aqui no Brasil o movimento Bandeira Negra traduziu tudo e compartilhou no Facebook. E é só olhar nos comentários das publicações para ver milhares de mulheres marcando seus companheiros e comentando que finalmente alguém explicou o que elas sentiam e nunca verbalizaram. confira abaixo um trecho do quadrinho:

Alguém desenhou pras pessoas entenderem o peso da jornada dupla das mulheres
Alguém desenhou pras pessoas entenderem o peso da jornada dupla das mulheres
Alguém desenhou pras pessoas entenderem o peso da jornada dupla das mulheres
Alguém desenhou pras pessoas entenderem o peso da jornada dupla das mulheres
Alguém desenhou pras pessoas entenderem o peso da jornada dupla das mulheres
Alguém desenhou pras pessoas entenderem o peso da jornada dupla das mulheres
Alguém desenhou pras pessoas entenderem o peso da jornada dupla das mulheres
Alguém desenhou pras pessoas entenderem o peso da jornada dupla das mulheres
Alguém desenhou pras pessoas entenderem o peso da jornada dupla das mulheres
Alguém desenhou pras pessoas entenderem o peso da jornada dupla das mulheres

Está na hora de homens e mulheres realmente dividirem os trabalhos domésticos. E isso não significa apenas atribuir metade das atividades para cada um, mas estabelecer que a responsabilidade de perceber as necessidades domésticas ao redor PRECISA ser igual para eles e para elas. Confira a HQ completa clicando aqui. E já aproveite para compartilhar com seus amigos e familiares.

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
micheli.nunes
Micheli é jornalista especialista em cinema, e escreve sobre filmes, séries de TV, feminismo e cultura pop há 9 anos.