MULHERES

Deixem Su Tonami em paz!

Micheli Nunes
Author
Micheli Nunes
Deixem Su Tonami em paz!

Você deve se lembrar do caso de assédio sexual do ator José Mayer, quando ele foi denunciado por passar meses intimidando a figurinista Su Tonami, e chegou a agredi-la colocando a mão entre suas pernas, certo? Pois na última semana, Su resolveu que não ia prestar queixa contra José Mayer, o que levou a uma enxurrada de especulações sobre os motivos. Um colunista chegou a sugerir que ela teria um caso com o ator, e esse seria o motivo da desistência. Além de extremamente sexista, o boato não tem sentido, já que foi a própria Su que tornou o caso público. 

Prestar queixas de assédio sexual é uma tarefa hercúlea. O sofrimento de ter sido atacada é revivido centenas de vezes durante todo o processo. A maioria das delegacias não têm pessoas preparadas para receber mulheres vítimas de abuso, e muitas delas encontram delegados grosseiros, que duvidam de todos os detalhes do crime, sugerem que a mulher possa ser a culpada e ainda tentam persuadi-la a desistir da denúncia. Isso quando falamos de homens comuns. Quando um famoso, com muito dinheiro para contratar advogados e boa parte da imprensa e da opinião pública do seu lado, a via-crúcis é ainda pior. 

Isso tudo ainda é aliado ao trauma de revisitar e descrever todo o ocorrido dezenas de vezes, para o delegado, para advogados, para o promotor e para mais uma dezena de pessoas. Além da perspectiva de ter que ir atrás de testemunhas para depor e de continuar envolvida com o caso - e com o abusador - por meses e até anos. Isso já é motivo suficiente para que a maioria das mulheres não denunciem seus abusos. E isso é muito compreensivo.

O ideal seria que nosso sistema acolhesse essas mulheres, aplicasse a lei e trouxesse justiça para elas, mas isso não acontece. E enquanto mulheres que foram abusadas continuarem sendo agredidas de todas as maneiras ao buscarem reparação, ninguém pode obrigá-las a denunciar os seus abusadores. Su escreveu recentemente mais um texto para o blog Agora É Que São Elas com o título "Me deixem deixar de ser vítima - Me deixem voltar a ser eu". E isso é o mínimo que devemos a ela.