Homens passando vergonha
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Homens passando vergonha
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Homens passando vergonha
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

André Contini precisa ter três qualidades

Micheli Nunes
há 6 meses5.2k visualizações
André Contini precisa ter três qualidades
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

André Contini, colunista do Jornal Novo Tempo, da cidade de Garibaldi, fez um texto dizendo que mulheres - em geral - precisam ter três qualidades. Segundo ele, são regras que aprendeu com sua mãe: uma mulher não pode ser "relaxada", precisa ser "bonita", e precisa ser "equilibrada emocionalmente". É basicamente isso. Mas será que André é um especialista em gênero? Ou seria um psicanalista famoso? Não. André é físico, professor e faz um doutorado em engenharia mecânica. 

Se você tem estômago, o imbróglio inteiro está aqui:

André Contini precisa ter três qualidades

Mas já que André não é nenhum perito e se sentiu no direito de escrever, eu também resolvi fazer uma lista com três qualidades que eu gostaria que ele tivesse. Não tenho razão nenhuma pra isso, apenas uma certa irritação, senso de legitimidade que eu provavelmente não mereço, e uma plataforma. Igualzinho ao André. Então Vamos lá.

Primeiro, o André não deve ser machista. Pelo que já sabemos ele gosta de criar regras para mulheres em geral, como se seu critério fosse relevante. Impor o que dá na sua cabeça como comportamento necessário para todo o gênero feminino é machismo. Dizer que TPM é "desequilíbrio emocional" e sugerir um tratamento a base de chocolate e abraço também é. Não seja machista, André. Isso inclui apenas não tratar mulheres como um gênero inferior, achando que você tem direito de dizer o que elas podem ou não fazer. Nada mais. 

Segunda qualidade. O André deve, sempre que possível, não ser tão egocêntrico. Ele é físico, professor, estuda engenharia mecânica. Não deve se meter em assuntos de que não entende, como por exemplo comportamento feminino. E a sua opinião não é a mesma de todos os homens, mas mesmo se fosse, não estamos aqui para agradá-los. O mundo não gira em torno de seu umbiguinho mimado.

A última qualidade é ter mais humildade. Do jeito que o André fala parece que sua palavra é lei, mas independentemente do que sua querida mãe tenha ensinado, eu tenho uma novidade: ninguém liga pra a opinião do André. E já que estamos nesse assunto, o André deveria deixar pra colocar o seu doutorado nas suas credenciais quando terminá-lo. Pega mal se gabar de uma coisa que nem está garantida. Tipo médico do primeiro ano andando por aí de jaleco. É meio patético. 

Tadinhos! Rodrigo Hilbert está fazendo os homens se sentirem "pressionados"

Micheli Nunes
há 7 meses2.3k visualizações
Tadinhos! Rodrigo Hilbert está fazendo os homens se sentirem "pressionados"
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸


Rodrigo Hilbert é ator, modelo, apresentador, rico e famoso. Ele cozinha, é ferreiro, faz crochê e dança. Tem 1,90m de altura, 36 anos, olhos azuis e uma cara e um corpo que poderiam pertencer à família Hemsworth. Mas mesmo com todos esses atributos, acho que nem mesmo o próprio Rodrigo Hilbert imaginaria que viria a ter esse papel inesperado: o de, sozinho, PRESSIONAR toda uma geração de homens brasileiros padrão.

Na última semana, o jornalista Fernando Guifer fez um texto entitulado "ALGUEM PRECISA PARAR O RODRIGO HILBERT" (assim, em caps). Claro, entendemos o humor do post, mas entendemos também a mensagem e o desabafo que ele carrega. E ó... de PRESSÃO a gente entende. Então senta aqui, vamos conversar.

A primeira coisa que chamou a atenção é que, entre as características INCRÍVEIS do Rodrigo, Guifer mencionou lavar e passar roupa, lavar louça e ser bom pai. Olha, eu entendo você dizer que ser lindo, rico, famoso e ter um corpo escultural são realmente características raríssimas, mas classificar tarefas cotidianas que não passam da sua obrigação como um padrão inalcançável já passou pro lado ridículo. Imagina se eu sair por aí falando que não aguento a Gisele Bündchen porque ela é boa mãe? 

Outra curiosidade bastante relacionada com os papéis de gênero, é que Rodrigo Hilbert está sendo endeusado por desempenhar tarefas que são culturalmente vistas como femininas, e aqui incluímos cozinhar e fazer crochê. Mas por ele ser alto, forte e casado com uma mulher linda, sua masculinidade não é posta à prova. Aliás, recentemente ele ganhou destaque pela participação no programa Amor & Sexo, apresentado pela esposa, onde apareceu vestido de drag queen, fato que curiosamente Guifer não mencionou no seu texto.

Tadinhos! Rodrigo Hilbert está fazendo os homens se sentirem "pressionados"

Se você acha que cozinhar super bem e fazer crochê o tornará mais atraente para mulheres, vá em frente, desenvolva essas habilidades! Mas vamos esclarecer que essas coisas não são esperadas de todos os homens, e não são impossíveis de se alcançar. Muito diferente do que geralmente se espera das mulheres. 

Guifer menciona que se sente uma mistura de "Tiririca e Bruxa do 71" comparado ao apresentador. E de fato não é possível que todos os homens sejam bonitos dentro desse padrão Thor, ou que sejam ricos e famosos. Esses sim são ideais inalcançáveis. Mas o Rodrigo é só um cara. E se sua parceira compara você a ele em toda DR, é melhor repensar esse relacionamento.

Tudo isso parece óbvio, mas a quantidade de compartilhamentos do texto mostrou que é hora de reconhecer o privilégio masculino. Rodrigo Hilbert é uma novidade para os homens, mas nós mulheres sempre tivemos figuras similares como modelos inalcançáveis. Em todo o último século, mulheres magras, jovens, altas e ricas (e geralmente brancas e loiras) foram alçadas ao posto de mulher ideal. E diferentemente dos galãs, aos quais basta a carreira, as mulheres famosas sempre são cobradas e escrutinadas em suas vidas pessoais. Sempre aparecem em capas de revistas como ideais de beleza, maternidade e feminilidade. E mais recentemente como modelos de sucesso profissional.  

Tadinhos! Rodrigo Hilbert está fazendo os homens se sentirem "pressionados"

Gwen Stefani na capa da Vogue: "1 Marido, 2 filhos, 3 Selos, barriga de tanquinho e muito descolada". Jessica Simpson "Dona de Casa do Ano", limpando o chão se salto alto e calcinha infantil na capa da Rolling Stone

Todos os dias, a mídia nos bombardeia com esses alvos femininos inalcançáveis. Dizem que precisamos ser magras, ter cabelos sempre perfeitos, estar sempre com a pele bonita, mas sem exagerar na maquiagem. Dizem que precisamos ser mães 100% dedicadas, mas também precisamos ter carreiras de sucesso e nos comportar de maneira sexy (mas sem ser "vulgar"). Dizem que precisamos ter barriga de tanquinho três meses após dar à luz, e nunca podemos envelhecer ou mostrar sinais de cirurgias plásticas. E quando não alcançamos esses ideais, eles lucram com a nossa autoestima degradada, vendendo produtos e pseudo soluções. 

Então acredite, de pressão nós entendemos. E não é apenas um apresentador do GNT que oprime o nosso gênero, é todo um sistema machista. Ninguém precisa parar o Rodrigo Hilbert. É você que precisa rever seus privilégios. E começar a lavar a louça. Muito mais do que uma barriga de tanquinho ou saber fazer crochê, o que esperamos dos parceiros é que dividam as tarefas domésticas e o cuidado com os filhos. 

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
micheli.nunes
Micheli é jornalista especialista em cinema, e escreve sobre filmes, séries de TV, feminismo e cultura pop há 9 anos.