Homens passando vergonha
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Homens passando vergonha
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Micheli Nunes
micheli.nuneshá 2 meses

Homens passando vergonha

Coisas péssimas que estão rolando na parte sombria da internet
    • Reportar esta pasta de histórias
Homens passando vergonha
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Vídeo de Jacquin sendo machista com Paola mostra o que nós aguentamos todo dia

Micheli Nunes
há 2 meses45.3k visualizações
Vídeo de Jacquin sendo machista com Paola mostra o que nós aguentamos todo dia
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Imagem: DIVULGAÇÃO/BAND

Não é fácil ser mulher no mercado de trabalho. Mesmo se ela alcança todo o reconhecimento dentro de sua área, por puro trabalho e talento, ainda não está livre se ser desrespeitada por colegas machistas. Foi o que aconteceu com Paola Carosella, jurada do Masterchef Brasil. A chef foi surpreendida pelo colega, Érick Jacquin, que fazia um vídeo com seu celular e começou a fazer perguntas machistas e afirmações de cunho sexual sobre Paola.

"Muita gente não considera mais você como chef de cozinha, cozinheira. Considera você uma puta duma gostosa, maravilhosa, linda e são loucos para te beijar. O que você tem para responder?", disse Jacquin, destilando seu machismo e reduzindo o talento da colega aos seus atributos físicos. Paola, feminista que é, não aceitou calada: "Eu sou as duas coisas. Eu sou uma mulher bonita e eu sou uma grande cozinheira", respondeu ela, sem pestanejar.

O papo continuou, extremamente constrangedor, e Jacquin mostrou que não conhece limites ou respeito. "Você já fez sexo em cima da mesa dentro da cozinha?", disparou ele. Paola, que já estava visivelmente incomodada, finalmente se negou a responder. 

O vídeo, que está sendo compartilhado no Facebook e no Twitter, tem gerado revolta nas redes sociais. E com razão. Esse tipo de interação é muito conhecida por nós, mulheres. Homens, geralmente mais velhos, entendem nossa simpatia como "abertura" e sentem-se no direito de fazer todo tipo de comentário machista e sexual com a desculpa de que era "apenas uma brincadeira".

Esse raciocínio misógino proporciona um ambiente de trabalho hostil e desconfortável, o que nos leva a duvidar da nossa própria capacidade e do nosso pertencimento àquele ambiente. Sempre que um colega faz esse tipo de comentário, somos levadas automaticamente a reavaliar tudo o que fizemos para que isso tenha acontecido. Será que foi a minha roupa? Será que foi porque eu ri da piada dele? Será que eu ando sendo simpática demais? Quando absolutamente NADA justifica essa falta de profissionalismo masculina. Essa é uma carga mental que gera ansiedade e ocupa nossa cabeça, que deveria estar dedicada às atividades profissionais.

Jacquin, que em um país com uma cultura menos machista seria processado por assédio e afastado do programa, não pediu desculpas e nem mesmo se preocupou em tirar o vídeo de sua conta no instagram

Inacreditável: Chris Brown culpa Rihanna por tê-la espancado

Micheli Nunes
há 2 meses15.5k visualizações
Inacreditável: Chris Brown culpa Rihanna por tê-la espancado
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Imagem: Divugação

Nunca subestime a cara-de-pau de um homem agressor. Principalmente se ele for famoso e/ou poderoso. É o caso do rapper Chris Brown, que mesmo provando que é um ser humano desprezível, continua assinando contratos, vendendo discos e fazendo parcerias. Para quem não se lembra, em 2009 Chris Brown espancou a popstar Rihanna, então sua namorada, deixando seu rosto completamente desfigurado. Oito anos depois, ele agora aparece de novo nas manchetes, dizendo que foi Rihanna quem provocou a briga que levou ao espancamento, e afirmando que ela  "o deixou furioso" cuspindo sangue nele.

Em alguns trechos do documentário "Chris Brown: Welcome To My Life", produzido pelo próprio cantor e divulgado no site TMZ, ele dá a "sua versão" da briga. Segundo Brown, a cantora teria começado a discussão por motivo de ciúmes. "Ela começou a me bater e eu fui ficando com raiva e comecei a ser maldoso. Foi quando eu fechei a mão e parti o lábio dela. Eu me senti um monstro", disse o artista no documentário. Mas apesar de se sentir "um montro", Chris Brown não parou de bater na namorada. "Ela cuspiu sangue na minha cara e eu fiquei ainda mais enfurecido e continuei batendo nela. Foi aí que ela agarrou as minhas bolas e eu mordi seu braço, eu acho".

Segundo o depoimento da própria cantora, Rihanna conseguiu sair do carro e começou a gritar que ele estava tentando matá-la. Ela foi socorrida e a foto de seu rosto desfigurado, tirada pelos médicos legistas, foi parar nas manchetes de todo o mundo. Brown chegou a ser preso, mas respondeu em liberdade e foi condenado a apenas cinco anos de liberdade condicional. Em 2012, ele fez uma tatuagem de uma "caveira mexicana" em seu pescoço, mas o desenho é estranhamente parecido com o rosto machucado de Rihanna, dando a entender que ele se orgulha do acontecido:

Inacreditável: Chris Brown culpa Rihanna por tê-la espancado

Imagem: Reprodução/TMZ

Todo o documentário tenta mostrar uma versão pacífica, carinhosa e arrependida de Chris Brown, o que não cola com a imagem de gangster agressivo que ele ainda passa no palco e em suas músicas. E mesmo se as alegações de que Rihanna também o agredia fisicamente forem verdade, nada justifica que um homem de 1,85m, e pelo menos 30kg a mais do que a mulher, bata em seu rosto até que ela fique desfigurada.

 

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
micheli.nunes
Micheli é jornalista especialista em cinema, e escreve sobre filmes, séries de TV, feminismo e cultura pop há 9 anos.