MULHERES

Uma província no Canadá proibiu a exigência de salto alto

Micheli Nunes
Author
Micheli Nunes

Como se a gente precisasse de mais um motivo para morar no Canadá, a província  British Columbia acabou de banir a imposição do uso de salto em locais de trabalho. Em um comunicado à imprensa, o Governo explicou que a exigência não é segura, por causa do risco de lesões e o dano que o uso de salto pode causar a longo prazo.

A decisão veio depois de uma foto que viralizou no facebook, mostrando uma mulher canadense com pés ensanguentados. Nicola Gavin, contou que os pés sangrento pertenciam à sua amiga, que trabalhava na rede de restaurantes Joye's. Depois de passar vários dias de salto alto, ela teve vários dedos cortados e chegou a perder uma unha, mas o supervisor do turno disse que ela precisava voltar a usar salto no dia seguinte. Além do sapato, a loja também exigia que as garçonetes usassem roupas brancas, que tinham que comprar por 30 dólares, enquanto os homens podiam usar roupas pretas do próprio guarda-roupa.

Uma província no Canadá proibiu a exigência de salto alto

Apesar de no Brasil a maioria dos locais de trabalho não exigir que mulheres usem salto alto, essa exigência incrivelmente não é proibida, o que faz com que algumas empresas coloquem o desconfortável acessório no dress code. E isso é ainda mais comuns em trabalhos onde a mulher precisa ficar muitas horas de pé ou andando, como o de recepcionistas e garçonetes. É importante saber que a lei trabalhista deixa claro que exigências assim devem ser feita antes da contratação. Se forem implementadas depois, podem ser consideradas abusivas.

Apesar de serem um problema prioritariamente feminino, exigências de dress code discriminatórias sempre vêm à tona na época do verão no Brasil, quando homens reclamam de serem obrigados a usar calças compridas e ternos, enquanto mulheres têm a opção de usar saias. Mas apesar da reclamação ser legítima, mulheres são muito mais cobradas sobre o que podem ou devem usar em ambientes de trabalho. Quando não pelas regras da própria empresa, por discriminação de colegas.

Em 2014, um jornalista e âncora de um jornal australiano chamado Karl Stefanovic revelou que usou o mesmo terno quase todos os dias durante um ano, o que ninguém percebeu. Ele contou que decidiu fazer o experimento depois que sua colega, Lisa Wilkinson, mostrou a ele uma série de cartas de telespectadores reclamando de suas roupas. Uns a aconselhavam a usar roupas mais reveladoras, outros, mais modestas. Um homem chegou a pedir que ela tivesse mais "estilo" e deu uma lista de tecidos e modelos que ela deveria tentar. O fato de Karl nunca ter sido incomodado é uma prova de que até na hora de escolher a roupa é difícil ser mulher no mercado de trabalho.